ARTIGOS


- O Arcaísmo Político no Brasil: As Contribuições de Maria Isaura Pereira de Queiroz Lidas à Luz do Pensamento Social Brasileiro -
Maria José de Rezende

- Eça de Queirós: Um Elo Esquecido no Modernismo Brasileiro - Mônica Pimenta Velloso

- História e Memória: O Rádio por seus Locutores - Francisco Alcides do Nascimento

- A “Glorificação dos Santos Franciscanos” do Convento de Santo Antônio da Paraíba: Algumas Questões sobre Pintura, Alegoria Barroca e Produção Artística no período Colonial - Carla Mary da Silva Oliveira

- A Arte no Tempo: Por uma Perspectiva Sociocultural dos Objetos Artísticos - Giselle Martins Venâncio

- Etnogênese Mbayá- Guaykuru: Notas Sobre Emergência Identitária, Expansão Territorial e Resistência de Um Grupo Étnico no Vale do Rio Paraguai (C . 1650-1800) - Francismar Alex Lopes de Carvalho

- “É uma Estranha Empresa Fazer Rir as Pessoas Honestas”: A Arte de Fazer Comédia para Molière a Partir da Peça Teatral Don Juan - Eliane Alves Leal

- Cinema: A Modernidade e Suas Formas de Entretenimento - Kellen Cristina Marçal de Castro Neves

DOSSIÊ "TEORIAS DO ESPETÁCULO E DA RECEPÇÃO"


- Apresentação do Dossiê “Teorias do Espetáculo e da Recepção” - Robson Corrêa de Camargo

- A Arte da Borboleta: Do Casulo Ao Vôo - Edélcio Mostaço

- O Paradoxo de Ana: Música e Dança – Uma Proposta de Compreensão desta Relação - Adriana Fernandes

-Natyasastra: Teoria Teatral e a Amplitude da Cena -
Marcus Mota

- Teatro em Carrocerias de Caminhões -Theater on Trucks - John C. Dawsey

- Fernando Peixoto: Um Artista Engajado na Luta Contra a Ditadura Militar (1964-1985) - Rosangela Patriota e Alcides Freire Ramos

- Dos Bastidores ao Palco: A Prática Teatral da União Operária - Vera Collaço

- A Pantomima e o Teatro de Feira na Formação do Espetáculo Teatral: O Texto Espetacular e o Palimpsesto - Robson Corrêa De Camargo

- O Teatro Artaudiano e a Zona Intersticial de Uma Lógica Esquecida - Vanessa Curty


- Estudos Culturais, Recepção e Teatro: Uma Articulação Possível? - Taís Ferreira

RESENHA


- A Variedade da Arte Teatral Brasileira por Meio de Temas, Formas e Conceitos Expressos no Dicionário do Teatro Brasileiro -
Rodrigo de Freitas Costa


 
 


A “GLORIFICAÇÃO DOS SANTOS FRANCISCANOS” DO CONVENTO DE
SANTO ANTÔNIO DA PARAÍBA: ALGUMAS QUESTÕES SOBRE PINTURA,
ALEGORIA BARROCA E PRODUÇÃO ARTÍSTICA NO PERÍODO COLONIAL

Carla Mary da Silva Oliveira

RESUMO: A construção do convento franciscano na Paraíba estendeu-se por quase 200 anos, e seu ápice foi a decoração interna da nave principal, concluída já na segunda metade do século XVIII, ornada com luxuosos azulejos portugueses nas paredes e pinturas trompe l’oeil no forro da nave. Centro nevrálgico da atuação franciscana ao norte de Pernambuco no período colonial, o Convento de Santo Antônio da Paraíba traz alegorias extremamente significativas para a compreensão da imagem que a congregação construía acerca de si e de sua atuação naquele mundo inóspito dos trópicos selvagens. Constituindo-se em discurso visual, a pintura do teto da igreja conventual pode ser entendida como ferramenta de “ordenação do mundo” utilizada na ação junto aos fiéis da sede da Capitania, como um sistema simbólico que cristalizava os poderes e a estrutura colonial em imagens e exemplos edificantes a serem respeitados e seguidos pelos colonos.

PALAVRAS-CHAVE: Barroco Paraibano – Convento de Santo Antônio – Alegoria

ABSTRACT: The construction of the Franciscan convent in Paraíba extended for almost 200 years, and its apex was the decoration of the main church, finished in the second half of the 18th century, adorned with luxurious Portuguese tiles in the walls and trompe l'oeil paintings in the ceiling. Center of the Franciscan performance to the north of Pernambuco in the colonial period, the St. Anthony Convent of Paraíba brings extremely significant allegories that can help to understand the image that the congregation built concerning itself and of his performance in that inhospitable and wild tropics. Being constituted in visual speech, the convent church ceiling’s paintings can be understood as tools of “ordination of the world” used close to the Captaincy inhabitants, as a symbolic system that crystallized the powers and the colonial structure in images and edifying examples that would be respected and followed for the colonists.

KEYWORDS: Paraíba Baroque – St. Anthony Convent – Allegory