SOB A UNÇÃO DOS SANTOS ÓLEOS: SIGNIFICADOS DO PARENTESCO FICTÍCIO NA FREGUESIA
DE SÃO BOM JESUS DOS MÁRTIRES DE POUSO ALEGRE-MG (SÉCULO XIX)

  • Leonara Lacerda Delfino
  • Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF
  • leonaralacerda@yahoo.com.br

RESUMO: Neste artigo dedicaremos um espaço exclusivo aos padrões de compadrio tecidos no âmbito da Freguesia de São Bom Jesus dos Mártires – MG., entreposto comercial sul-mineiro, estrategicamente situado numa região de movimentação rotas de tropas e de dinâmica inserção na rede Centro-sul de abastecimento interno ao Rio de Janeiro no período oitocentista. Constituiu-se nosso objetivo a tessitura de reflexões acerca dos fatores que influenciavam os padrões das relações compadrescas, tais como: capacidade de inserção ao tráfico, dimensão das escravarias, fatores de legitimidade e distribuição entre os sexos entre os escravos arrolados a partir de Registros paroquiais de Batismo. Nesse sentido, procuramos analisar os significados construídos em torno das formas de apadrinhamento, principalmente no que diz respeito a suas articulações em torno do engendramento de relações verticais e horizontais no contexto social da escravidão, sobretudo, em economias de mercado interno de abastecimento.

PALAVRAS-CHAVE: Escravidão – Compadrio – Registros Paroquiais de Batismo

BERGAD, Lair. Escravidão e História Econômica. Demografia de Minas Gerais. 1720-1888. Bauru: EDUSC, 2004.

DELFINO, Leonara Lacerda. A Família Negra na Freguesia de São Bom Jesus dos Mártires: Incursões em uma Demografia de Escravidão no Sul de Minas. (1810-1873). 2010. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2010.

FARIA, Sheila de Castro. A colônia em movimento: fortuna e famílias no cotidiano colonial. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

GUDEMAN, S.; SCHWARTZ, S. Purgando o pecado original: compadrio e batismo de escravos na Bahia no século XVIII. In: REIS, João José. (Org.). Escravidão e invenção da liberdade: estudos sobre o negro no Brasil, São Paulo: Brasiliense / Brasília CNPq, 1988.

GUEDES, Roberto. Na pia batismal família e compadrio entre escravos na freguesia de São José do Rio de Janeiro (primeira metade do século XIX). 2000. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2000.

KJFERVE, Tânia Maria G.; BRUGGUER, Silvia Maria. Compadrio: relação social e libertação espiritual em sociedades escravistas (Campos, 1754-1766). Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, n. 20, 1991.

RIOS, Ana Maria Lugão. Família e transição (Famílias negras em Paraíba do Sul, 1889-1920). 1990. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1990.

SCHWARTZ, Stuart. Escravos, roceiros e rebeldes. Bauru: EDUSC, 2001.

SCHWARTZ, Stuart. Segredos internos. Engenhos e escravos na sociedade colonial. 3 ed. São Paulo: Cia. das Letras, 2005.

ASSENTOS DE BATISMO. Livro 1 (1812-1821); Livro 2 (1821-1825); Livro 3 (1825-1837); Livro 4 e 7 (1837-1858); Livro 5 (1841-1843); Livro 6 (1847-1853); Livro 7 (1857-1861); Livro 8 (1861-1866); Livro 9 (1866-1873). Localizados na MSBJ (Matriz de São Bom Jesus – Pouso Alegre-MG)

ALFORRIA DE PIA extraída do Assento de Batismo de Daniel de Nação. Data 01/01/1835. Cf.: Livro de Batismos 3 (1825-1837). Localizado na MSBJ (Matriz de São Bom Jesus – Pouso Alegre-MG)

ASSENTO DE BATISMO de Felippe escravo. Data 13/04/1867. Livro 9 (1866-1877). Localizado na MSBJ. (Matriz de São Bom Jesus – Pouso Alegre – MG)

CONSTITUIÇÕES PRIMEIRAS do Arcebispado da Bahia, (D. Sebastião Monteiro da Vide) Livro Primeiro, Título LXXI, parágrafo 303. São Paulo: Typografia, 1853.

MAPA DE POPULAÇÃO de Município de Pouso Alegre (1833- 1835). Notação MP, CX 06 doc 02, localizados no Arquivo Público Mineiro.

ORDENAÇÕES FILIPINAS. Coimbra: Fundação Calouste Gulbenkian, 1985, v. III. Livros IV e V. Reprodução fac-símele da edição feira por Cândido Mendes de Almeida, Rio de Janeiro, 1870.