NO REINO DO SOBRENATURAL REFLEXÕES SOBRE PRÁTICAS MÁGICAS PRESENTES NO IMAGINÁRIO COLONIAL

  • Helen Ulhôa Pimentel
  • Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES
  • helenulhoa@hotmail.com

RESUMO: O presente artigo reflete sobre as práticas mágicas presentes no imaginário colonial. A crença em poderes sobrenaturais não foi uma característica colonial, apesar dos índios e africanos terem reconstruído e resignificado muitas delas. Foram consideradas mágicas as práticas que implicavam no poder de adivinhar, curar, inclinar vontades, embruxar crianças e obter proteção. Elas foram analisadas buscando a identificação social do praticante e de seus adeptos, assim como os significados dessas crenças e seus rituais em sua relação com o contexto em que eram praticadas. A análise se orienta a partir de pressupostos caros à história cultural, utilizando noções de imaginário e representações sociais. Busca identificar distinções sociais que interferiam nos juízos a respeito de mágicos e usuários de magias.

PALAVRAS-CHAVE: Feiticeiros – Práticas mágicas – Brasil Colônia

BARROS, João de. Espelho de Casados. (1ª ed. 1540). Porto: Imprensa Portuguesa, 1847.

BACHELARD, Gaston. A Psicanálise do Fogo. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BETHENCOURT, Francisco. O imaginário da Magia: Feiticeiras, saludadores e nigromantes no século XVI. Lisboa: Projeto Universidade Aberta, 1987.

BLUTEAU, Rafael. Vocabulário Portuguez e Latino. Coimbra: Col Art Cia Jesus, 1712.

CALAINHO, Daniela Buono. Metrópole das Mandingas: religiosidade negra e Inquisição portuguesa no Antigo Regime. Tese (Doutorado em História) –  Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Mímeo. Niterói, 2000.

FERREIRA, Luís Gomes. Erário Mineral, dividido em 12 tratados, 1735, p. 473. apud RIBEIRO, Márcia Moisés Ribeiro. A Ciência dos Trópicos. A Arte Médica no Brasil do Século XVIII. São Paulo: Hucitec, 1997.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala. Formação da Família Brasileira sob o Regime da Economia Patriarcal. 16ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.

IAN/TT. Conselho Geral do Santo Ofício. Livro nº 272.

MALININOWSKI, Bronislaw. Magia, Ciência e Religião. Lisboa: Edições 70, 1989.

MAUSS, Marcel. Esboço de uma Teoria Geral da Magia. Lisboa: Ed. 70, 2000.

MOTT, Luiz. Cotidiano e vivência religiosa: entre a capela e o calundu. In: SOUZA, Laura de Mello e. História da vida privada no Brasil. Vol. 1. São Paulo: Cia das Letras, 1997.

PAIVA, José Pedro. Bruxaria e superstição num país sem caça às Bruxas. 2ª ed. Lisboa: Notícias, 2002.

PAIVA, José Pedro. Magia. In AZEVEDO, Carlos Moreira (dir.) Dicionário de História de Portugal. Lisboa: Círculo dos Leitores, 2001.

RIBEIRO, Márcia Moisés Ribeiro. A Ciência dos Trópicos. A Arte Médica no Brasil do Século XVIII. São Paulo: Hucitec, 1997.

SOUZA, Laura de Mello e. O Diabo e a Terra de Santa Cruz. 7ª reimpressão. São Paulo: Cia das Letras, 2000.