Vol.13 Ano XIII nº 2 - Julho - Dezembro de 2016

  • Editorial
  • Artigos
  • Resenhas

MAIS DE TRÊS MILHÕES E QUINHENTOS MIL (3.500.000) LEITORES!

É com imensa satisfação que lançamos mais um número da Fênix – Revista de História e Estudos Culturais (Volume 13, Ano XIII, Número 2 – Julho / Dezembro – 2016).

 

Nesse momento, temos novamente que expressar os nossos sinceros agradecimentos e a nossa gratidão a todos(as) que se envolveram, com desprendimento e coragem, na efetividade desta revista. Muito do que foi feito, desde o mês de dezembro de 2004, em prol da melhoria, expansão e diversificação deste periódico científico, deveu-se ao envolvimento da Secretaria Executiva, dos Conselhos Editorial e Consultivo, bem como de nosso Webmaster. Ao lado disso, devemos, com muita alegria, agradecer a todos aqueles que enviaram seus artigos, pois, fazendo isso, contribuíram para que Fênix – Revista de História e Estudos Culturais pudesse se consolidar, ao longo dos últimos treze (13) anos. Por fim, é fundamental registrar uma especial manifestação de agradecimento aos(às) nossos(as) leitores(as): sem eles(as), nada disso teria sido possível. Foi graças ao interesse e ao apoio deles(as) que esse projeto editorial obteve acolhida tão positiva.

O site www.revistafenix.pro.br entrou no ar em dezembro de 2004 com o objetivo de trazer ao público leitor uma publicação que se caracterizasse pela agilidade, universalidade e gratuidade. Essa preocupação, porém, não encerrava as expectativas depositadas na sua criação. Pelo contrário, o grande propósito era tornar acessível uma publicação capaz de incentivar a interlocução acadêmica e a ampla divulgação de pesquisas instigantes e de alto nível, procurando traduzir a dinâmica e a diversidade dos diálogos interdisciplinares da pesquisa histórica e dos Estudos Culturais.

Os resultados positivos obtidos com esse projeto, considerando também a atual edição, materializam-se na publicação de NOVENTA E QUATRO (94) RESENHAS QUINHENTOS E QUARENTA E DOIS (542) ARTIGOS, oriundos de diferentes estados: Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Pernambuco, Piauí, Paraíba, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo, Goiás e Distrito Federal.

Ademais, a Fênix – Revista de História e Estudos Culturais acolheu VINTE (20) DOSSIÊS, a saber: Chico Buarque & Vianinha: arte e política no Brasil Contemporâneo (organizado pela Editoria), História Oral (organização de Paulo Roberto de Almeida), Homenagem a Jorge Andrade – 50 anos d’A Moratória: Encruzilhadas da Literatura e da História (organização de Diógenes Maciel), Cinema-História (organização de Sheila Schvarzman), Teoria da História (organização de Pedro Spinola Pereira Caldas), História e Visualidades (organização de Alcides Freire Ramos), Teorias do Espetáculo e da Recepção (organização de Robson  Camargo), Mundo Romano (organização de Ana Teresa Marques Gonçalves), Estudos Literários (organizado pela Editoria), História da Ciência (organização de Antonio Augusto Passos Videira), História Cultural & Multidisciplinaridade (organizado por Sandra Pesavento, Mônica Pimenta Velloso e Antonio Herculano) Sandra Jatahy Pesavento: a Historiadora e suas Interlocuções (organizado por Nádia Maria Weber Santos, Maria Luiza Martini e Miriam de Souza Rossini), Jogos Teatrais no Brasil: 30 Anos (organizado por Ingrid Dormien Koudela e Robson Corrêa de Camargo), O Tapete Voador – Teorias do Espetáculo e da Recepção (organizado por Marcus Mota e Robson Corrêa de Camargo), Tempo e História (organizado por André Fabiano Voigt), Histórias Visuais: Experiências de Pesquisa entre História e Arte (organizado por Maria Elizia Borges e Heloisa Selma Fernandes Capel), História e Saúde (organizado por Iranilson Buriti de Oliveira), Encontros entre Brasil e Itália: Intercâmbios Acadêmicos [organizado por Rodrigo de Freitas Costa e Fulvia Zega (Università degli Studi di Genova)], História e Literatura abordagens e diálogos (organizado por Euclides Antunes de Medeiros e Olivia Macedo Miranda Cormineiro) e, neste número, o Dossiê Cartas (Francisco Alcides do Nascimento e Frederico Osanam Amorim Lima).

