Vol. 1 Ano I nº 1 - Outubro/ Novembro /Dezembro de 2004

  • Editorial
  • Artigos
  • Dossiê
  • Resenhas

O Núcleo de Estudos em História Social da Arte e da Cultura (NEHAC),da Universidade Federal de Uberlândia, completou, em 2004, dez anos de existência. Ao longo desse período, o NEHAC fomentou pesquisas voltadas para o estudo das relações existentes entre História e Linguagens Artísticas, especialmente no que se refere às interlocuções com Teatro, Cinema, Literatura e Música. Nesse sentido, desenvolveu trabalhos ao nível de monografias de conclusão de curso, iniciação científica, mestrado que, integrados aos projetos dos professores Rosangela Patriota e Alcides Freire Ramos, têm contribuído tanto para a formação de profissionais da área de História, quanto com oportunas reflexões sobre o Brasil Contemporâneo sob o olhar da História Cultural.

As expectativas do NEHAC, porém, não se restringiram somente à produção de conhecimento. Pelo contrário, esse grupo de pesquisa participa ativamente de congressos científicos e desenvolve uma produção bibliográfica com o objetivo de tornar públicas essas investigações. Como resultado dessa empreitada, além de publicações especializadas, o Núcleo de Estudos em História Social da Arte e da Cultura assina uma coluna semanal – NEHAC – no Caderno Revista, do jornal Correio, de Uberlândia, além de contribuir, quinzenalmente, no mesmo periódico, com a coluna de cinema intitulada Script Tease. Ambas podem ser acessadas pelo site http://www.jornalcorreio.com.br.

Como desdobramento dessas propostas que visam divulgar a produção acadêmica de seus integrantes, assim como estabelecer e estimular um instigante debate intelectual com colegas de distintas áreas das humanidades, o NEHAC criou a Fênix – Revista de História e Estudos Culturais. Esta publicação eletrônica tem o objetivo de dinamizar a circulação de idéias, permitindo um acesso ágil, amplo e gratuito a todos que se interessem pelas temáticas que serão aqui veiculadas.

Essa iniciativa, em nosso entendimento, é a melhor maneira para comemorar os dez anos do NEHAC. Ao lado disso, o ano de 2004 marcou também os sessenta anos de Chico Buarque e os trinta anos da morte de Oduvaldo Vianna Filho, o Vianinha. Assim, com vistas a homenagear esses dois artistas seminais da cultura brasileira do século XX, a Fênix – Revista de História e Estudos Culturais abre o seu primeiro número com o dossiê Chico Buarque & Vianinha: Arte e Política no Brasil Contemporâneo, composto por textos e resenhas de autoria de estudiosos que elegeram esses criadores como temas de investigação. Dessa maneira, além de trazer reflexões de pesquisadores experientes, ao lado de jovens promissores, o dossiê, principalmente, presta uma homenagem a dois artistas e cidadãos cujos trabalhos tornaram-se referências históricas, políticas e estéticas dos nossos últimos quarenta anos.

Ainda com a mesma preocupação em discutir os entrecruzamentos entre História e Estética, esse número da Fênix – Revista de História e Estudos Culturais presenteia os seus leitores com artigos de dois dos mais importantes historiadores brasileiros em atividade: Arnaldo Contier e Sandra Pesavento. O primeiro vem a ser um estudo sobre as reflexões de Mário de Andrade sobre o popular e o nacional na formação da música erudita brasileira, visando fundamentar uma concepção de identidade cultural. O segundo, por sua vez, analisa a pintura paisagística holandesa sobre o Brasil, no momento da invasão, conquista e estabelecimento da dominação do nordeste brasileiro no século XVII, com o intuito de apreender construções imaginárias de sentido e, por intermédio dessas, observar como, pela paisagem, se fez a “invenção do Brasil” pelo olhar do outro.

Finalmente, cabe salientar: o nosso objetivo é tornar essa publicação eletrônica um espaço efetivo de debate intelectual e um veículo de divulgação de idéias e de pesquisadores.

Assim sendo, a todos os leitores e colaboradores da Fênix – Revista de História e Estudos Culturais: SEJAM BEM-VINDOS!

Rosangela Patriota & Alcides Freire Ramos
Editores da Fênix – Revista de História e Estudos Culturais

O NACIONAL NA MÚSICA ERUDITA BRASILEIRA: MÁRIO DE ANDRADE E A QUESTÃO DA IDENTIDADE CULTURAL

  • Arnaldo Daraya Contier

RESUMO: Trata-se de um estudo sobre as reflexões de Mário de Andrade sobre o popular e o nacional na formação da música erudita brasileira visando fundamentar uma concepção de identidade cultural, tendo como ponto nodal a idéia de brasilidade e os seus diálogos com algumas técnicas e linguagens utilizadas pelos compositores europeus durante o período de 1920 a 1945.

PALAVRAS-CHAVE: História e Música – Brasilidade e Linguagem Musical – Mário de Andrade

A INVENÇÃO DO BRASIL - O NASCIMENTO DA PAISAGEM BRASILEIRA SOB O OLHAR DO OUTRO

  • Sandra Jatahy Pesavento

RESUMO: Este artigo visa analisar a pintura paisagística holandesa (de autoria de artistas como Frans Post, Gillis Peters, Zacharias Wagener, Georg Macgraf e Albert Eckhout, entre outros) sobre o Brasil, no momento da invasão, conquista e estabelecimento da dominação do nordeste brasileiro no século XVII, com o intuito de apreender construções imaginárias de sentido e, por intermédio dessas, observar como, pela paisagem, se fez a “invenção do Brasil” pelo olhar do outro.

