O REI DOS VIVOS E DOS MORTOS: CULTURAS ATLÂNTICAS E OS FESTEJOS DO ROSÁRIO
EM SÃO JOÃO DEL-REI (SÉCULOS XVIII E XIX)

  • Leonara Lacerda Delfino
  • Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG
  • leonaralacerda@yahoo.com.br

RESUMO: O objetivo deste artigo consiste em abalizar, a partir de uma perspectiva de culturas híbridas do mundo atlântico, as contínuas e mútuas influências das diversificadas representações em torno da investidura do rei congo tangenciadas na experiência devocional do Rosário de São João del-Rei (séculos XVIII e XIX). Nesse sentido, analisamos a catolicização dos diferentes grupos étnicos africanos e o processo de africanização dos preceitos católicos vividos na irmandade, através dos mecanismos de apropriação cultural presentes na realização dos reinados. Para este fim utilizamos as fontes confrariais (estatuto, receitas, livro de missas e os registros de matrículas de irmãos), juntamente com a análise de discurso dos relatos de missionários capuchinhos e franciscanos em suas expedições nos reinos centroafricanos.

PALAVRAS-CHAVE: Reinados – Festejo do Rosário – Ancestralidade Centro-Africana – diáspora atlântica

ANDRADE, Carlos Drummond. “O Rosário dos homens pretos”. In: Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Companhia José Aguilar Editora, 1973.

ANDRADE, Marcos Ferreira. Rebeldia e escravidão: as revoltas escravas na província de Minas Gerais (1831-1840). Dissertação (Mestrado em História). Belo Horizonte: FAFICH, 1996.

ANDRADE, Mário de. As danças dramáticas do Brasil. Rio de Janeiro: Boletim Latino-americano de Música, Vol. 6, 1946. ____ “Lanterna Verde”, nº 2. Rio de Janeiro, fev. de 1935.

ANDREONI, João Antônio (André João Antonil). Cultura e Opulência do Brasil. 2 ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1966.

APM, Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial-11, fl 188v. Bando do Governador Dom Pedro de Almeida, Vila do Carmo (20/05/1720).

BNL, Biblioteca Nacional de Lisboa, CAVAZZI, João Antônio (ou Giovanni). Descrição histórica dos três Reinos do Congo, Matamba e Angola. 1ª Ed.: 1687.  Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, 1965

BORGES, Célia. Escravos e Libertos nas Irmandades do Rosário: devoção e solidariedade em Minas Gerais: séculos XVIII e XIX. Juiz de Fora: editora da UFJF, 2005.

BRÜGGER, S. OLIVEIRA, A. J. M. “Os Benguelas de São João Del Rei: tráfico- atlântico, religiosidade e identidades étnicas. (Séculos XVIII e XIX).” In: Revista Tempo, v. 13, nº 26, Niterói-RJ, 2009.

CANCLINI, Nestor. Culturas Híbridas: estratégias para pensar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 1998.

DELFINO, Leonara Lacerda, O Rosário dos Irmãos Escravos e Libertos: Fronteiras, Identidades e Representações do Viver e Morrer na Diáspora Atlântica. Freguesia do Pilar-São João Del-Rei (1782-1850). Tese (Doutorado em História) Juiz de Fora-MG: PPGHIS, 2015.

ELIADE, M. O Sagrado e o Profano: A essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

GOMES, Núbia Pereira de Magalhães & PEREIRA, Edimilson de Almeida. Arturos, olhos do Rosário. Belo Horizonte: Mazza Edições, 1990.

GUIMARÃES, Carlos Magno. A negação da ordem escravista: Quilombos em Minas Gerais no Século XVIII. São Paulo: Ícone  Editora, 1988, p. 37-62. ____ Mineração, quilombos e Palmares. Minas Gerais no século XVIII. In.:  GOMES, J. J. & GOMES, F. S. Liberdade por um fio. História dos quilombolas no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

GUIMARÃES, Geraldo. São João del-Rei, século XVIII:  História Sumária. São João Del Rei. S/Ed, 1996

HEYWOOD, L. “De português a africano: a origem centro-africana das culturas atlânticas crioulas no século XVIII.”. In.: HEYWOOD, (Org.), Diáspora negra no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.

KANTOROWICZ, Ernst H. Os dois corpos do Rei: Um estudo sobre a teologia política medieval. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LARA, S. H. “Uma embaixada africana na América Portuguesa”. In.: JANCSÓ & KANTOR (orgs.) Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: EDUSP, 2001.

MELLO e SOUZA, Marina de. Os Reis Negros no Brasil Escravista. História da Festa de Coroação do Rei Congo. Belo Horizonte: editora da UFMG, 2002.

RAMOS, A. O negro brasileiro. Etnografia religiosa. 3ª Ed. São Paulo: Editora Nacional, 1951.

REIS, J.J. “Tambores e tremores: a festa negra na Bahia na primeira metade do século XIX”. In.: CUNHA, Maria Clementina Pereira (Org.). Carnavais e outras festas. Ensaios de história social da cultura. Campinas, SP: Editora Unicamp, CECULT, 2002.

REIS, J. J. “Batuque Negro: repressão e permissão na Bahia Oitocentista.” In.: JANCSÓ & KANTOR (orgs.) Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: EDUSP, 2001, pp. 339-360,  Vol. 1.

SOARES, Mariza de Carvalho. Devotos da cor: Identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

THORNTON, J. “Religião e vida cerimonial no Congo e áreas Umbundu, de 1500 a 1700”. In.: HEYWOOD, (Org.), Diáspora negra no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.