LAÇOS ESPIRITUAIS, FAMÍLIA E VIZINHANÇA: AS RELAÇÕES DE COMPADRIO NAS PEQUENAS
PROPRIEDADES DE ESCRAVOS DA SERRA DA MANTIQUEIRA – SÉCULOS XVIII E XIX

  • Ana Paula Dutra Bôscaro
  • Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF
  • paulinha_gdac@hotmail.com

RESUMO: A proposta deste artigo consiste em analisar as relações de compadrio que foram estabelecidas nas pequenas propriedades de escravos que se encontravam presentes em Nossa Senhora da Conceição de Ibitipoca, Santa Rita do Ibitipoca, Ibertioga, Santana do Garambéu e São Domingos da Bocaina, no final do século XVIII e nas primeiras décadas do século XIX. Essas localidades estavam situadas na Serra da Mantiqueira, Minas Gerais, região que foi genericamente denominada como Borda do Campo. Dessa forma, por meio de um intenso cruzamento entre Listas Nominativas de Habitantes e Registros Paroquiais de Batismo, nos dedicaremos a averiguar e melhor compreender as relações de compadrio que foram estabelecidas entre esses pequenos proprietários de escravos, bem como entre os cativos que se encontravam sob a posse desses homens e mulheres no final do século XVIII e início do século XIX.

PALAVRAS-CHAVE: Pequena propriedade de escravos – compadrio – séculos XVIII e XIX – Serra da Mantiqueira

BACELLAR, Carlos Almeida Prado. Os compadres e as comadres de escravos: um balanço da produção historiográfica brasileira. In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo, julho 2011. p. 1-11.

BRÜGGER, Silvia Maria Jardim. Minas Patriarcal: família e sociedade (São João del Rei – Séculos XVIII e XIX). São Paulo: Annablume Editora, 2007.

BRÜGGER, Silvia Maria Jardim. Padrinhos de Muitos Afilhados: um estudo do significado do compadrio em São João del Rei, Séculos XVIII e XIX. In: ANPUH – XXII Simpósio Nacional de História. João Pessoa, 2003.

MAIA, Moacir Rodrigo de Castro. As relações de parentesco ritual em uma sociedade escravista: compadres, padrinhos e afilhados no cotidiano mineiro da primeira metade do século XVIII. In: XIII Seminário sobre a Economia Mineira. Diamantina, 2008.

MACHADO, Cacilda. As muitas faces do compadrio de escravos: o caso da Freguesia de São José dos Pinhais (PR), na passagem do século XVIII para o XIX. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, AHNPU, vol. 26, nº. 52, jul-dez, 2006.

MASSENA, Nestor, 1985 apud OLIVEIRA, Mônica Ribeiro. Negócios de Família: mercado, terra e poder na formação da cafeicultura mineira 1780-1870. Tese ( Doutorado em História). Rio de Janeiro: Niterói, Universidade Fluminense, 1999.

OLIVEIRA, Mônica, Ribeiro. Famílias dos Sertões da Mantiqueira. In: Revista do Arquivo Público Mineiro, v. XLVIII. p. 100-115, 2012.

RAMOS, Donald. Teias Sagradas e Profanas: o lugar do batismo e compadrio na sociedade de Vila Rica durante o século do ouro. In: Vária História, n 31. Janeiro, 2004.

RIOS, Ana Maria Lugão. Família e Transição: Famílias negras em Paraíba do Sul, 1872-1920. Dissertação ( Mestrado em História) Niterói: UFF, 1990.

SCHWARTZ, Stuart. Escravos, roceiros e rebeldes. Bauru: EDUSC, 2001.

SLENES, Robert W. A formação da família escrava nas regiões de grande lavoura do sudeste: Campinas, um caso paradigmático no século XIIX. In: População e Família. São Paulo, v. 1,1998.