A “comissão de profilaxia” e a produção de uma bioestatística sobre a saúde e a doença nos canteiros de obras da IFOCS (1932-1934)

Palavras-chave: História das doenças, (Bio)estatística, História dos Sertões, IFOCS

Resumo

O artigo analisa a documentação produzida a partir da experiência de campo de médicos e enfermeiras nas obras da IFOCS (açudes e estradas) durante a seca de 32 nos estados do Ceará (1º. Distrito) e Rio Grande do Norte e Paraíba (2º. Distrito das Secas). Consiste na leitura do “Relatório da Comissão Médica de Assistência aos Flagelados do Nórdeste de 1933”, que trata da avaliação, planejamento e ações voltadas para o enfrentamento das situações endêmicas e doenças nos canteiros de obras de açudagem e estradas que resultaram numa produção bioestatística. Ao analisar o quadro nosológico da região, a precária educação sanitária e as aglomerações de trabalhadores, a Comissão concluiu, entre as várias providências, pela necessidade de organização de instruções para a instalação da assistência médica e profilática, além da vacinação oral tifo-disentérica nos canteiros de obras e cuidados voltados à primeira infância.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Juciene Batista Félix Andrade. Os Sertões em Debate: Fronteiras, Secas e Instituições. Revista Projeto História, São Paulo, v. 69, p. 275-311, set-dez. de 2020. Disponível em: v. 69 (2020) (pucsp.br). Acesso em 29 mar. 2021.

BARBOSA, Orris. Secca de 32: Impressões sobre a crise Nordestina. Rio de Jeneiro: Adersen- editores, 1935.

BARROS, Luitgarde Oliveira Cavalcanti. Valentia e Identidade Cultural. p. 55-84. In: _____. A Derradeira Gesta: Lampião e Nazarenos Guerreando no Sertão. 3. ed. Rio de Janeira, MAUAD, 2000.

BRASIL, Ministério da Viação e Obras Públicas/IFOCS, Relatório da Comissão Médica de Assistência e Profilaxia aos Flagelados do Nordeste ano de 1933. Rio de Janeiro: Heitor Ribeiro e CIA, 1936.

BRASIL, Ministério da Viação e Obras Públicas/IFOCS. Relatório dos trabalhos realizados no triênio (1931-1933). Fortaleza/CE: Tipografia Minerva, 1934.

CASTRO, Josué. Geografia da Fome: pão ou aço. 10 ed. Rio de Janeiro: Antares, 1984.

FERREIRA, Luciana de Moura. A Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza: acolhimento de enfermos e educação para a saúde pública (1869-1889). Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Ceará, Fortaleza, 2017.

FONSECA, Cristina Maria Oliveira. Constituições de Políticas de Saúde no Brasil: modelos de inclusão social. p. 25-61. In:_____. Saúde no Governo Vargas (1930-1945): dualidade institucional de um bem público. Rio de Janeiro: Editora Fio Cruz, 2007.

GUERRA, Paulo de Brito. A Civilização da Seca: O Nordeste é uma história mal contada. Fortaleza: DNOCS, 1981.

HOCHMAN, Gilberto. Quando a Saúde se torna Pública: Formação do Estado e Políticas de Saúde no Brasil. p. 21-87. In:_____. A Era do Saneamento. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 2012.

MORAIS, Kleiton de Sousa. O Progresso Descobre o Sertão: A Inspetoria de Obras Contra as Secas (1909-1918). São Paulo: Alameda, 2018.

LÖWY, Ilana. A Febre Amarela e a “Saúde Pública” Norte Americana: A Fundação Rockefeller no Brasil (1920-1945). p. 133-195. In: ____. Vírus, Mosquitos e Modernidade: a febre amarela no Brasil entre ciência e política. Rio de Janeiro: Editora Fio Cruz, 2006.

NEVES, Frederico de Castro. A Multidão e a História: saques e outras ações de massas no Ceará. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Fortaleza, CE: Secretaria da Cultura e do Desporto, 2000.

PORTO, Paloma. Regimes de Prova: a presença do laboratório no combate a Febre Amarela no Nordeste brasileiro (1916-1930). p. 345-367. In: SOUZA, Christiane Maria Cruz de; SILVA, Maria Elisa Lemos Nunes da; BATISTA, Ricardo dos Santos. Quando a História encontra a Saúde. São Paulo: HUCITEC, 2020.

RIOS, Kênia Sousa. Isolamento e Poder: Fortaleza e os campos de concentração na seca de 1932. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2014.

ZAROS, Lilian Giott; MEDEIROS, Henrique Rocha de. Bioestatística. 2. Ed. Natal: EDUFRN, 2011.

Publicado
2021-12-15
Como Citar
Andrade, J. (2021). A “comissão de profilaxia” e a produção de uma bioestatística sobre a saúde e a doença nos canteiros de obras da IFOCS (1932-1934). Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(2), 161-184. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i2.1021