ETNOGÊNESE E ESTRATÉGIAS TERRITORIAIS DO QUILOMBO DO ROSA, MACAPÁ/AMAPÁ

  • David Junior de Souza Silva
  • Universidade Federal do Amapá – UNIFAP
  • davi_rosendo@live.com

RESUMO: As comunidades quilombolas do Amapá iniciaram seus processos de etnogênese no início do século XXI. Este artigo objetiva refletir sobre o processo de etnogênese do Quilombo do Rosa. A metodologia de pesquisa baseia-se em etnografia realizada junto à comunidade. Para a produção da etnogênese em si, dois processos fundantes foram identificados: o primeiro, a mobilização, em 2002, contra uma mineradora, quando esta planejava depositar rejeito tóxico de mineração, nas terras da comunidade; o segundo, a implementação do Programa Brasil Quilombola. O universo simbólico e a autorrepresentação da comunidade são muito maiores do que a identidade que esta assume no contexto multiétnico de contato. Esta dimensão de sua identidade, a de remanescente quilombola, é levada a primeiro plano para viabilizar a comunicação com o Estado. A etnogênese, assim, tem o sentido de uma estratégia territorial, porém não resume todo o universo de significados da ancestralidade, memória e tradição da comunidade. 

PALAVRAS CHAVE: Reconhecimento – Movimento quilombola – Direitos étnicos – Interculturalidade.

BARTOLOMÉ, M. A. As etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cenário cultural e político. Mana, v. 12, n. 1, p. 39-68, 2006.

JORGE, A. L.. O movimento social quilombola: considerações sobre sua origem e trajetória. Vértices, Campos dos Goytacazes/RJ, v.17, n.3, p. 139-151, set./dez. 2015, p. 146.

PEREIRA, Edir. Resistência descolonial: estratégias e táticas territoriais. Terra Livre, São Paulo, 2017, Ano 29, Vol.2, n 43 p.17-55.

RATTS, Alecsandro José Prudêncio. Conceição dos Caetanos: memória coletiva e território negro. Palmares em Revista. Brasília. No. 1, 1996, p. 97-115.

RATTS, Alecsandro José Prudêncio. Almofala dos Tremembé: a configuração de um território indígena. Cadernos de Campo, 8, 1990, 61-81