ESCRAVOS E COMPADRES: ESTRATÉGIAS CATIVAS NA PIA BATISMAL MATO GROSSO - 1824-1871

  • Maria Amélia Assis Alves Crivelente
  • Universidade Federal do Mato Grosso – UFMT
  • ameliaalves29@hotmail.com

RESUMO: A população cativa, africana, em Mato Grosso, desenvolveu, de forma particular, relações pessoais de compadrio, tal como se pode observar em outras regiões da colônia. Isso mostra estratégias de sobrevivência e busca por possíveis ganhos no universo escravista. Neste caso, a expectativa de um futuro mais abrandado para seus filhos batizados nos rituais católicos.

PALAVRAS-CHAVE: Escravidão – Minas de Mato Grosso – Compadrio – Infância Escrava

ALMEIDA, Araújo, Nancy de. Filhos livres de mulheres escravas. Cuiabá, 1871-1888. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal do Mato Grosso – UFMT, 2001.

ALENCAR, Adauto. Roteiro genealógico de Mato Grosso. Cuiabá: Gráfica Genus, s/d. vol. 1.

BEOZZO, José Oscar. A igreja na crise final do Império, In: BEOZZO, José Oscar. História da Igreja no Brasil. Segunda época, Século XIX. Petrópolis: Edições Paulinas/ Vozes. Tomo II/2

CABRAL, João de Pina. Filhos de Adão, filhas de Eva: a visão do mundo camponesa no Alto Minho. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1989.

KARASCH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

SCHWARTZ, Stuart. Escravos, roceiros e rebeldes. Bauru: EDUSC, 2001.