CIRCULAÇÃO DE ARTÍFICES NO NORDESTE COLONIAL: INDÍCIOS DA AUTORIA DO
FORRO DAIGREJA DO CONVENTO DE SANTO ANTÔNIO DA PARAÍBA

  • Carla Mary S. Oliveira
  • Universidade Federal da Paraíba – UFPB
  • cms-oliveira@uol.com.br

RESUMO: Até hoje permanece desconhecida a autoria da pintura ilusionista que adorna o forro da nave central da igreja do Convento de Santo Antônio da Paraíba, considerado o ápice da Escola Franciscana do Nordeste por Germain Bazin, bem como sua correta datação. Ao longo da segunda metade do século XX sua produção foi atribuída a alguns artífices da Escola Baiana de pintura do século XVIII, especialmente a José Joaquim da Rocha ou um de seus aprendizes, mas tal fato carece de comprovação documental e, de semelhança estilística em comparação às obras certamente produzidas pelo mestre baiano ou seus seguidores. Pretende-se demonstrar, através do uso do conceito de paradigma indiciário de Ginzburg, que o autor da pintura é outro: um artífice recifense de final do setecentos, Manoel de Jesus Pinto, ex-aprendiz de João de Deus e Sepúlveda, e cuja atuação no convento paraibano se justificaria pela circulação de indivíduos, serviços e mercadorias entre a Capitania Anexa da Paraíba e a Vila do Recife de fins do século XVIII e começos do XIX.

PALAVRAS-CHAVE: Paraíba – Pintura Barroca – Convento Franciscano

ANDRADE, Mário de. O turista aprendiz. São Paulo: Duas Cidades/CSST-SP, 1976.

BARBOSA, Cônego Florentino. O Convento de São Francisco: estudo histórico e crítico comprehendendo todos os períodos, desde a sua fundação até a actualidade. Revista do Instituto Histórico e Geographico Parahybano, João Pessoa, IHGP, n. 8, 1935.

BARBOSA, Cônego Florentino. Monumentos históricos e artísticos da Paraíba. João Pessoa: A União Editora, 1953.

BAZIN, Germain. A arquitetura religiosa barroca no Brasil. Tradução de Glória Lúcia Nunes. Rio de Janeiro: Record, 1983. vol. 1.

COLI, Jorge. Síndrome de Stendhal. Folha de S. Paulo, Caderno Mais! São Paulo, 15 ago. 2004.

D’ARAÚJO, Antonio Luiz. Arte no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Revan, 2000.

GINZBURG, Carlo. A micro-história e outros ensaios. Tradução de António Narino. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; São Paulo: Difel, 1991 [1989].

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e História. Tradução de Federico Carotti. 2 ed. São Paulo: Cia. das Letras, 2007.

GINZBURG, Carlo. Indagações sobre Piero: o Batismo – o Ciclo de Arezzo – a Flagelação. Tradução de Luiz Carlos Cappellano. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

LEVY, Hannah. Modelos europeus na pintura colonial. Revista do Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro, SPHAN, n. 8, 1944. p. 7-66. Disponível em: <http://www.iphan.gov.br>.

MANGIERI, Ronco. Parálisis, trauma y crisis en la experiencia estética: el Síndrome de Stendhal. Tonos DigitalRevista Electrónica de Estudios Filológicos, Murcia – Espanha, Facultad de Letras de la Universidad de Murcia, n. 15, jun. 2008.
Disponível em: <http://www.tonosdigital.com/ojs/index.php/tonos/ article/download/204/164>. Acesso em: 10 jul. 2008.

MENEZES, José Luiz da Mota. O convento franciscano de Santo Antônio (João Pessoa – PB). Revista Universitas, Salvador, Universidade Federal da Bahia, n. 17, 1977.

PEREIRA, André Luiz Tavares. A construção do programa iconográfico das irmandades de clérigos seculares no Brasil e em Portugal no século XVIII: estudos de caso. Tese (Doutorado em História da Arte) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

OLIVEIRA, Myrian Andrade Ribeiro de. O Rococó religioso no Brasil e seus antecedentes europeus. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

OTT, Carlos. Pequena história das artes plásticas na Bahia entre 1550-1900. Salvador: Alva, 1989.

OTT, Carlos. José Joaquim da Rocha. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, SPHAN, n. 15, 1961.

QUEIROZ, Octacílio Nóbrega de. Um enigma barroco sobre o autor do painel da Igreja de S. Francisco. Correio da Paraíba, João Pessoa, 13 mai. 1973.

VALLADARES, Clarival do Prado. O ecumenismo na pintura religiosa brasileira dos setecentos. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, SPHAN, n. 17, p. 193, 1969; D’ARAÚJO, Antônio Luiz. Arte no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Revan, 2000.

WILLEKE, Fr. Venâncio. (Org.). Livro dos guardiães do Convento de Santo Antônio da Paraíba (1589-1885). Stvdia, Lisboa, Centro de Estudos Históricos Ultramarinos, n. 19, p. 173-207, dez. 1966.