DERRIDA REVOLUCIONA A HISTÓRIA?

  • Eduardo Gusmão de Quadros
  • Universidade Estadual de Goiás – UEG
  • eduardo.hgs@hotmail.com

RESUMO: A dicotomia entre pensadores modernos e pós-modernos criou no Brasil uma série de leituras equivocadas, marcadas pelo preconceito. Aqueles que foram classificados como pós-modernos acabaram interpretados, muitas vezes, mais politicamente do que epistemologicamente. Isso aconteceu com a compreensão do pensamento de Jacques Derrida, que é estudado apenas em alguns guetos acadêmicos, em particular, ligados aos Estudos Literários. Mas um pensador que constituiu sua obra num intenso combate com a metafísica não teria algo a ensinar aos historiadores? Este texto pretende, então, abordar alguns dos conceitos propostos pelo eminente filósofo argelino. A nosso ver, eles podem contribuir decisivamente para a renovação do conhecimento histórico atual.

PALAVRAS-CHAVE: Hermenêutica – Historiografia – Pós-estruturalismo – Derrida

ARENDT, Hannah. Da revolução. Tradução de Fernando D. Vieira. São Paulo: Ática, 1988.

CARDOSO, Ciro. Um Historiador fala de teoria e metodologia. São Paulo: EDUSC, 2005.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

DERRIDA, Jacques; ROUDINESCO, Elisabeth. De que amanhã… Diálogo. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

DERRIDA, Jacques. A voz e o fenômeno. Tradução de Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

DERRIDA, Jacques. Acts of literature. New York: Routledge, 1992.

DERRIDA, Jacques. Papel-máquina. Tradução de Evandro Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 2004.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Tradução de Miriam Schnaiderman e Renato J. Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 1973.

DERRIDA, Jacques. Khôra. Tradução de Nísia Bonatti. Campinas: Papirus, 1995.

DERRIDA, Jacques. Positions. Paris: Editións de Minuit, 1972.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. Tradução de Rodrigo Costa. São Paulo: Iluminuras, 1997.

DERRIDA, Jacques. Donner le Temps. Paris: Galilée, 1991, p. 25.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Tradução de Claudia M. Rego. São Paulo: Relume Dumará, 2001.

DERRIDA, Jacques. A universidade sem condição. Tradução de Evandro Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

DERRIDA, Jacques.  A escritura e a diferença. Tradução de Maria B. N. e Silva. São Paulo: Perspectiva, 1971.

DERRIDA, Jacques. Dissémination. Paris: Editións Du Seuil, 1972.

DERRIDA, Jacques. Spectres de Marx. Paris: Galileé, 1993.

DERRIDA, Jacques. History of lie: prolegomena. In: Rand, Richard (Org.). Futures of Jacques Derrida. California: Standford Press, 2001.

DERRIDA, Jacques. Donner le Temps. Paris: Galilée, 1991.

DOSSE, François. A história à prova do tempo: da história em migalhas ao resgate do sentido. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

DOSSE, François. História do estruturalismo 2: O canto do cisne. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Ensaio, 1994.

FEBVRE, Lucien. Combates pela história. Lisboa: Edições Presença, 1977.

FEBVRE, Lucien. Michelet e a Renascença. São Paulo: Scritta, 1995.

GARDINER, Patrick. Teorias da História. Tradução de Vitor de Sá. Lisboa: Fundação Caloustre, 1974.

GUATTARI, Felix. Micropolíticas: Cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes, 1986.

JENKINS, Keith. Why history? Ethics and postmodernity. New York: Routledge, 1999.

LARUELLE, François. As filosofias da diferença. Tradução de Antonio A. Magalhães. Lisboa: Editora Rés, s/d.

PASSMORE, K. Poststructuralism and history. In: BERGER, S.; FELDNER, H.; PASSMORE, K. Writing history: theory and practice. London: Arnold Publishers, 2003.

QUADROS, Eduardo G. O devir poético das devoções: esboço de uma teoria diferencial. Fragmentos de Cultura, 16, n. 3/4, p. 289-305, 2006.

RICOUER, Paul. História e verdade. Rio de janeiro: Forense Universtária, 1968.

RICOUER, Paul. La memoire, l’histoire, l’oubli. Paris: Éditoins du Seuil, 2000.

VEYNE, Paul. Como se escreve a História e Foucault revoluciona a história. Brasília: UnB, 1982.