A NARRATIVA JORNALÍSTICA DE JOÃO PARSONDAS DE CARVALHO: MEMÓRIA DA VIOLÊNCIA NA REGIÃO
DOS VALES DOS RIOS ARAGUAIA E TOCANTINS

  • Euclides Antunes de Medeiros
  • Universidade Federal do Tocantins – UFT
  • euclides.antunes.@uol.com.br

RESUMO: Este artigo problematiza narrativas acerca de crimes praticados por prepostos do Estado, militares de carreira do Estado do Maranhão que, sob o manto protetor da ordem, praticaram, ou permitiram que se praticasse, crimes com requintes de crueldade na virada do século XIX para o XX. Ao apresentar e problematizar esses crimes, partimos do princípio de que o ordenamento político e militar nesse Estado pressupunha formas específicas de violência que, em última instância, constituíram uma cultura de violência nesse período. Trata-se de uma leitura interpretativa da narrativa jornalística de João Parsondas de Carvalho em torno de crimes praticados na região dos vales dos rios Araguaia e Tocantins, tomando-se como fio condutor da análise a relação entre história e memória.

PALAVRAS-CHAVE: Narrativas – Memórias – Violência

ABRANCHES, Dunshee de. A Esfinge do Grajaú. Memórias. 2 ed. São Luis: Alumar, 1993.

CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

DINO, Sálvio. Parsondas de Carvalho: um novo olhar sobre o sertão. Imperatriz, MA: Ética, 2007.

GINZBURG, Carlo. O Fio e os Rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Cia das Letras. 2007.

PALACÍN, Luís Gomes. O Coronelismo no Extremo Norte de Goiás: o Padre João e as três Revoluções de Boa Vista – 1890 a 1930. São Paulo: Edições Loyola, 1990.

PORTELLI, Alessandro. A Filosofia e os fatos: narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Tempo.  Rio de Janeiro, n. 2, v.1, 1996

RICOEUR, Paul. A Memória, a História, o Esquecimento. Tradução de Alain François [et al.]. – Campinas, SP: UNICAMP, 2007.

SILVA, Ignacio Xavier da. O Crime do Cel. Leitão: sedição na Comarca de Bôa Vista do Tocantins, do Estado de Goiaz – 1892 – 1895. Goiaz. Capital: Oficinas Graficas Popular, 1935.

ARQUIVO PÚBLICO DO MARANHÃO. Coleção Jornal A Pacotilha. São Luís – MA, 1902. Cx. 31.