LITERATURA COMPARADA E OUTRAS MÍDIAS: UMA VISÃO DE LUZ E
SOMBRAS NA POÉTICA INTEARTES DE WILLIAM BLAKE

  • Ana Paula Cabrera
  • Universidade Federal de Santa Maria- UFSM
  • paulacabreraes@gmail.com
  • Anselmo Peres Alós
  • Universidade Federal de Santa Maria- UFSM
  • anselmoperesalos@gmail.com

RESUMO: Sabemos que os “estudos literários comparados” rotulam investigações variadas, que adotam diferentes metodologias e que, pela diversificação dos objetos de análise, concedem à literatura comparada um imenso campo de atuação. A dificuldade de um consenso sobre a natureza da literatura comparada, seus métodos e objetivos cresce de acordo com a pesquisa e a leitura de diferentes críticos e estudiosos neste campo. O objetivo desse artigo é analisar as relações interartes e intermidiáticas, compreendendo a evolução dos diálogos entre a poesia e as outras artes, em especial no que diz respeito à arte compósita de William Blake.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura Comparada – Intermidialidade – William Blake

ACKROYD, Peter. Blake. London: Sinclair-Stevenson, 1995.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna: do Iluminismo aos movimentos contemporâneos. Tradução de Denise Bottman e Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ALÓS, Anselmo Peres. A literatura comparada neste início de milênio: tendências e perspectivas. Ângulo, nº 130 (Literatura Comparada), v.I, jul./set., 2012.- 12.
Disponível em: <http://www.fatea.br/seer/index.php/angulo/article/view/1007/787>. Acesso em: 11 fev. 2016.

BAMZ, J.  Arte y ciência del color. Barcelona: Ediciones de Arte, 1980.

BASSNETT, Susan. Comparative Literature: A Critical Introduction. Oxford: Blackwell, 1993.

BIZZOCCHI, Aldo. Quantas cores tem o arco-íris.
Disponível em: <http://www.aldobizzocchi.com.br/artigo2.asp>. Acesso em: 17. ago. 2016.

BRANGEL, L. M. O universalismo semântico entre termos de cores e o seu reflexo nos estudos da linguagem. In: Anais da XI Semana de Letras da PUCRS. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011.
Disponível em:<http://ebooks.pucrs.br/edipucrs/anais/XI SemanaDeLetras/pdf/larissabrangel.pdf> Acesso em: 02 abr.2016. p 1-13.

CARVALHAL, Tania Franco. Literatura comparada. São Paulo: Ática, 1986.

CLÜVER, Claus. Intermidialidade. Revista do Pós: Belo Horizonte, UFMG, v. 1, n. 2, p. 8- 23, nov. 2011. Disponível em: < ALÓS, Anselmo Peres. A literatura comparada neste início de milênio: tendências e perspectivas. Ângulo, nº 130 (Literatura Comparada), v.I, jul./set., 2012. p. 7 – 12.
Disponível em: <http:wwweba.ufmg.br/revistapos/índex.php/pos/article/dowload/16/16>. Acesso em: 17 ago.2016.

CLÜVER, Claus. Inter textos/ Inter artes / Inter media. Aletria. Belo Horizonte. Programa de Pós-Graduação em Letras – Estudos Literários. v. 14, p. 1-32, jul.- dez, 2006.p.10-41.
Disponível em: <http://www.letras.ufmg.br/posilit/08_publicações_txt/ale_14/ale14_cc.pdf>. Acesso em: 01 abr. 2016.

GOETHE J. W. Doutrina das cores. 4. ed. São Paulo: Nova Alexandria, 2013.

GUIMARÃES, Luciano. A cor como informação: construção biofísica, linguística e cultural da simbologia das cores. 3. ed. São Paulo: Annablume, 2000.

HAGSTRUM, Jean H. Blake and the Sister-Arts Tradition. In: ERDMAN, D. V.; GRANT, John E.(Eds.). Blake’s Visionary Forms Dramatic. Princeton: Princeton University Press, 1964, p. 01-91.

LIMA, Graziele. A. Intermidialidade: novas perspectivas dos estudos interartes. In: Revista Todas as Musas, Ano 05 Número 01 Jul-Dez 2013, p. 178-186.
Disponível em: <http://www.todasasmusas.org/09Grazielli_Alves.pdf> >. Acesso em: 17. ago. 2016. 

MITCHELL, W. J. T. Blake’s Composite Art. Princeton: Princeton University Press, 1985.

MOSER, Walter. Força Barroca nas novas mídias. Sobre Prospero’s Books de Peter Greenaway Cinemas, v. 10, n. 3, p. 39- 63.

PRAWER, S.T.S. O que é literatura comparada? Trad. Marta de Senna. In: CARVALHAL, Tania F. e COUTINHO, Eduardo F. (Orgs.). Literatura comparada: textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 295-308.

REMAK, Henry H. H. Comparative Literature: Definition and Function. In: STALKNECHT, N. and FRENZ, H. (Eds.). Comparative Literature: Method and Perspective. Southern Illinois University Press, 1961, p. 3-19.

SANTOS, Alcides Cardoso dos. Visões de William Blake. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

SCHMELIN, M. Introducción: literatura general y comparada. Aspectos de una metodologia comparatista. In: Para qué sierve la literatura comparada? Teoría y práxis de la literatura comparada. Barcelona/Caracas: Alfa, 1984, p. 5- 211.

TAVARES, E. F. As Portas da Percepção: texto e imagem nos Livros Iluminados de William Blake. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria: 2012.

ZAVAGLIA, Claudia. “Dicionário e cores”. Revista Alfa, n. 50, 2006.
Disponível em: <http://seer.fclar.unesp.br/alfa/article/view/1409>. Acesso em: 04 abr. 2016.