A QUESTÃO REGIONAL E A DINÂMICA ECONÔMICA DO ESPÍRITO SANTO - 1950/1990

  • Maria da Penha Smarzaro Siqueira
  • Universidade Federal do Espírito Santo-UFES
  • penhasiq@hotmail.com

RESUMO: O Espírito Santo, situado na área geo-econômica mais dinâmica do país (região sudeste), por suas tradicionais características socioeconômicas, durante um longo período histórico, não acompanhou esse dinamismo regional, mantendo suas tendências de região periférica com uma economia primárioexportadora apoiada na agricultura cafeeira, principal agente das articulações econômicas do estado. A política de modernização da economia vai ter início a partir dos anos de 1960, com a erradicação dos cafezais improdutivos, desestruturação do modelo agrário-exportador tradicional e um amplo projeto de industrialização, num plano de ação aliado à política de integração nacional.

PALAVRAS-CHAVE: Questão regional – Cafeicultura – Modernização – Industrialização

BITTENCOURT, Gabriel A. de Mello. A formação econômica do Espírito Santo: roteiro da industrialização. Vitória: Cátedra, 1987.

CANO, Wilson. Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil: 1930-1970. 3 ed. São Paulo: UNESP, 2007.

CASTELLS, Manuel. A questão urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

KOWARICK, Lúcio. A espoliação urbana. São Paulo: Paz e Terra. 1993.

LOJKINE, Jean. O Estado capitalista e a questão urbana. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MARTINS, Ricardo S.; LEMOS, Mauro Borges. Corredor centro-leste: sistemas de transporte de Minas Gerais na perspectivas dos eixos de desenvolvimento e integração. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2006.

MATTOS, Rossana Ferreira da Silva. Desigualdade social e violência urbana: a Região Metropolitana da Grande Vitória. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC, São Paulo, 2008.

SILVA, José F. Graziano da. A nova dinâmica da agricultura brasileira. Campinas: Unicamp, 1996.

SILVA, José F. Graziano da. (Org.). Estrutura agrária e produção de subsistência na agricultura brasileira. 2 ed. São Paulo: Hucitec, 1980.

SILVA, Álvaro José dos Santos; LINO, Geraldo Rezende. A ferro e fogo: a trajetória de um setor. Vitória, 2004. Disponível em: <<http://www.sindiferes.com.br.>>. Acesso em 26 de novembro de 2008.

SIMÕES, Roberto G. Desenvolvimento econômico do Espírito Santo no século XX. In: BITTENCOURT, Gabriel. (Org.). Espírito Santo um painel da nossa história. Vitória: EDIT, 2002.

SIQUEIRA, Maria da Penha Smarzaro. Industrialização e empobrecimento urbano: o caso da Grande Vitória, 1950/1980. Vitória: EDUFES, 2001.

SIQUEIRA, Maria da Penha Smarzaro. O porto de Vitória. Expansão e modernização. 1950/1993. Vitória: CODESA, 1994.

SOUSA, F. L. A localização da indústria de transformação brasileira nas últimas três décadas. In: Anais do II Encontro da Associação Brasileira de Estudos Regionais. São Paulo, 2002.

ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE VITÓRIA/APV. Relatório anual de 1970. Vitória, dez. 1970.

GEIPOT. Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes. Ministério dos Transportes- Brasil. Corredores de Transporte-Corredor Centro-Leste. Brasília: GEIPOT, 1994.

GOVERNO FEDERATIVO DO BRASIL. II Plano de Desenvolvimento Nacional. 1975-1979. Brasília/DF, 1974.

INSTITUTO JONES SANTOS NEVES. Articulação Socioeconômica do Estado do Espírito Santo. Vitória: IJSN, 1987.

INSTITUTO JONES SANTOS NEVES. Estudos para definição da política habitacional para o Espírito Santo. Caracterização da política habitacional do Estado. Vitória, 1987, p. 16, v. 1, Tomo I.

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS – NEP. Departamento de Economia da Universidade do Espírito Santo. Alguns aspectos do desenvolvimento econômico do Espírito Santo. 1930-1970. Vitória: UFES, 1984.