ECONOMIA FEUDAL NO BRASIL – PARA DISCUTIR NELSON WERNECK SODRÉ

  • Ivan Ducatti
  • Secretaria Municipal de Educação de Niteroi/Fundação Municipal de Educação – SME/FME
  • ducattivan@gmail.com

RESUMO: Pretende-se analisar como Nelson Werneck Sodré precisou a categoria feudal em suas obras de história da formação histórica brasileira, É importante frisar que o conceito “feudal” tem estatuto de centralidade na obra de Sodré. Quanto a isso, tentar-se-á localizar e demonstrar se, realmente, a questão feudal é uma categoria central para o autor, e perceber se feudal está ligado a uma sociedade de classes que se forma em torno de seu modo de produção ou se trata-se de uma metáfora política para justificar os obstáculos ao desenvolvimento da burguesia nacional e da sujeição desta ao imperialismo.

PALAVRAS-CHAVE: Conhecimento – Perspectiva – Discurso – Reflexão

ANDERSON, Perry. Passagens da Antiguidade ao Feudalismo. 5 ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

ANDERSON, Perry. Linhagens do Estado absolutista. 3 ed. São. Paulo: Brasiliense, 1995.

AZEVEDO, J L. Épocas de Portugal econômico. 4 ed. Porto: Clássica, 1988.

BARBOSA, Wilson do Nascimento. Nelson Werneck Sodré e o “marxismo ocidental”.  Revista de História, São Paulo, n. 141, p. 169-173, 1999.

CASTRO, Armando. Teoria do sistema feudal e transição para o capitalismo em Portugal. Lisboa: Caminho, 1987.

CUNHA, Paulo. Um olhar à esquerda: a utopia tenentista na construção do pensamento marxista de Nelson Werneck Sodré. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

DOBB, Maurice. A evolução do capitalismo. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

DUCATTI, Ivan. As Razões da Independência. In: Silva, Marcos. (Org.). Dicionário Crítico Nelson Werneck Sodré. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

DUCATTI, Ivan. Nelson Werneck Sodré, Historiador. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, Uberlândia, v. 4, n. 4, jan./fev./ março de 2007.

DUCATTI, Ivan. Os “restos feudais” no Brasil como metáfora política: uma leitura de Nelson Werneck Sodré. Dissertação. (Mestrado em História Social). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

HOBSBAWN, Eric. A era das revoluções. 9 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

MARX, Karl. O capital. Crítica da economia política. Livro 3. São Paulo: Bertrand Brasil, 1991, vol. 5.

PARAIN, Charles; et al. Sobre o feudalismo. Lisboa: Editorial Estampa, 1973.

PUIGGRÓS, Rodolfo. De la colonia a la revolución. 4. ed. Buenos Aires: Siglo Veinte, 1957.

PRADO JUNIOR, Caio. A revolução brasileira. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

SILBER, Simão. Análise da política econômica e do comportamento da economia brasileira durante o período 1929/1939. Dissertação de Mestrado. 1973. Rio de Janeiro. Fundação Getúlio Vargas.

SILVA, Marcos (Org.). Nelson Werneck Sodré na historiografia brasileira. Bauru: Edusc, 1999.

SILVA, Marcos (Org.).Dicionário crítico Nelson Werneck Sodré. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

SODRÉ, Nelson Werneck. Formação histórica do Brasil. 11 ed. São Paulo: Difel, 1982.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da burguesia brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.