Vale salientar que, ao longo desse período, Fênix – Revista de História e Estudos Culturais deu passos decisivos para o seu amadurecimento e aceitação no meio acadêmico. Como comprovação disso, merece destaque: o aumento considerável da remessa de artigos, a predominância da colaboração de doutores e o recebimento de artigos internacionais. Acrescente-se como indicador importante para a avaliação das atividades desenvolvidas, nesses últimos anos, o número de visitas ao site www.revistafenix.pro.br e de Downloads dos arquivos. Em outros termos: até o momento, Fênix – Revista de História e Estudos Culturais recebeu a prestigiosa atenção de MAIS DE TRÊS MILHÕES E QUINHETOS MIL (3.500.000) LEITORES, assim distribuídos: 70% dos acessos originam-se do Brasil, e os 30% restantes são internacionais (Portugal, EUA, México, França, Itália, Espanha, Alemanha, Suécia, Inglaterra, entre outros). Para melhorar ainda mais, a Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, desde o início de 2013, por decisão de seus editores, passou a lançar seus números de seis em seis meses. Essa mudança, longe de apontar para um estreitamento do espaço utilizado para a divulgação de artigos e resenhas, tem permitido a otimização dos recursos humanos e materiais disponíveis para o cumprimento de todas as etapas de trabalho envolvidas na edição de uma revista científica.

Frente a isso, é motivo de muita alegria poder publicar neste número DEZESSEIS (16) excelentes ARTIGOS, cujos autores(as) são: Burghard Baltrusch, Adalmir Leonidio, Allan Azevedo Andrade, Fernando Arthur de Freitas Neves, Ana Paula Cabrera, Anselmo Peres Alós, Ana Paula Dutra Bôscaro, Bárbara Pontes de Assis, Vanessa Ribeiro Simon Cavalcante, Cid Vasconcelos, Daniela Queiroz Campos, Debora Breder, Denis G. Jogas Junior, Eliézer Cardoso de Oliveira, Jay Watson, Jomar Ricardo da Silva, Maria Arisnete Camara de Morais, Leonam Maxney Carvalho, Olga Brites e Ubirathan Rogerio Soares.

Como se isso não bastasse, a seção reservada às RESENHAS presenteia o leitor com DOIS (02) textos instigantes. De fato, merecem ser vistas, mais de perto, as avaliações críticas de Grace Campos Costa e Lays da Cruz Capelozi, bem como de Vitor Cei e Wilson Coelho.

Mais uma vez, agradecemos pelas resenhas e artigos enviados e, antecipadamente, pelo apoio na divulgação deste periódico.

Boa leitura a todos!

Alcides Freire Ramos, Rosangela Patriota e Rodrigo de Freitas Costa
Editores da Fênix – Revista de História e Estudos Culturais

  • Burghard Baltrusch

RESUMO: No trigésimo aniversário da primeira edição do romance de José Saramago A Jangada de Pedra (1986), que coincide com o trigésimo aniversário da adesão de Portugal e Espanha à CEE, é oportuno colocarmo-nos algumas questões sobre o significado do livro naquele momento, recapitulando a sua mensagem política ou ideológica sobre a relação da Península Ibérica com a Europa. Trata-se de demonstrar a atualidade e relevância de muitos aspectos da perspectiva saramaguiana sobre a relação das culturas ibéricas com o resto da Europa, uma visão radicalmente diferente daquela que vigorava na opinião pública de então.

PALAVRAS-CHAVE: José Saramago – A Jangada de Pedra – Península Ibérica – Europa – euroceticismo – trans-ibericidade.

