ARTIGOS


- Composição pontos pretos sobre fundo verde-vermelho: os fazeres artísticos e históricos dos sem-teto em Brasília, de 2000 a 2006.
Sainy C. B. Veloso


- Maquiavelismo: a teoria e o adjetivo
Ricardo Luiz de Souza

- Reformas pombalinas e o iluminismo em Portugal
Sandra Aparecida Pires Franco


- O perfil dos intérpretes da Companhia de Jesus no Japão e no Brasil no século XVI
Cândida Barros e
Toru Maruyama

- Bossuet e Luís XIV: Justiça, bons exemplos e bem comum. Virtudes fundamentais ao príncipe cristão para o fortalecimento de seu poder
Maria Izabel B. Morais Oliveira


- Linguagens artísticas (Cinema e Teatro) e o ensino de História: caminhos de investigação
Alcides Freire Ramos e Rosangela Patriota

- Documento Inédito: História do Jornal Astro de Minas pela pena do Padre José Marinho
Alex Lombello Amaral

- Mulheres, modernidade e sufrágio: Uma aproximação possível
Mônica Karawejczyk


DOSSIÊ "HISTÓRIA CULTURAL & MULTIDISCIPLINARIDADE"


- Apresentação do Dossiê “História Cultural & Multidisciplinaridade”
Sandra Jatahy Pesavento

- Uma cidade sensível sob o olhar do “outro”: Jean - Baptiste Debret e o Rio de Janeiro (1816 - 1831)
Sandra Jatahy Pesavento


- O controle à publicação de livros nos séculos XVIII e XIX: uma outra visão da censura
Márcia Abreu

- Aimé-Adrien Taunay: um artista romântico no interior de uma expedição científica
Maria de Fátima Costa

- O Encoberto da Vila do Príncipe (1744-1756): milenarismo-messianismo e ensaio de revolta contra brancos em Minas Gerais
Luiz Carlos Villalta

- “É quase impossível falar a homens que dançam”; representações sobre o nacionalpopular
Mônica Pimenta Velloso

- Martins Pena e o dilema de uma sensibilidade popular numa sociedade escravista
Antonio Herculano Lopes

- O folheto popular e as revistas ilustradas: os circuitos de comunicação cidade / sertão na virada do século XIX para o século XX
Sylvia Regina Bastos Nemer


- O cronotopo e a inserção da história na narrativa de Dyonélio Machado
Márcia Helena Saldanha Barbosa


- A cidade e o dinheiro representados nas obras de Georg Simmel e de Dyonélio Machado
Mauro Gaglietti

- A cidade “ao rés do chão”: os cariocas e as cariocas por Sérgio Porto e Stanislaw Ponte Preta”
Cláudia Mesquita

- Entre o fascínio e o horror: a literatura catástrofe em Goiás Eliézer Cardoso de Oliveira

- Memória e contemplação no universo de Mario Quintana: deslocamentos por espaços e tempos ampliados pelo imaginário poético Jeniffer Cuty

- Cangaço e Cangaceiros: histórias e imagens fotográficas do tempo de lampião
Marcos Edílson de Araújo Clemente

- O anti-Macunaíma: Mário de Andrade e a mitificação de Delmiro Gouveia
Dilton Cândido Santos Maynard

- Entre a História e a Literatura: as múltiplas letras, os múltiplos tempos, os múltiplos olhares em Graciliano Ramos
Cristiano Cezar Gomes da Silva


RESENHAS


- Paixão e rigor: o olhar de Luiz Nazario pelos corpos de Pasolini
Aline Ludmila de Jesus


- Subterrâneos do Autoritarismo – de Graciliano Ramos a Nelson Pereira dos Santos: uma proposta de estudo de Tânia Nunes Davi
Talitta Tatiane Martins Freitas


 

 



 
 


O PERFIL DOS INTÉRPRETES DA COMPANHIA DE
JESUS NO JAPÃO E NO BRASIL NO SÉCULO XVI

Cândida Barros e Toru Maruyama

RESUMO: O objetivo do trabalho é comparar dados biográficos dos intérpretes da Companhia de Jesus no Japão e no Brasil no século XVI a fim de conhecer as estratégias usadas pela Ordem para obter competência em japonês e em tupi. Os catálogos anuais são a principal fonte de informação a respeito das habilidades lingüísticas dos jesuítas. Duas questões são analisadas por meio dos dados biográficos dos jesuítas intérpretes: (a) a relação entre posição hierárquica e o conhecimento das línguas vernáculas e (b) a política de admissão para aqueles que já conheciam aquelas línguas.

PALAVRAS-CHAVE: Jesuítas – Intérpretes – Evangelização

ABSTRACT: The aim of this work is to compare the biographical data of Jesuit interpreters in Japan and Brazil in the XVI Century, in order to learn what were the strategies used by the Jesuits order to acquire competence in the Japanese and Tupi languages, respectively. The annual catalogues of the Jesuits are the principal source of information concerning their individual linguistic abilities. Two main questions are analysed by the biographical data of Jesuit interpreters: a) the relation between hierarchical position within the order and knowledge of vernacular languages, and b) policies for admission to the order of candidates who were already familiar with those languages.

KEYWORDS: Jesuits – Interpreters – Evangelization