O PENSAMENTO EDUCACIONAL CONSERVADOR EM AÇÃO NO DEBATE DA LEI DE DIRETRIZES E BASES

  • Alexandre Tavares do Nascimento Lira
  • Universidade Federal Fluminense - UFF
  • alexandrelira@click21.com.br

RESUMO: O objetivo deste artigo é analisar o debate que resultou na Lei n. º 4024/1961, acerca do ensino de 1.º e 2º graus que entrou em vigor sob o governo de João Goulart considerando o processo de lutas iniciadas na sociedade civil, que perpassou o Estado em toda a sua extensão. Este debate percorreu todo o período democrático. Este artigo aborda o debate parlamentar e a intensa mobilização na sociedade civil onde a questão do financiamento da educação emergiu. Neste ponto destacamos personagens como Gustavo Corção e Carlos Lacerda, que travaram intensa militância política, preparando as condições para o predomínio dos interesses privados na educação brasileira.

PALAVRAS-CHAVE: Política e educação – Educação e sociedade – Pensamento Conservador

BARROS, Roque Spencer de. Educação e Monopólio. O Estado de São Paulo, 2 de março de 1958, In.: BARROS, Roque Spencer de. Diretrizes e Bases da Educação. São Paulo: Pioneira: 1960.

BELOCH, Israel; ABREU, Alzira Alves de. (Org.) Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro (1930-1964). Rio de Janeiro: Forense/FGV/CPDOC, 1984.

CORÇÃO, Gustavo. A quem compete educar. O Estado de São Paulo, Suplemento “Literatura e Arte”, São Paulo, p. 4, 25 de janeiro de 1958.

CUNHA, Luís Antonio.Golpe na Educação. Rio de Janeiro. Zahar, 1985.

DA LIBERDADE de ensino, O Estado de São Paulo, 6 de fevereiro de 1958, In. BARROS, Roque Spencer de. Diretrizes e Bases da Educação. São Paulo: Pioneira, 1960.

BRASIL — Anais da Câmara dos Deputados, Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 11.12.1958 — Votação única do projeto 2222 – B, vol. 25.

TRIBUNA Da Imprensa, Rio de Janeiro, caderno 2, 02-01-59.

TRIBUNA Da Imprensa, Rio de Janeiro, caderno 2, 05.12.1958.