  • Adalmir Leonidio

RESUMO: Este artigo apresenta os primeiros resultados de uma pesquisa mais ampla sobre as diferentes variantes do tema da fuga da cidade para o campo na literatura portuguesa, entre os séculos XIX e XX, a partir da análise de um conjunto de obras bastante variado. Busca mostrar, particularmente, que a recorrência do tema na cultura portuguesa está relacionada às dificuldades encontradas por Portugal em seu processo de modernização, tomado em sentido amplo.

PALAVRAS-CHAVE: Campo – Cidade – Literatura – Portugal

  • Allan Azevedo Andrade
  • Fernando Arthur de Freitas Neves

RESUMO: Após D. José Torres renunciar seu bispado, a diocese do Pará ficou desprovida de um prelado em 1857 até a chegada do 10° bispo em 1861. Nesse período, ficou responsável pela administração espiritual do bispado o sacerdote Raimundo de Mattos, considerado peça fundamental do projeto ultramontano de D. José quando ainda era bispo diocesano. Portanto, o período de vacância da diocese sob a direção de Raimundo de Mattos, correspondeu à continuidade da missão do bispo resignatário, entretanto, sem sua legitimidade da expressão espiritual como assinalam as fontes oriundas da Igreja, relatórios da presidência, e os jornais de circulação no Pará.

PALAVRAS-CHAVE: Ultramontanismo – Raimundo de Mattos – Igreja – Vacância – Diocese

  • Ana Paula Cabrera
  • Anselmo Peres Alós

RESUMO: Sabemos que os “estudos literários comparados” rotulam investigações variadas, que adotam diferentes metodologias e que, pela diversificação dos objetos de análise, concedem à literatura comparada um imenso campo de atuação. A dificuldade de um consenso sobre a natureza da literatura comparada, seus métodos e objetivos cresce de acordo com a pesquisa e a leitura de diferentes críticos e estudiosos neste campo. O objetivo desse artigo é analisar as relações interartes e intermidiáticas, compreendendo a evolução dos diálogos entre a poesia e as outras artes, em especial no que diz respeito à arte compósita de William Blake.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura Comparada – Intermidialidade – William Blake

  • Ana Paula Dutra Bôscaro

RESUMO: A proposta deste artigo consiste em analisar as relações de compadrio que foram estabelecidas nas pequenas propriedades de escravos que se encontravam presentes em Nossa Senhora da Conceição de Ibitipoca, Santa Rita do Ibitipoca, Ibertioga, Santana do Garambéu e São Domingos da Bocaina, no final do século XVIII e nas primeiras décadas do século XIX. Essas localidades estavam situadas na Serra da Mantiqueira, Minas Gerais, região que foi genericamente denominada como Borda do Campo. Dessa forma, por meio de um intenso cruzamento entre Listas Nominativas de Habitantes e Registros Paroquiais de Batismo, nos dedicaremos a averiguar e melhor compreender as relações de compadrio que foram estabelecidas entre esses pequenos proprietários de escravos, bem como entre os cativos que se encontravam sob a posse desses homens e mulheres no final do século XVIII e início do século XIX.

PALAVRAS-CHAVE: Pequena propriedade de escravos – compadrio – séculos XVIII e XIX – Serra da Mantiqueira

  • Bárbara Pontes de Assis
  • Vanessa Ribeiro Simon Cavalcante

RESUMO: Este artigo realizará, numa perspectiva histórica, o trajeto das mudanças e conquistas através da legislação brasileira que se referem a normatização da vida das mulheres brasileiras, traçando um breve panorama histórico de alguns avanços legais, fazendo um diálogo com a conjuntura internacional. Através de Análise Documental de fontes primárias – a legislação brasileira – como também de fontes secundárias – historiografia. No entanto compreendemos que a legislação e as políticas públicas não dão conta da erradicação do patriarcado, presente nas relações cotidianas. Está claro que outras questões precisam ser abordadas e enfrentadas para além do marco jurídico. Dentre elas o patriarcado e consequentemente uma visão androcêntrica das relações de gênero que não só permitem a sua aparição como também as justificam e naturalizam.

