"Só as mães são felizes"

maternidade e experiência com a Aids

Palavras-chave: História das Doenças, História da Aids, Gênero

Resumo

O artigo analisa a experiência de mulheres com a Aids, sob a ótica de mães de soropositivos. Discuto como alguns modelos de comportamento historicamente atribuídos ao gênero feminino, especificamente, a maternidade, influenciam a elaboração de significados para a Aids no entender dessas mulheres. A análise se baseia em de duas autobiografias, Cazuza: Só as mães são felizes (2001), de Lucinha Araújo, e Vida de Mulher (1998), de Dayse Agra; e das entrevistas de Agra e Maria Magdalena para o acervo A fala dos comprometidos (CASA DE OSWALDO CRUZ, 1996-1998).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1985.

BARATA, Germana Fernandes. A primeira década da Aids no Brasil: o Fantástico apresenta a doença ao público (1983-1992). Dissertação (Mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

BESSA, Marcelo Secron. Os Perigosos: autobiografias & AIDS. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

BONELLI, Maria da Glória. Arlie Russell Hochschild e a sociologia das emoções. cadernos pagu (21) 2003: pp.357-372.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Morais; AMADO, Janaina. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1998. p. 183-191.

DIAS, Cláudio J. P.A trajetória soropositiva de Herbert Daniel (1989-1992). Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde – Fundação Oswaldo Cruz. Casa de Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2012.

GOMES, Angela de Castro (org). Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2004.

GREEN, J. Revolucionário e gay: a extraordinária vida de Herbert Daniel - pioneiro na luta pela democracia, diversidade e inclusão. M. Sette Câmara, Trad., 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2018.

MARTINS, Ana Paula Vosne. Visões do feminino: a medicina da mulher nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2004.

_____¬¬¬__. Gênero e assistência: considerações histórico-conceituais sobre práticas e políticas assistenciais. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.18, supl. 1, dez. 2011, p.15-34.

SONTAG, Susan. A doença como metáfora. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984. 3a. Edição.

________. AIDS e suas metáforas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

NASCIMENTO, Dilene Raimundo do. As pestes do século XX: tuberculose e Aids no Brasil, uma história comparada. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

_________. Narrativa autobiográfica: a experiência do adoecimento por Aids. Caicó, Mneme – Revista de Humanidades, V. 07. N. 17, ago./set. de 2005.

POLLAK, Michael. L’Expérience concentrationnaire. Essai sur le maintien de l’identité sociale. Paris: Métailié, 1990a.

______. Os homossexuais e a Aids: sociologia de uma epidemia. São Paulo: Estação Liberdade, 1990b.

SCAVONE, Lucila. O trabalho das mulheres pela saúde: cuidar, curar, agir. IN: VILELLA, W.; MONTEIRO, S. (ORG.). Gênero e Saúde: Programa Saúde da Família em questão. São Paulo: Associação Brasileira de Saúde Coletiva — Abrasco; Fundo de População das Nações Unidas — UNFPA, 2005.

TRONCA, Ítalo. As máscaras do medo: lepra e aids. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2000.

VIANNA, Eliza da Silva. “Alguma coisa aconteceu comigo”: a experiência soropositiva nas obras de Caio Fernando Abreu e Hervé Guibert (1988 – 1996). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Fundação Oswaldo Cruz. Casa de Oswaldo Cruz: Rio de Janeiro, 2014.

Publicado
2021-12-14
Como Citar
da Silva Vianna, E. (2021). "Só as mães são felizes": maternidade e experiência com a Aids. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(2), 49-74. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i2.1020