Carreira médica, prestigio e práticas de sociabilidade no oitocentos

o caso do dr. Ernesto Mendo (Espírito Santo, 1860-1895)

Palavras-chave: profissão médica, sociedade oitocentista, História do Espírito Santo

Resumo

O presente artigo objetiva, com base em um estudo de caso, discutir as relações de sociabilidade e afirmação de prestígio social que envolvia a carreira médica na segunda metade do século XIX. Para isso, discutiremos as ações e inserções do dr. Ernesto Mendo, que ocupou uma série de cargos, destacadamente o de professor do Liceu, Inspetor de Higiene Pública, médico da Santa Casa da Misericórdia de Vitória, dentre outros. Além disso, o dr. Mendo se envolveu com a política local, clubes abolicionistas e literários, etc. Assim, propomos reflexões que transitam das práticas médicas às relações com os círculos de poder e da alta sociedade capixaba de fins do oitocentos, com base, fundamentalmente, nos periódicos que circulavam na Capital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Nogueira, Faculdade Vale do Cricaré – FVC

Doutor em História das Ciências e da Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz (COC/FIOCRUZ).
Atualmente atua como docente da Faculdade Vale do Cricaré. Autor
de Entre Cirurgiões, Tambores e Ervas: calunduzeiros e curadores ilegais em ação nas Minas Gerais
(século XVIII) (Garamond, 2016), além de artigos e capítulos em livros.

Sebastião Pimentel Franco, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Faculdade Vale do Cricaré – FVC

Doutor em História pela Universidade de São Paulo. Professor Titular e do Programa de Pós-Graduação
em História da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e da Faculdade Vale do Cricaré.. Autor, entre outros livros,
de O Terribilíssimo Mal do Oriente:o cólera da província do Espírito Santo (1855-1856) (EDUFES,
2015), e da organização, com a colaboração de outros pesquisadores, da coletânea Uma História
Brasileira das Doenças, vols. 4, 5, 6 e 7, 8 e 9, entre outros artigos e livros .

Referências

Fontes e Bibliografia

Fontes Impressas

A Folha da Victória, 5 de outubro de 1884.

A Província do Espírito Santo, 03 de maio de 1879.

A Província do Espírito Santo, 6 de julho de 1882.

A Província do Espírito Santo, 15 de março de 1883.

A Província do Espírito Santo, 25 de setembro de 1883

A Província do Espírito Santo, 9 de novembro de 1883.

A Província do Espírito Santo, 5 de janeiro de 1884.

A Província do Espírito Santo, 4 de Março 1884.

A Província do Espírito Santo, 5 de novembro de 1884.

A Província do Espírito Santo, 19 de outubro de 1884

A Província do Espírito Santo, 20 de março de 1885.

A Província do Espírito Santo, 25 de julho de 1885

A Província do Espírito Santo, 10 de fevereiro de 1886.

A Província do Espírito Santo, 19 de maio de 1886.

A Província do Espírito Santo, 27 de maio de 1887

A Província do Espírito Santo, 29 de maio de 1887

A Província do Espírito Santo, 10 de julho de 1887

O Espirito Santense, 25 de maio de 1871

O Espirito Santense, 4 de Junho de 1874

O Espirito Santense, 24 de agosto de 1884

O Espirito Santense, 08 de fevereiro de 1876.

O Espirito Santense, 09 de março de 1876.

O Espirito Santense, 07 de novembro de 1876.

O Espirito Santense, 22 de maio de 1878.

O Espirito Santense, 07 de outubro de 1883

O Espirito Santense, 14 de novembro de 1885.

O HORIZONTE, 4 de Outubro de 1883

Bibliografia

BYNUM, William. História da Medicina. Porto Alegre: L&PM Editores, 2008.

CARNEIRO, Henrique. Pequena enciclopédia de drogas e bebidas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2005

CHALHOUB, Sidney. Cidade Febril: cortiços e epidemias na Corte Imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

COELHO, Edmundo Campos. As profissões imperiais. Medicina, advocacia e engenharia no Rio de Janeiro (1822-1930). Rio de Janeiro: Record, 1999.

EDLER, Flávio C. Ensino e profissão médica na corte de Pedro II. Santo André: Universidade do ABC, 2014.

EDLER, Flávio C. Medicina no Brasil imperial: clima, parasitas e patologia tropical. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2011.

EDLER, Flávio Coelho e PIRES-ALVES, Fernando Antônio. A Educação médica: do aprendiz ao especialista p. 125-165. In: TEIXEIRA, Luís Antônio, PIMENTA, Tânia Salgado e HOCHMAN, Gilberto. História da Saúde no Brasil. São Paulo: Hucitec Editora, 2018.

FERREIRA, L. O. João Vicente Torres Homem: descrição da carreira médica no século XIX. Phisys – Revista de Saúde Coletiva. V.4, p. 58-77. 1994.