PALAVRAS-CHAVE: Marco Jurídico – Avanços Legais – Mulheres

  • Cid Vasconcelos

RESUMO: O presente artigo pretende explorar as relações ambíguas do campo cinematográfico italiano com o cinema norte-americano durante os anos finais do Fascismo, compreendendo uma relação ao mesmo tempo de admiração, de modelo para o cinema italiano, de negação ocasional dos valores trazidos por estes filmes e de busca de elaboração de um star-system baseado no modelo hollywoodiano como substitutivo do próprio. A pesquisa é centrada nas páginas das revistas de cinema da época, assim como na produção bibliográfica afim.

PALAVRAS-CHAVE: Cinema Italiano- Fascismo- Hollywood

  • Daniela Queiroz Campos

RESUMO: O presente artigo perpassa algumas obras do historiador da imagem e da cultura Aby Warburg afim de compreender seu pensamento montado. Para tal, parte-se da palavra grega Mnemosyne, nome da deusa da memória e guardiã da Biblioteca de Warburg. A montagem da Kulturwissenschaftliche Bibliothek Warburg (KBW) perpassaria anos, inicialmente constituía a reunião de livros do historiador e grande intelectual. Ao longo do tempo os livros ganham prédio próprio, na cidade de Hamburgo, e a partir daquela biblioteca começa-se a formular um instituto de pesquisa, que à época afamou-se mais que seu mentor. Para além do Instituto o Atlas Mnemosyne pode ser considerado outro grande produto daquela biblioteca. Seu último trabalho conjuga questões primordiais para a percepção de seu pensamento, conceitos e montagens.

PALAVRAS-CHAVE: Aby Warburg – atlas Mnemosyne – biblioteca Warburg – montagem.

  • Debora Breder

RESUMO: O artigo propõe uma reflexão sobre o modo pelo qual o ideal de uma “perfeita gemeidade”, comum à tradição indo-europeia, vem sendo atualizado nas narrativas contemporâneas. Do mito ao romance e deste ao cinema, o tema parece integrar os discursos simbólicos sobre a gemeidade a partir do motivo do incesto, como sugerem tantas tramas literárias e cinematográficas. Tomando como ponto de partida o longa-metragem The Dreamers (2003), de Bernardo Bertolucci, numa perspectiva comparativa com o romance O quarto fechado (1984), de Lya Luft; e o conto Wälsungenblut (1921), de Thomas Mann – que colocam em cena três pares de gêmeos de sexos diferentes –, analisa-se a retórica incestuosa que permeia as narrativas sobre a gemeidade em nossa tradição cultural.

PALAVRAS-CHAVE: Gêmeos – Incesto – Cinema

  • Denis G. Jogas Junior

RESUMO: Este trabalho tem por objetivo analisar debate científico, ocorrido nas primeiras décadas do século XX, a respeito das diferentes manifestações patogênicas que passariam a ser agrupadas, em 1906, sob a denominação de leishmanioses e, em especial, aquelas consideradas “americanas”. O processo de construção de conhecimento científico sobre esse grupo de moléstias mobilizou médicos e instituições de pesquisa de diferentes nacionalidades que se dedicavam a institucionalização do campo da medicina tropical. Envolvidos em uma controvérsia sobre a caracterização de quadros clínicos e agentes patogênicos individualizados do continente sul-americano, os pesquisadores interessados na problemática representada pelas leishmanioses buscavam entender os motivos pelos quais as manifestações patogênicas observadas nestes territórios apresentavam características diferenciadas quando comparadas aos quadros de leishmaniose cutânea conhecidos na Europa, Ásia e África.

PALAVRAS-CHAVE: História da medicina tropical – leishmanioses – construção do conhecimento científico

  • Eliézer Cardoso de Oliveira

RESUMO: O objetivo deste artigo é analisar as representações do coronelismo na obra do escritor regionalista goiano Bernardo Élis e o seu impacto na historiografia. Embora o aspecto mais destacado na obra bernardiana seja a representação do coronel como um ser sádico, mesquinho e covarde, há também uma representação dele como homem honesto, empreendedor e civilizador. Portanto, essa ambiguidade confere precisa ser considerada quando da utilização da literatura como fonte histórica.

