O CONCEITO DE TERRITÓRIO QUILOMBOLA A PARTIR DE UMA IMBRICAÇÃO
DE IDENTIDADE ÉTNICO-TERRITORIAL

  • Mauro Augusto dos Santos
  • Universidade Vale do Rio Doce – Univale
  • mauroasantos@gmail.com
  • Islane Archanjo Rocha
  • Universidade Vale do Rio Doce – Univale
  • islanear.adv@gmail.com

RESUMO: Este estudo faz uma abordagem territorial sobre a luta pela manutenção da identidade quilombola e correlaciona com as políticas públicas voltadas para essa população. O sentido de empoderamento étnico determina a relação com o território que inclui uma significação simbólica. Como metodologia foi adotada a pesquisa bibliográfica e documental. Conclui-se que o território quilombola reflete a forma da comunidade se autodeterminar em razão das condições de sociabilidade, que se distingue da coletividade nacional; tendo suas próprias histórias de múltiplas resistências que importam em sua territorialidade, mas a diversidade dá ensejo ao grau de investida política, sendo esta indispensável.

PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas – Comunidades Quilombolas – Território

BONNEMAISON, Joel. Espace géographique et identité culturelle en Vanuatu (exNouvelles- Hébrides). Journal de la Société des océanistes, 1980.

CLAVAL, Paul. A “virada cultural” em Geografia. Revista Mercator, Vol. 1, n. 1, 2002.

DI Méo, Guy. Composantes spatiales, formes et processus géographiques desidentités. Annales de Géographie, 2004.

HAESBAERT, R. Dos Múltiplos territórios à multiterritorialização. I Seminário Nacional sobre Múltiplas Territorialidades. Porto Alegre: UFRGS/ULBRA/AGB, 2004.

LEITE, Ilka Boaventura. O Projeto Político Quilombola: desafios, conquistas e impasses atuais. UFSC. Estudos Feministas; Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 965-977, 2008.

LITTLE, Paul Eliot. Territórios Sociais e Povos Tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. In: Simpósio Natureza e Sociedade: desafios epistemológicos e metodológicos para a antropologia. XXIII Reunião Brasileira de Antropologia: Gramado, 2002.

MARQUES, Carlos Eduardo; GOMES, Lílian. A constituição de 1988 e a ressignificação dos quilombos contemporâneos limites e potencialidades: limits and potentialities. Revista Brasileira de Ciências Sociais (Impresso), v. 28, 2013.

REZENDE DA SILVA, SIMONE. Quilombos no Brasil: A memória como forma de reinvenção da identidade e territorialidade negra. In: XII Coloquio Internacioanal de Geocritica, 2012, Bogotá. Anais do XII Coloquio Internacional de Geocrítica, 2012.

SANTOS, Jucélia Bispo Dos. A História da Comunidade Quilombola de Olaria, em Irará- Bahia e a Luta pela Terra na Contemporaneidade. Revista IDeAS, v. 3, n. especial, p. 510-543, 2009.

SHIRAISHI NETO, J. Os quilombos como novos sujeitos de Direito: processo de reconhecimento e impasses. Cadernos UNDB: estudos jurídicos interdisciplinares, v. 04, 2014.