FERREIRA, Luiz Otávio. Medicina impopular. Ciência médica e medicina popular nas páginas dos periódicos científicos. p. 101-122. In: CHALHOUB, Sidney; MARQUES, Vera Regina Beltrão; SAMPAIO, Gabriela dos Reis; GALVÃO Sobrinho, Carlos R. (Org.) Artes e ofícios de curar no Brasil: capítulos de história social. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

FIGUEIREDO, Betânia Gonçalves. A arte de curar: cirurgiões, médicos, boticários e curadores no século XIX em Minas Gerais. Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 2002.

FLECK, Ludwick. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010 [1935].

FRANCO, Sebastião Pimentel. O terribilíssimo mal do Oriente: o cólera na província do Espírito Santo (1855-1856). Vitória: Edufes, 2015.

FRANCO, Sebastião Pimentel; NOGUEIRA, André Luis Lima. Entre práticas e curas: as polivalentes formas de se enfrentar a epidemia de cólera no Espírito Santo p. 147-172. In: FRANCO, Sebastião Pimentel; PIMENTA, Tânia Salgado; MOTA, André. (Org.). No rastro das províncias: as epidemias no Brasil oitocentista. Vitória/ES: Edufes, 2019.

HOLLINGHAM, Richard. Sangue e entranhas: a assustadora história da cirurgia. São Paulo: Geração Editorial, 2011.

KURY, Lorelai. Brilhante. O império dos miasmas: a Academia Imperial de Medicina (1830-1850). Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, Niterói. 1990.

MAGALHÃES, Sônia Maria de. Combate das febres em Goiás: as recomendações do dr. Netto Carneiro no oitocentos p. 277-294. In: FRANCO, Sebastião P. (et all). Uma História Brasileira das Doenças Vol. VI. BH: Fino Traço, 2016.

MARTINS, Ana Luiza. Imprensa em tempos de Império p. 88-118.. In: LUCA, Tânia Regina de; MARTINS, Ana Luiza (Org.). A História da Imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.

MOREL, Marco. Os primeiros passos da palavra impressa p. 45-68. In: LUCA, Tânia Regina de; MARTINS, Ana Luiza (Org.). A História da Imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.

MOREL, Marco. Pátrias polissêmicas: República das Letras, imprensa na crise do Império português na América p. 45-65. In: KURY, Lorelai. Iluminismo e império no Brasil. O Patriota (1813-1814). Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2007.

NOGUEIRA, André. O cólera no Espírito Santo pela lente do Correio da Vitória (1855-1856) ou quando as epidemias viram notícia p. 223-245. In: FRANCO, Sebastião P. (et all). Uma História Brasileira das Doenças Vol. VI. Belo Horizonte: Fino Traço, 2016.

PIMENTA, Tânia. S. Doses infinitesimais contra a epidemia de cólera no Rio de Janeiro em 1855. p. 31-51. In: NASCIMENTO, D. R. & CARVALHO, D. M. (Org.). Uma história brasileira das doenças. Brasília: Paralelo 15, 2004.

PORTER, Roy. The Cambridge illustrated history of medicine. Cambridge: Cambridge University Press 1996.

REZENDE, Joffre Marcondes de. Breve história da anestesia geral. pp. 103-109. In: REZENDE, Joffre Marcondes de. À sombra do plátano: crônicas de história da medicina [online]. São Paulo: Editora Unifesp, 2009

ROSENBERG, Charles. “Framing disease: Illness, society and history”. In: ROSENBERG, Charles. Explanning epidemics and others studies in the history of medicine. p. XIII – XXVI Cambridge: Cambridge University Press, 1992

ROSEWEIN, Barbara H. História das emoções: problemas e métodos. São Paulo: Letra e Voz Editora, 2011.

SAMPAIO, Gabriela. Nas Trincheiras da Cura. As diferentes medicinas no Rio de Janeiro Imperial. São Paulo: Ed.Unicamp, 2001.

SCHWARCAZ, Lilia Moritz. As barbas do imperador: dom Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SILVA, Carlos Leonardo Bahiense da. Lancetas e bisturis em movimento: cirurgia na Guerra do Paraguai (1864-1870). p. 209-228. In: PIMENTA, Tânia Salgado e GOMES, Flávio. Escravidão, doenças e práticas de cura no Brasil. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2016.

WEISZ, George. The Emergence of Medical Specialization in the Nineteenth Century. Bulletin of the History of Medicine, Volume 77, Number 3, pp. 536-574, Fall 2003.

XAVIER, Regina. Dos males e suas curas. Práticas médicas na Campinas oitocentista p. 331-354. In: CHALHOUB, Sidney; MARQUES, Vera Regina Beltrão; SAMPAIO, Gabriela dos Reis; GALVÃO Sobrinho, Carlos R. (Org.) Artes e ofícios de curar no Brasil: capítulos de história social. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

Publicado
2021-12-15
Como Citar
Nogueira, A., & Pimentel Franco, S. . (2021). Carreira médica, prestigio e práticas de sociabilidade no oitocentos: o caso do dr. Ernesto Mendo (Espírito Santo, 1860-1895). Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(2), 319-338. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i2.1017