PALAVRAS-CHAVE: Coronelismo – Bernardo Élis – História e Literatura – historiografia goiana

  • Jay Watson

RESUMO: O presente texto visa introduzir o leitor às problemáticas específicas relacionadas à assunção e manutenção de uma reputação literária referente ao romancista norte-americano William Faulkner. Para tanto, identifica-se os diferentes momentos que marcaram a ascensão de uma reputação literária que permanece em uma posição de prestígio até o presente. Parte-se da constatação da obscuridade à qual o autor foi relegado durante grande parte de sua carreira artística, passando pelo período dos anos 1950 e 1960 no qual a obra do autor foi coadunada à defesa da Guerra Fria como manutenção dos valores norteamericanos, chegando ao momento no qual a obra do autor é utilizada exatamente como uma crítica determinada e penetrante contra o American Way of Life.

PALAVRAS-CHAVE: William Faulkner – História Literária – Recepção Crítica

  • Jomar Ricardo da Silva
  • Maria Arisnete Camara de Morais

RESUMO: O presente trabalho intenciona analisar as contribuições de Lima Barreto para a construção da representação de intelectual na obra Triste fim de Policarpo Quaresma. Para realizarmos uma interpretação dos aspectos propostos, utilizamos o conceito de representação a partir das concepções teóricas de Roger Chartier. O procedimento para se chegar aos objetivos determinados obedeceu ao método indiciário, proposto por Carl Ginzburg, que desde a segunda metade do século XIX estava posto como um paradigma epistemológico no âmbito das ciências humanas. Lima Barreto possuía uma concepção de intelectual condizente com a realidade vivenciada, marcada pelas desigualdades econômicas, que em sua produção literária aporta em uma crítica mordaz às classes dominantes e uma contundente denúncia contra as injustiças sociais.

PALAVRAS-CHAVE: História – Literatura – Representação – Intelectual

  • Leonam Maxney Carvalho

RESUMO: Este artigo é uma análise de caso sobre um processo de homicídio registrado na Vila de Oliveira, em 1851. Quatro escravos que estavam fugidos havia mais de seis anos, seduzidos pelas promessas de um homem livre, inimigo da família de seus senhores, assassinaram seu senhor para ficar livre de suas perseguições. As contendas relatadas no documento em torno do crime envolvem rixas entre famílias tradicionais da vila, funcionários do policiamento, negros forros e formação de quilombos. O objetivo central deste texto foi analisar e discutir algumas vicissitudes da pesquisa sobre fontes criminais nos temas da história da polícia, da justiça e da escravidão em Minas Gerais no século XIX.

PALAVRAS-CHAVE: criminalidade – escravidão – direito penal – polícia – xadrez

  • Olga Brites

RESUMO: Este artigo comenta o trajeto de Pérola Byington como importante exemplo na discussão sobre assistência à infância e à pobreza no Brasil, com destaque para a ação no campo da Saúde. O texto salienta os vínculos entre essa atuação pessoal e políticas públicas que estavam se implantando no Brasil da primeira metade do século XX.

PALAVRAS-CHAVE: Pérola Byington – Saúde – Infância – São Paulo, século XX – Brasil, século XX

  • Ubirathan Rogerio Soares

RESUMO: Nesse artigo busco apresentar os resultados parciais de um projeto de pesquisa maior desenvolvido junto ao Acervo do Juízo Contencioso do Patriarcado de Lisboa no Mosteiro de São Vicente de Fora, especificamente no fundo documental que trata dos processos de divórcios perpétuos entre partes levados a termo naquele juízo por mulheres, em processo de ruptura de relações matrimoniais, entre finais do século XVIII e transcurso do XIX. Neste artigo de forma específica tento mostrar as similitudes e diferenças entre os processos de secularização das sociedades brasileira e portuguesa, tendo como foco as discussões sobre as rupturas das relações matrimoniais, conhecidas como divórcio perpétuo, levados a efeito por mulheres entre os séculos XVIII e XIX.

PALAVRAS-CHAVE: Casamento – Divórcio Perpétuo – Secularização

Fechar Menu