ORIENTE HAGIOGRÁFICO

  • Isabel Pinto
  • Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
  • vilhalpandos@hotmail.com

RESUMO: O teatro nos colégios jesuítas, entre a sua chegada a Portugal (1542) e a sua expulsão (1759), é matéria pedagógica privilegiada. Era aos alunos que cabia o desempenho da representação, enquanto os professores se encarregavam da escrita de originais, acomodados a diferentes ocasiões festivas e a figuras de relevo no universo hagiográfico. Uma delas é S. Francisco Xavier, cuja vida dedicada à evangelização logra ser motivo de, pelo menos, dois espectáculos no século dezassete. Os folhetos que os documentam não contêm as falas das personagens, ou seja, a enunciação, mas, por meio de uma descrição relativamente pormenorizada num dos casos e de sinopses das cenas no outro, constituem memória de um teatro móvel, cuja exuberância e aparato atraiam multidões às ruas de Lisboa.

PALAVRAS-CHAVE: Teatro Jesuíta – S. Francisco Xavier – Século dezassete

LINO, Raul, SILVEIRA, Luís (Orgs.) Documentos para a História da Arte em Portugal. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1969.

LUCENA, João de. História da vida do padre Francisco de Xavier: e do que fizeram na Índia os mais religiosos da Companhia de Jesu. Lisboa: Pedro Crasbeeck, 1600.
Disponível em http://purl.pt/14775

NASCIMENTO, Aires A., BARBOSA, Manuel de Sousa (Orgs). Luís da Cruz, S.J., e o teatro jesuítico nos seus primórdios: Actas de Colóquio comemorativo do IV centenário da morte do dramaturgo (1604-2004). Lisboa, Faculdade de Letras, 18 de Outubro de 2004, Lisboa, Centro de Estudos Clássicos, 2005.

SERRÃO, Vítor. A Lenda de São Francisco Xavier pelo Pintor André Reinoso, Lisboa, Livros Quetzal, 1993.