ESCOLA SEM PARTIDO, SEM JUÍZO E SEM BOM SENSO: JUDICIALIZANDO E MEDICALIZANDO A EDUCAÇÃO

  • Lygia de Sousa Viégas
  • Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia UFBA/FACED
  • lyosviegas@gmail.com
  • Thaís Seltzer Goldstein
  • Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia UFBA/FACED
  • gold.thais@gmail.com

RESUMO: O presente artigo tem por objetivo contribuir com reflexões sobre os impactos do projeto Escola sem Partido, por meio do qual um grupo político de orientação conservadora tem buscado aprovar projetos de lei que tornem proibida a prática pedagógica livre e democrática, sob o argumento de que tal prática seria doutrinação ameaçadora aos valores morais e religiosos das famílias. Especial enfoque será dado aos impactos psicossociais de tal projeto, apontando seu caráter medicalizante, na medida em que a tentativa de amordaçar professores e a expressão da diferença na escola pode produzir sofrimentos variados que, se não compreendidos politicamente, recaem na patologização, criminalização e judicialização da educação. Esperamos, com o debate proposto, contribuir com a construção de uma escola efetivamente democrática, e que forme para o respeito à diversidade e aos direitos humanos.

PALAVRAS-CHAVE: Escola Sem Partido – Medicalização – Psicologia – Pensamento Crítico

ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. In: Obras escolhidas, Volume I. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1987.

CHAUI, M. O que é ideologia. São Paulo: Brasiliense, 1980.

CROCHIK, José Leon. Educação inclusiva, subjetividade, preconceito e direitos humanos: qual a sua relação? In: SILVA, Aida Maria Monteiro; DA SILVA, Valdelúcia Alves (Orgs.) Educação Inclusiva e Direitos Humanos: perspectivas contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2015.

DUNKER, Christhian. O Neoliberalismo e seus normalopatas. In: Blog da Boitempo.
Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2016/11/03/o-neoliberalismo-e-seus-normalopatas/

ESCOLA SEM PARTIDO. Anteprojeto de lei municipal e minuta de justificativa.
Disponível em: http://www.programaescolasempartido.org/municipal/

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FIGUEIREDO, Ivanilda. Escola sem Partido e a falsa ideia de neutralidade. In: Le Monde Diplomatique Brasil. 22 de junho de 2016.
Disponível em: http://www.diplomatique.org.br/acervo.php?id=3239

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FRIGOTTO, Gaudêncio. “Escola sem Partido”: imposição da mordaça aos educadores. In: Blog da Revista Espaço Acadêmico, 2016.
Disponível em: https://espacoacademico.wordpress.com/2016/06/29/escola-sem-partido-imposicao-da-mordaca-aos-educadores/

FÓRUM SOBRE MEDICALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO E DA SOCIEDADE. Carta do IV Seminário Internacional A Educação Medicalizada: desver o mundo, perturbar os sentidos. 04 de setembro de 2015.
Disponível em: http://seminario4.medicalizacao.org.br/carta-do-iv-seminario-internacional-a-educacao-medicalizada-desver-o-mundo-perturbar-os-sentidos/

GOULD, Stephen Jay. A falsa medida do homem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

KALLAS, Ana. Projeto Escola sem Partido: atualização de projetos autoritários em período democrático. In: História da Ditadura. 5 de novembro de 2016.
Disponível em: http://historiadaditadura.com.br/destaque/projeto-escola-sem-partido-atualizacao-de-projetos-autoritarios-em-periodo-democratico/

MANHAS, Cleo. “Escola sem Partido”, escola silenciada. In: Outras palavras. 05 de julho de 2016.
Disponível em: http://outraspalavras.net/brasil/escola-sem-partido-escola-silenciada

MARTINS, José de Souza. Sociologia e Sociedade.  Rio de Janeiro: Livros Técnicos, 1977.

PATTO, Maria Helena Souza. Mordaças sonoras: a Psicologia e o silenciamento da expressão. In: Exercícios de indignação. Casa do Psicólogo, 2005

PATTO, Maria Helena Souza. Para escrever a história da psicologia. In: GEHPAI. Anais do 1º Seminário de historiografia da psicologia. São Paulo: GEHPAI/FAPESP, 2000.

PATTO, Maria Helena Souza. Psicologia e Ideologia: uma crítica à psicologia escolar.  São Paulo: T. A. Queiroz, 1984.

PENNA, Fernando de Araújo. Programa “Escola sem Partido”: uma ameaça à educação emancipadora. In: GABRIEL, Carmen Teresa; MONTEIRO, Ana Maria; Martins, Marcus Leonardo Bomfim. (org.) Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de História. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.

RAMOS, C. Confrontando psicologia e história: um método para a reflexão crítica da psicologia. In: PATTO, Maria Helena Souza; FRAYZE-PEREIRA, João Augusto. (Org.). Pensamento cruel – Humanidades e ciências humanas: há lugar para a psicologia? São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

RAMOS, Marise Nogueira. Escola sem Partido: a criminalização do trabalho pedagógico.
In: http://www.anped.org.br/news/escola-sem-partido-criminalizacao-do-trabalho-pedagogico

SALLES, Moacyr; STAMPA, Inêz. Ditadura Militar e Trabalho Docente. Trabalho Necessário. Ano 14, Nº 23/2016, p. 169-170.
Disponível em: http://www.uff.br/trabalhonecessario/images/TN_23/07_MEMRIAS_E_DOCUMENTOS_I.pdf

SOARES, Magda Becker. Escola sem partido?
Disponível em: https://medium.com/@ufmg/escola-sem-partido-fed42a8ae3b1#.bzg15zrsj