PALAVRAS-CHAVE: História e Imagem – Artes Plásticas e Imaginário – Holandeses no Brasil do século XVII – História e Estética

DOSSIÊ CHICO BUARQUE & VIANINHA: ARTE E POLÍTICA NO BRASIL CONTEMPORÂNEO

ODUVALDO VIANNA FILHO E O CINEMA NOVO: APONTAMENTOS EM TORNO DE UM DEBATE ESTÉTICO-POLÍTICO

  • Alcides Freire Ramos

RESUMO: Neste artigo pretendemos lançar luz sobre alguns aspectos da trajetória do ator, dramaturgo e agitador cultural Oduvaldo Vianna Filho, enfocando particularmente algumas de suas relações com o cinema brasileiro. Neste sentido, elegemos aqui como ponto central as polêmicas que travou com os diretores do Cinema Novo, sobretudo com Glauber Rocha.

PALAVRAS-CHAVE: Vianinha – Teatro Brasileiro – Cinema Novo

HISTÓRIA – TEATRO – POLÍTICA: VIANINHA, 30 ANOS DEPOIS

  • Rosangela Patriota

RESUMO: Este artigo apresenta um balanço da produção teatral e televisiva de Oduvaldo Vianna Filho, assim como visa refletir sobre os impasses da discussão relativa ao binômio arte e política e sobre a atualidade do mencionado dramaturgo na cena cultural contemporânea.

PALAVRAS-CHAVE: História e Teatro – Vianinha – Arte e Política – História e Estética

ASPECTOS DA INDÚSTRIA CULTURAL E PUBLICIDADE NO BRASIL POR MEIO DA DRAMATURGIA DE ODUVALDO VIANNA FILHO

  • Sandra Rodart Araújo

RESUMO: A proposta deste artigo é, por meio das peças de Oduvaldo Vianna Filho: “A Longa Noite de Cristal”, “Corpo a Corpo” e “Allegro Desbum”, perceber aspectos da publicidade e da consolidação da sociedade de massas nas décadas de 1960 e 1970 no Brasil.

PALAVRAS-CHAVE: Vianinha, História e Teatro – Publicidade – Televisão

ODUVALDO VIANNA FILHO E O CINEMA NOVO: APONTAMENTOS EM TORNO DE UM DEBATE ESTÉTICO-POLÍTICO

  • Diógenes André Vieira Maciel

RESUMO: Trata-se de um estudo das relações entre dois textos brasileiros da segunda metade do século XX, a saber, o script televiso de Medéia (1972/Oduvaldo Vianna Filho) e o texto dramatúrgico de Gota d’água (1975/Chico Buarque e Paulo Pontes). Além do diálogo desenvolvido entre esses textos, busca-se entender as relações estabelecidas com a tragédia clássica Medéia, de Eurípides. Para tanto, propomos uma leitura que considere o texto de 1972 como fonte para o de 1975, mas que compreenda as diferenças implicadas no desenvolvimento do enredo (mythos) em cada um deles, considerando que eles têm como objeto-modelo a “lenda” da feiticeira da Cólquida, tal qual está expressa em Eurípides, colocada aqui à disposição da representação da realidade nacional.

PALAVRAS-CHAVE: Tragédia – Medéia – Dramaturgia Brasileira

RODA VIVA (1968) DE CHICO BUARQUE: A DRAMATURGIA E A CENA TEATRAL SOB A ÓTICA DA CRÍTICA ESPECIALIZADA

  • Jacques Elias de Carvalho

RESUMO: O objetivo desse artigo é analisar a recepção do espetáculo Roda Viva , texto de Chico Buarque e direção de José Celso Martinez Corrêa, em 1968, pelos críticos teatrais e demonstrar como essas análises influenciaram trabalhos posteriores sobre a cena teatral.

PALAVRAS-CHAVE: História e Espetáculo – Crítica Teatral – Chico Buarque – Roda Viva – Zé Celso Martinez Corrêa

TEMPOS DE INTOLERÂNCIA: CHICO CONTA CALABAR

  • Christian Alves Martins

RESUMO: Este trabalho tem como objetivo recuperar a historicidade da peça Calabar – O Elogio da Traição (1973) escrita por Chico Buarque e Ruy Guerra. Produzida em plena Ditadura Militar , o que criou obstáculos à montagem da peça, é uma alegoria histórica passada na época das Invasões Holandesas, no Brasil, do século XVII. Aborda a questão da lealdade e da traição, numa clara alusão à conjuntura política do período em que foi escrita. A partir da compreensão da História através do Teatro, buscaremos analisar os embates políticos e relações de poder a partir da relação passado/presente, além da utilização da alegoria histórica como estratagema artístico para denunciar as mazelas sociais.

PALAVRAS-CHAVE: Chico Buarque – História e Teatro – Calabar

OS SESSENTA ANOS DE UM ARTISTA: “CHICO BUARQUE DO BRASIL”, ORGANIZAÇÃO DE RINALDO DE FERNANDES

  • Dolores Puga Alves de Sousa

O NACIONAL-POPULAR ENTRA EM CENA NA OBRA ENSAIOS DO NACIONAL-POPULAR NO TEATRO BRASILEIRO MODERNO, DE DIÓGENES ANDRÉ VIEIRA MACIEL

  • Eliane Alves Leal
Fechar Menu