A ESTÉTICA DO CONFLITO E O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA

  • Eduardo José Reinato
  • Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC
  • eduardo.reinato63@gmail.com

RESUMO: O presente artigo procura compreender de que maneira a estética romântica representou o momento das guerras napoleônicas e das lutas de independência da América, e como nesse processo de circulação de ideias e ideais românticos, as representações sobre as guerras visavam construir um processo de heroificação tivesse como referência o modelo europeu de heroi, mas ao mesmo tempo compusesse com os acervos americanos de linhas, traços, cores e textos.

PALAVRAS-CHAVE: Estética romântica – Guerra – Independência

BELLOY, Pierre. O Cerco de Calay, Prefacio Apud SCHAMA, Simon. Cidadãos: uma crônica da Revolução Francesa, São Paulo: Cia. das Letras, 1989.

COLI, Jorge. O Corpo da Liberdade. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

FAURE, Élie. A Arte Moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

LENHARO, Alcir. Nazismo: O triunfo da Vontade. São Paulo: Ática, 1986,

LORIGA, Sabrina. A Experiência militar. In: LEVI, Giovanni; SCHMITT, Jean-Claude. História dos Jovens: A Época Contemporânea. Cia. das Letras, 1996.

MARIENSTRAS, Élise. Lês Mythes Foundateurs de La Nation Americaine: Essai sur Le discours idéologique aux Etats-Unis à L’époque de l’Indépendence. Bruxeles, Editions Complexe, 1992.

MARIENSTRAS, Élise. Nous, Le Peuple: Les Origines Du Nationalisme Américain. Paris: Gallimard, 1988.

POOL, Phoebe. Biblioteca de Arte: Delacroix. Tradução de Fanny Wrobel. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1987.

ROSENFELD, Anatol; GUINSBURG, J. Um encerramento. In: GUINSBURG, J. (Org.) O Romantismo. São Paulo: Perspectiva, 1985.

STAROBINSKI, Jean. Os Emblemas da Razão. Tradução de Maria Lucia Machado, São Paulo: Cia. das Letras, 1988.