NOTAS SOBRE A AMAZÔNIA E A POLÍTICA NO PENSAMENTO DE ÁLVARO MAIA

RESUMO: Álvaro Maia destacou-se por sua atuação como político profissional ao longo de quatro décadas e revelou um projeto intelectual que além de forjar a nação, buscava compreender seu processo de modernização. A produção da obra literária de Maia não pode ser reduzida a uma mera estratégia para adquirir capital simbólico perdido no campo político. Como representante do movimento da Caboclitude, buscava através de suas obras construir uma identidade verdadeiramente cabocla. Neste trabalho apresentamos a análise das obras publicadas por Álvaro Maia após a década de 1930, onde é possível compreender de que forma seu pensamento político contribuiu para sua legitimação e permanência no campo político. Neste sentido, ao se inventariar a contribuição deste autor para o Pensamento Social da Amazônia e do Brasil, recuperamos uma interpretação histórica, social e ecológica da região, a qual revela a Amazônia em suas bases culturais, econômicas, sociais e políticas.  

PALAVRAS-CHAVES: Amazônia – cabocla – campo político

BASTOS, É. R. & PINTO, R. Os Intelectuais e a questão regional. In: BASTOS, É. R. & PINTO, R. (Org.).Vozes da Amazônia: Investigação sobre o pensamento social brasileiro. Manaus: Valer/ EDUA, 2014. 09-25 p.

BENJAMIN, Walter. Documentos de cultura, documentos de barbárie: escritos escolhidos. Seleção e apresentação Willi Bolle; tradução Celeste H. M. Ribeiro de Sousa (et al.). São Paulo: Cultrix/Edusp, 1986. 201 p.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. São Paulo: Companhia das Letras. 1996. 431 p.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. Rio de Janeiro, Ouro Azul, 2006. 199 p

CHAIA, Miguel. Arte e política: situações. In: ______. Arte e Política. Rio de Janeiro: Azougue, 2007. p. 13-39.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Traduzido por Ruy Jungmann. vol 1.Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. 279 p.

GOLDMANN, Lucien. Origem da dialética: A comunidade humana e o universo em Kant. Tradução de Haroldo Santiago. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967. 254 p.

GONDIM, Neide. A invenção da Amazônia. São Paulo: Editora Marco Zero, 1994. 278 p.

LIMA, Luciene Gomes. Ficções do Ciclo da borracha. Ed. EDUA; Manaus, 2009. 241 p.

LUKÁCS, Georg– Estética: la Peculiaridad de lo Estético. Vol. 1: Questiones Preliminares y de Principio. Traduzido por Manuel Sacristán. Barcelona: Grijalbo 1966. 434 p.

MAIA, Álvaro. Na Vanguarda da Retaguarda. Manaus: DEIP, 1943. 354 p.

______. Álvaro. Gente dos Seringais. Rio de Janeiro: Bosol, 1956. 375 p

______. Nas Barras do Pretório. Manaus: 1958. 200 p.

______. Álvaro. Defumadores e Porongas. Manaus: Imprensa Oficial, 1966. 266 p.

______. Álvaro. Banco de Canoa: Cenas de rios e seringais do Amazonas. 2° Edição. Manaus: UA, 1997. 

______. Álvaro. Beiradão. Manaus. 2° ed. Manaus: Valer/UA, 1999. 270 p. 

MONTEIRO, Mario Ypiranga. Fatos da literatura amazonense. Manaus: Universidade do Amazonas, 1976. 

PAIVA, Marco Aurélio Coelho de. Identidade regional e folclore amazônico na obra de Mário Ypiranga Monteiro. Manaus: Valer, 2002. 

PÉCAUT, Daniel. Intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. Tradução de Maria Júlia Goldwasser. São Paulo: Ática. 1990. 335 p.

SANTOS, Eloína Monteiro dos. Uma liderança política cabocla: Álvaro Maia. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas). Universidade de São Paulo. São Paulo. 1996. 

SIQUEIRA, Marklize Santos. O romance social de Francisco Galvão: Expressões de uma representação da cultura na Amazônia. In: Revista Elaborar. Vol. 02, ano 3, n. 1, 2015. Disponível em: www.periodicos.ufam.edu.br.view. Acessado em: 08 de ago. 2019.

SKINNER, Q. “Meaning and Understanding in the History of Ideas”. History and Theory, vol. 8, n. 3, 1969. 3-53 p.

WEBER, Max. A política como vocação. Tradução de Jean Melville. Ciência e Política duas vocações. São Paulo: Martin Claret, 2001.