OS DISPAROS DE GILBERTO AMADO CONTRA O POETA ANNIBAL TEOPHILO EM 1915 E O ÁRDUO PERCURSO PARA A PROFISSIONALIZAÇÃO DO TRABALHO DE ESCRITOR NO BRASIL

  • Marcelo de Araujo
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ/ Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
  • marcelo.araujo@pq.cnpq.br

RESUMO: Em 1915 o poeta Annibal Theophilo foi morto a tiros pelo então deputado federal Gilberto Amado. O crime ocorreu na cidade do Rio de Janeiro ao final de um evento literário promovido pela recém-fundada Sociedade Brasileira dos Homens de Letras. O poeta Olavo Bilac era o presidente de honra da associação. O objetivo da Sociedade Brasileira dos Homens de Letras era promover a profissionalização do ofício de escritor no Brasil. O presente artigo reconstrói as circunstâncias do crime de 1915 tendo principalmente em vista os diversos relatos publicados em jornais e revistas da época. O artigo procura também mostrar que apenas em 2015, cem anos após a morte de Annibal Theophilo, os objetivos da Sociedade Brasileira dos Homens de Letras foram plenamente assegurados no Brasil.

PALAVRAS-CHAVE: Annibal Theophilo – Gilberto Amado – literatura brasileira – memória – liberdade de expressão

AMADO, André. Por dentro do Itamaraty: Impressões de um diplomata. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão (Ministério das Relações Exteriores), 2013.

AMADO, Gilberto. Terrível prova. In Presença na Política. Rio de Janeiro: José Olympio, 1960.

ANNA, Faedrich Martins. A participação de Albertina Bertha no mundo da cultura. In: Ciências & Letras (Porto Alegre), vol. 54, 2013.

ARAUJO, Marcelo de. Dom Pedro II e a moda masculina na época vitoriana. São Paulo: Estação das Letras, 2012.

CAVALCANTE, Maria Claudia. Em frente ao espelho, recompondo e decompondo cacos de si: Intelectualidade e memória em Gilberto Amado. Dissertação (Mestrado em História) –  Campina Grande (PB): Universidade Federal de Campina Grande, Programa de Pós-Graduação em História, 2009.

CAVALCANTE, Maria Claudia. Na política e “Depois da política”: considerações a partir da memorialística de Gilberto Amado. Revista Escrita da História, vol. 1, n. 2, p. 82 – 110, 2014/2015.

CRETELLA JÚNIOR, José. O crime de Gilberto Amado. Crimes e julgamentos famosos. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007.

CRISPINIANO, Neto. Literatura de Cordel: Gilberto Amado. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão (Ministério das Relações Exteriores), s/d.

EDMUNDO, Luiz. A S. B. H. L. De um livro de memórias. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, vol. 2.

GARCIA, Márcio. Gilberto Amado, o jurista. In Revista de Informação Legislativa (Brasília), vol. 37, n. 147, 2000.

KOK, Glória. Rio de Janeiro na época da Av. Central. São Paulo: Bei, 2005.

LEE, Anna. “O começo do fim”. In O sorriso da cidade: Intriga e crime no mundo literário da belle époque. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006.

MAGALHÃES, Raimundo Júnior. Dias de Turbulência. In A vida vertiginosa de João do Rio. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

MAGALHÃES, Raimundo Júnior. Uma festa que acaba mal. In Olavo Bilac e sua época. Rio de Janeiro: Americana, 1974.

NAUD, José Santiago. Gilberto Amado. In O livro na rua. Série Diplomacia ao alcance de todos, n. 4. Brasília: Thesaurus, 2008.

PAULO FILHO, Pedro. O Crime de Gilberto Amado – Evaristo de Moraes. In Grandes advogados, grandes julgamentos: No Júri e noutros tribunais. São Paulo: Millenium, 2005.

PRIORE, Mary Del. Matar para não morrer: A morte de Euclides da Cunha e a noite sem fim de Dilermando Assis. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

SANTIAGO, Silviano. Prosa literária atual no Brasil. In Nas malhas da letra: Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SARNEY, José et alia. Gilberto Amado: Centenário. Coleção Relações Internacionais. Rio de Janeiro e Brasília: José Olympo / Fundação Alexandre de Gusmão (Ministério das Relações Exteriores), 1987.

SOUZA, Márcio Ferreira de. Gilberto Amado: a obra memorialística como instrumento de análise metateórica. Revista Sociedade e Estado (Brasília), vol. 26, n. 2, 2011.

TIGRE, Bastos. Reminiscências: A alegre roda da Colombo e algumas figuras do tempo de antigamente. Brasília: Thesaurus, 1992.

A Noite (Rio de Janeiro), 26 de junho de 1918.

A Noite (Rio de Janeiro), 29 de junho de 1916.

A Notícia (Rio de Janeiro), 29/30 de junho de 1916.

BRASIL. Censura a publicações. In Comissão Nacional da Verdade. Relatório, vol. 2 (Textos temáticos). Brasília, dezembro de 2014.

BRASIL (STF). “STF afasta exigência prévia de autorização para biografias”. In SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL – NOTÍCIAS. Brasília: Supremo Tribunal Federal, 10 de junho de 2015.
Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=293336

Careta (Rio de Janeiro), 10 de julho de 1915.

Careta (Rio de Janeiro), 17 de julho de 1915.

Careta (Rio de Janeiro), 1 de janeiro de 1916.

Correio da Manhã (Rio de Janeiro), 20 de junho de 1915.

Correio da Manhã (Rio de Janeiro), 21 de junho 1915.

Correio Paulistano (São Paulo), 11 de outubro de 1915.

Diário da Noite (Rio de Janeiro), 22 de fevereiro de 1941.

Dicionário Histórico-Biográfico, publicado pelo CPDOC (Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil),
Disponível em http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/arquivo.

Época (Rio de Janeiro), 20 de junho de 1915.

Gazeta de Notícias, 18 de junho de 1914, p. 4.
Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/

Gazeta de Noticias (Rio de Janeiro), 29 de junho de 1916.

Gazeta de Notícias (Rio de Janeiro), 30 de junho de 1916.

Gazeta de Noticias (Rio de Janeiro), 18 de dezembro de 1916.

Gazeta de Noticias (Rio de Janeiro), 30 de dezembro de 1916.

G1 Notícias (Sergipe): “Dilma Rousseff inaugura a maior ponte sobre rio do Nordeste em SE”, 29 de janeiro de 2013.
Disponível em http://g1.globo.com/se/sergipe/noticia/2013/01/dilma-rousseff-inaugura-maior-ponte-sobre-rio-do-nordeste-em-se.html

Jornal do Brasil (Rio de Janeiro), Caderno B, 18 de setembro de 1979, p. 5.
Disponível no arquivo digital online do Jornal do Brasil: http://www.jb.com.br/paginas/news-archive/

O Globo (Rio de Janeiro), 17 de setembro de 1979.

O Globo (Rio de Janeiro), 18 de setembro de 1979.

O Globo (Rio de Janeiro), 25 de setembro de 1979.

O Paiz (Rio de Janeiro), 20 de junho de 1915.

O Paiz (Rio de Janeiro), 6 de julho de 1915.

Revista Careta (Rio de Janeiro), em sua edição n. 319 de 1914.

Revista Fon Fon (Rio de Janeiro), em sua edição de 26 de julho de 1915

VIDAL, Barros. Myrthes de Campos: A primeira advogada do Brasil. In Revista da Semana (Rio de Janeiro), 21 de outubro de 1939.