AMIZADES LÍQUIDAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS ELOS (INTER)SUBJETIVOS NOS WEBLOGS

  • Marilda Ionta Universidade Federal de Viçosa – UFV
Palavras-chave: Amizade, Subjetividade, Cultura digital

Resumo

Neste texto, busco problematizar as relações de amizade forjadas na cultura digital. Mais especificamente, discuto os vínculos sociais construídos em weblogs escritos por mulheres. A dimensão (inter) subjetiva da amizade, mediada na atualidade pelas novas tecnologias de comunicação, faz dessa prática social um locus atraente para compreensão dos deslocamentos que vêm ocorrendo na produção de nossa subjetividade contemporaneamente. Assim, a partir da análise de alguns blogs, indago sobre a pedagogia relacional e as políticas de amizade contidas nos blogs femininos e feministas na Internet, ou seja, nos vínculos sociais mediados por um novo saber técnico-científico que dá tonalidade à sociedade de informação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilda Ionta, Universidade Federal de Viçosa – UFV

Doutora pela Universidade Estadual de Campinas e Pós-Doutora pela Universidade de Coimbra,
Portugal. Atualmente é professora de História da Universidade Federal de Viçosa.

Referências

ARISTÓTELES. Ética Nicomaquea; Ética Eudemia. Madrid: Gredos, 2003.

BAUMAN, Sigmunt. Amor Líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2004.

CASTELLS, Manuel. A galáxia internet: reflexões sobre internet, negógicos e sociedade. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2003.

CÍCERO. Saber envelhecer e a amizade. Porto Alegre: LP&M, 1997.

COSTA, Jurandir Freire. Sem fraude nem favor: um estudo sobre o amor romântico. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

DERRIDA, Jacques. Políticas de Amizade: seguido de ouvido de Heidegger. Porto: Campo das Letras, 2003.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. 3 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade III: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Vega, 1992.

HARD, Michael; NEGRI, Antonio. Império. São Paulo: Record, 2005.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia. Lisboa: Edições 70, 1989.

IONTA, Marilda. As cores da amizade: cartas de Anita Malfatti, Oneyda Alvarenga, Henriqueta Lisboa e Mário de Andrade. São Paulo: Annablume, 2007.

IONTA, Marilda; CAMPOS, Natália. Da arte da amizade entre antigos e modernos. In: M. Rago; PP Funari. (Orgs.), Subjetividades antigas e modernas. São Paulo: Annablume, 2008.

KOMESU, Fabiana. Entre o público e o privado: um jogo enunciativo na constituição do escrevente de blogs da Internet. Tese (Doutorado), Instituto de Estudo da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2005.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Lisboa: Gradiva, 1979.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. São Paulo: Círculo do livro, n/d.

ORTEGA, Francisco. Genealogias da amizade. São Paulo: Iluminuras, 2002.

ROLNIK, Suely. O ocaso da vítima para além da cafetinagem da criação e de sua separação da resitência. In: Nietzsche e Deleuze: bárbaros, civilizados. São Paulo: Annablume, 2004.

SANTANA, Denise. Corpos de passagem: ensaios sobre a subjetividade contemporânea. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

SCHITINE, Denise. Blog: comunicação e escrita intima na internet. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

SENNETT, Richardt. O Declínio do Homem público: as tiranias da intimidade. 6 ed. São Paulo: Cia. das Letras, 1988.

SIBILIA, Paula. O homem pós-orgânico: corpo, subjetividade e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

OUTRAS FONTES

SIBILIA, Paula. Os diários íntimos na internet e a crise da interioridade psicológica. Disponível em: http://www.comunica.unisinos.br/tics/textos/2003/GT12TB6.PDF

Publicado
2010-08-31
Como Citar
Ionta, M. . (2010). AMIZADES LÍQUIDAS: CONSIDERAÇÕES SOBRE OS ELOS (INTER)SUBJETIVOS NOS WEBLOGS. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 7(2), 1-16. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/268