As origens das disciplinas científicas

uma contra-história da ciência ocidental

Palavras-chave: contra-história da ciência, disciplinas científicas, química indigena, físicos empresários

Resumo

Neste trabalho, apresentamos uma narrativa histórica que reescreve as origens e as bases da ciência moderna ocidental, particularmente das disciplinas científicas. A essa reescrita da história da ciência damos o nome de contra-história da ciência, a história da ciência dos vencidos ou dos invisibilizados pela história da ciência ocidental. Nela exploramos a complexa relação entre comercio internacional e aventuras de pesquisa dos europeus no Sul da Ásia e no Novo Mundo com o surgimento das disciplinas científicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Barbosa, Universidade Federal do Paraná

Prof. Adjunto do curso de Licenciatura em Educação do Campo - Ciências da Natureza, UFPR Litoral. Licenciado em Física. Doutor em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina com estágio sanduíche na University of Massachusetts. Membro do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e em Matemática da UFPR.

Referências

AUSTIN, Alfredo López. Cuerpo Humano e Ideologia: Las Concepciones de los Antiguos Nahuas. 2.ed. México: Universidad Nacional Autónoma de México - Instituto de Investigaciones Antropológicas, 2004.

BAJAJ, JATINDER K. Francis Bacon the first philosopher of modern science: A non-western view. p. 14-19. In. Ashis Nandy (Orgs). Science, hegemony and violence. Calcutta: P. K. Ghosh at Eastend Printers, 1988.

BARRERA-OSORIO, Antonio. Experiencing Nature: the spanish american empire and the early scientific revolution. Austin: University of Texas press, 2006.

BEDIAGA, Begonha. Conciliar o útil ao agradável e fazer ciência: Jardim Botânico do Rio de Janeiro – 1808 a 1860. Rio de Janeiro, História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v.14, n.4, p.1131-1157, out.- dez. de 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-59702007000400003 . Acesso em: 21 abr. 2020.

BROCKWAY, Lucile. H. Science and colonial expansion: the role of the British Royal Botanic Gardens. New Haven; London: Yale University Press, 2002.

CALAZANS, Marília Oliveira. Arqueologia, craniometria e inteligência: notas a partir das escavações no Brasil dos oitocentos. São Paulo, Khronos, n. 2, p.34-49, de 2017. Disponível em: https://doi.org/10.11606/khronos.v0i2.126101. Acesso em: 04 de dez 2020.

CASTRO, Josué. de. Geopolítica da fome: ensaio sobre os problemas de alimentação e de população do mundo. Rio de Janeiro: Livraria-editora da Casa do Estudante do Brasil, 1952.

CONNER, Clifford. D’. The people’s history of science. New York: Nation books. 2005.

CUNHA, Lázaro. Contribuição dos povos africanos para o conhecimento científico e tecnológico universal. Salvador: Secretaria Municipal de Educação, 2005. Disponível em: http://smec.salvador.ba.gov.br/documentos/contribuicao-povos-africanos.pdf. Acesso em: 05 jun. 2019.

DEAR, Peter. Mechanical microcosmo: Bodily passions, Good maners and Cartesiam mechanisn. p. 103-129. In. Scientific Revolution: the essential readings. Marcus Hellyer (Org.). Malden: Blackwell publishing, 2003.

DE OLIVEIRA, Luiz Henrique Milagres; CARVALHO, Regina Simplício. Um olhar sobre a história da química no brasil. Revista ponto de vista, v. 3, n. 1, p. 27-37. de 2020. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/rpv/article/view/9740. Acesso em: 5 jan. 2021.

FERRO, Marc. A história vigiada. Trad. Doris Sanches Pinheiro. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. tradução de Luiz Felipe Baeta Neves, -7ed. - Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. 13ºed. Rio de Janeiro: Edições graal, 1979.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Trad. Galeno de Freitas. 35º ed. São Paulo: Paz e terra, 1992.

GIOPPO. C. Eugenia: a higiene como estratégia de segregação. Curitiba, Revista Educar, n. 12, p. 167-180. de 1996. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/36032. Acesso em: 03 mai. 2010.

GOONATILAKE, Susantha. Colonies: scientific expansion (and contraction). Review, v.3, p.413-436. de 1982. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/40240912. Acesso em: 12 jun. 2019.

LIVINGSTONE, David. The geographical tradition. Cambridge: Blackwell publishing, 1992.

LÖWI, MICHAEL. Walter Benjamin: aviso de incêndio: uma leitura das teses "Sobre conceito de história". Trad. Wanda Nogueira Caldeira Brant, [tradução das teses] Jeanne Marie Gagnebin, Marcos Lurz Muller. São Paulo: Boitempo, 2005.

PERROT, Michele. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Trad. Denise Bottman. 4.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

PORTILLA, Miguel León. Visión de los vencidos: relaciones indígenas de la conquista. Universidad Nacional Autónoma de México, México, 1992, Disponível em: https://www.historicas.unam.mx/publicaciones/publicadigital/libros/obras_leon_portilla/599.html Acesso em: 20 abril 2020.

RAJ, Kapil. Relocating modern science: circulation and the construction of knowledge in South Asia and Europe 1650–1900. New York: Palgrave Macmillan, 2007.

SAID, E. Orientalism. New York: Vintage Books, 1979.

SANJAD, Nelson Rodrigues. Os Jardins Botânicos luso-brasileiros. São Paulo, Revista Ciência e Cultura, v.62, n.1, p.20-22. de 2010. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252010000100009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 mai. 2020.

SERTIMA, Ivan V. Black in Science: ancient and modern. New Brunswick: Transaction Publishers, 2007.

SHARPE, Jim. A história vista de baixo. p. 39-62. In. Peter Burke (org.). Tradução de Magda Lopes. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 1992.

SHIVA, Vandana. Biopirataria: a pilhagem da natureza e do conhecimento. Trad. Laura Cardellini Barbosa de Oliveira. Petrópolis: Vozes, 2001.

SMITH, L. T. Descolonizando metodologias: pesquisa e povos indígenas. Trad. Roberto G. Barbosa. Curitiba: Editora UFPR, 2018.

SOENTGEN, Jens; HILBERT, Klaus. A química dos povos indígenas da América do Sul. Química Nova, v.39, n.9, p.1141-1150. de 2016. Disponível em: https://doi.org/10.21577/0100-4042.20160143. Acesso em: 14 nov. 2020.

THIONG’O, Nagugi Wa. Decolonising the Mind: The Politics of Language in African Literature. Harare: Zimbabwe publishing house, 1994.

WILLIANS, Eric. Capitalismo e Escravidão. Trad. Denise Bottman. São Paulo: Companhia das letras, 2012.

Publicado
2022-05-20
Como Citar
BARBOSA, R. (2022). As origens das disciplinas científicas : uma contra-história da ciência ocidental. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 19(1), 21- 39. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v19i1.1000