A CHEGADA DA MODERNIDADE EM MATO GROSSO DO SUL SOB A ÓTICA DOS JORNAIS
QUE CIRCULAVAM NA REGIÃO NOS ANOS 1970

  • Beatriz dos Santos de Oliveira Feitosa
  • Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT
  • beatriz-feitosa@uol.com.br

RESUMO: Este artigo tem o objetivo de refletir a respeito da dinâmica de ocupação territorial do estado de Mato Grosso do Sul. Para tanto recorreremos às discussões que envolvem o conceito de tempo, pensadas em sintonia com a obra de Koselleck, com a consciência de que sua leitura do tempo histórico é uma, dentre outras possíveis. Fundamentamos nossas interpretações no ideal de que existem tempos múltiplos que convergem para que seja possível tratar de um tempo em particular. O presente neste sentido, é resultante das experiências temporais do passado e de perspectivas que dialogam com o futuro, a partir destas reflexões, buscamos perceber a permanência ao longo do tempo dos discursos da modernidade que permeiam os deslocamentos e trajetórias de pessoas no interior do Brasil, presentes em jornais de circulação local ao longo dos anos de 1970.

PALAVRAS-CHAVE: Ocupação Recente – Tempo; Migrações – Modernidade

ANTUNES, Arnaldo; JENECI, Marcelo; ORTINHO. Envelhecer. WADDINGTON, Andrucha (Direção Artística). São Paulo: BMG, 2010.

BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

BAUZÁ, Hugo Francisco. Qué es um mito: uma aproximación a la mitología clássica. 2. Ed. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2012.

BERMAN, Marshall.  Tudo que é sólido desmancha no ar:  a aventura da modernidade. Trad. de Carlos Felipe Moisés e Ana Maria L. Ioriatti. São Paulo: Cia. das Letras, 1986.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Tradução Fernando Tomas. 12. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.

Diário de Cuiabá. Cuiabá, Ano VII, 03/1975

FIGUEIRA, Ricardo Rezende. Pisando fora da própria sombra. A escravidão por dívida no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

FONSECA, Pedro Cezar Dutra.  Gênese e Precursores do Desenvolvimentismo no Brasil.  Revista Pesquisa & Debate do Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia Política – Departamento de Economia da PUCSP, SP, Volume 15, n.  2, 2004.

GUIMARÃES NETO, Regina Beatriz.  A Lenda do Ouro Verde.  Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 1986.

HAESBAERT, Rogério. O Mito da Desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 7. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução de Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC – Rio, 2006.

Jornal dos Município Matogrossenses, 1978, n. 43, p.5.

LE GOFF.  Jacques.  História e Memória.  Tradução Bernardo Leitão (ET.  Al.)  5.  Ed. Campinas, SP: editora da UNICAMP, 2003.

MENDONÇA, Sonia Regina de (Org.). Estado Brasileiro: agências e agentes. Niterói: EdUFF/Vício de Leitura, 2005.

NETO, João Cabral de Melo. Morte e Vida Severina: e outros poemas em voz alta. 16. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1982.

SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Tradução de Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

Tribuna do Centro Sul:órgão independente. Coxim, Ano II, 14/07/1977, n. 80.