BAUDELAIRE E A MODERNIDADE ESTÉTICA: A LUTA CONTRA A TRADIÇÃO ROMÂNTICA

  • Marcos Antonio de Menezes
  • Universidade Federal de Goiás - UFG
  • pitymenezes.ufg@gmail.com

RESUMO: Neste artigo, discutiremos a modernidade a partir da perspectiva do poeta de Les Fleurs du Mal, sobretudo pela dimensão estética presente em suas poesias da segunda metade do século XIX. A modernidade em Baudelaire é aquela que narra a descontinuidade do tempo, que fala da ruptura da tradição, traz sentimento de novidade, vertigem do que passa. Para erigir seu projeto estético era necessário que Baudelaire enfrentasse o romantismo, negando este projeto. Diferentemente dos românticos, Baudelaire usa sua fantasia como uma força advinda da inteligência. O poeta é um homem curvado sobre si mesmo, mas não se coloca em suas poesias – estas versam sobre o poeta à medida que ele aparece como vítima da modernidade. Baudelaire foi capaz de entender que a experiência moderna era outra e que, se a arte não desse conta da nova vida, ela estaria para sempre perdida.

PALAVRAS-CHAVE: História – Estética – Modernidade

Baudelaire, Charles. O spleen de Paris: pequenos poemas em prosa. Tradução de Leda Tenório da Mata. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

Baudelaire, Charles. Escritos Íntimos. Lisboa: Estampa, 1994.

Baudelaire, Charles. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.       

Baudelaire, Charles. As Flores do Mal. 5ª ed. Tradução e notas de Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

Baudelaire, Charles. Ao Leitor. In: As Flores do Mal. 5ª ed. Tradução e notas de Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

Benjamin, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

Benjamin, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. 1ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

Berman, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

Bolle, Willi. Fisiognomia da Metrópole Moderna: representação da História em Walter Benjamin. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1994.

Carpeaux, Otto Maria. História da Literatura Ocidental. Vol. V. Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, 1959.

Compagnon, Antonie. Os cinco paradoxos da modernidade. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 1996.

D´ONOFRIO, Salvatore. Literatura Ocidental: autores e obras fundamentais. 2ª. ed. São Paulo: Ática, 2000.

Friedrich, Hugo. Estrutura da Lírica Moderna. São Paulo: Livraria duas Cidades, 1991.

Gagnebin, Jeanne Maríe. Walter Benjamin: os cacos da história. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1993.

Hauser, Arnold. História Social de la Literatura y arte. Vol. III. Madrid: Ediciones Guadarrama, 1969.

Kothe, Flávio René. (Org.). Walter Benjamin. Sociologia. São Paulo: Ática, 1991.

Lages, Susana Kampff. Walter Benjamin: tradução e Melancolia. São Paulo, 2002.

Lima, Luiz Costa. Paris ante o olhar baudelairiano. In: Lima, Luiz Costa. Mímesis e modernidade: formas das sombras. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1980.

Ortiz, Renato. Walter Benjamin e Paris – individualidade e trabalho intelectual. In: Tempo Social; São Paulo: USP, 12(1), maio de 2000.

Paz, Francisco Moraes. (Org.) Utopia e modernidade. Curitiba: Ed. da UFPR, 1994.

Rouanet, Sérgio Paulo. Introdução a Walter Benjamin. In: Chauí, Marilena de Souza. (Org.). Origem do drama barroco alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

Fechar Menu