A TELA CONQUISTA DO AMAZONAS: O ENIGMA QUE REVELA E ESCONDE AQUILO QUE É

  • Nathan Nguangu Kabuenge
  • Universidade Federal do Pará – UFPA
  • nathannguangu@yahoo.fr
  • Alda Cristina Silva da Costa
  • Universidade Federal do Pará – UFPA
  • aldacristinacosta@gmail.com

RESUMO: O artigo é uma tentativa de abordar a questão da Amazônia sob uma perspectiva que vai além dos binarismos analíticos branco/ não branco, europeu/ não europeu, desenvolvimento/sustentabilidade; cidade/campo, dominação/resistência, entre outros, construída a partir de uma crítica às reflexões da Formação Socioeconômica e Cultural da Amazônia, que coloca em segundo plano o ser na Amazônia. Opta-se pela perspectiva hermenêutica gadameriana e do ensaio “A origem da obra de Arte” de Heidegger (2012) para analisar a tela “A Conquista do Amazonas” (ACA). Parte-se da análise decolonial da tela, por meio do conceito “novo dualismo”, em que se problematiza a “raça” no intuito de transcendê-la e ontologicamente recolocar o ser no centro da análise. Conclui-se que é necessário subverter a ordem das discussões e reflexões, ou seja, não indagar por que a Amazônia e sua população são dominadas e exploradas, mas sim quem é o ser da Amazônia.

PALAVRAS-CHAVE: Amazônia – Hermenêutica – Obra de arte – Decolonialidade de poder.

ACEVEDO MARIN, Rosa Elizabeth. A escrita da história paraense. Belém: NAEA-UFPA, 1998.

ARAGÓN, Luis Eduardo. A dimensão internacional da Amazônia: um aporte para sua interpretação. Revista NERA, Presidente Prudente, 2018 v. 21, n. 42, p.14-33.

ARAÚJO, Sônia Maria da Silva. A constituição do sujeito e a diversidade (ameaçada) da Amazônia. Revista Múltiplas Leituras, São Paulo, jan. /jun. 2009, p. 39-49. v.2, n. 1.

BUBER, Martin. Eu e Tu. 6. ed. São Paulo: Centauro, 2003.

CARTA, Giannino. Comunismo: de Karl Marx ao muro de Berlim. São Paulo: Abril, 1965, p. 12-13.

CASTRO, Edna Ramos; CAMPOS, Índio. Formação Socioeconômica da Amazônia. In: ______. (Org.). Formação socioeconômica da Amazônia. Belém: NAEA, 2015, p. 15-36.

CASTRO, Edna Ramos. CASTRO, E. R. de. Amazônia na encruzilhada: saque colonial e lutas de resistência. In: ______ (Org.). Territórios em transformação na Amazônia: saberes, rupturas e resistências. Belém: NAEA, 2017, p. 19-48.

CASTRO, Fabio Fonseca de. Fenomenologia da Comunicação em sua quotidianidade. RBCC, São Paulo, jul. /dez. 2013, p. 21-39, v. 36, n. 2.

CASTRO, Raimundo Nonato de. O quadro Conquista do Amazonas de Antonio Parreiras e a ideia de nação. 19&20, Rio de Janeiro, out. /dez. 2010, n.p. v. 5, n. 4.

CASTRO, Raimundo Nonato de. Sobre o brilhante efeito: história e narrativa visual na Amazônia em Antônio Parreiras (1905-1908). Dissertação (Mestrado em História) . Universidade Federal do Pará, , 2012.

COELHO, Geraldo Mártires. Belém e a Belle Époque da Borracha. Revista Observatório, Palmas, set/dez. 2016, p. 33. v 2, n. 5.

COSTA, Alda Cristina Silva da; KABUENGE, N. N. O feminino, a feminilidade e a “fêmea”: narrativas do corpo no jornal Amazônia. In: ENCONTRO DE ANTROPOLOGIA VISUAL DA AMÉRICA AMAZÔNICA, 1., 2014, Belém. Anais… Belém: EAVAAM, 2014, p. 10.

FRAXE, Therezinha de Jesus Pinto; et al. O ser da Amazônia: Identidade e invisibilidade. Ciência e Cultura, São Paulo, [online]. 2009, p. 30-32, v. 61, n 3.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução de Flávio Paulo Meurer. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

HEIDEGGER, Martin. A origem da obra de arte. Tradução Maria da Conceição Costa. Lisboa: Edições 70, 2012.

HEIDEGER, Martin. Ser e tempo. Tradução revisada de Márcia Sá Cavalcante Schuback. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, São Paulo: Editora Universitária São Francisco, 2013.

LEVINAS, Emmanuel. Da existência ao existente. Tradução Paul Albert Simon, Ligia Maria de Castro Simon. Campinas, SP: Papirus, 1998.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, Argentina: Clacso, 2005, p. 107-130.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade, Poder, globalização e Democracia. Novos Rumos, 2002 v. 17, n. 37, p. 1-25.

RODRIGUES, Carmen Izabel. Caboclos na Amazônia: a identidade na diferença. Novos Cadernos NAEA, Belém, 2006. p. 119-130. v. 9, n. 1.