LITERATURA, ARQUIVO E DOCUMENTO EM LEONARDO SCIASCIA E JUAN RODOLFO WILCOCK

  • Kelvin Falcão Klein Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO
Palavras-chave: Literatura, Arquivo, Documento, Leonardo Sciascia, Juan Rodolfo Wilcock

Resumo

O objetivo do artigo é refletir sobre as relações possíveis entre literatura, arquivo e documento no contexto da literatura italiana da década de 1970. Para fins de análise e contextualização, foram selecionadas obras de dois autores italianos atuantes no período: Leonardo Sciascia (La scomparsa di Majorana) e Juan Rodolfo Wilcock (La Sinagoga degli Iconoclasti). A proposta do artigo é postular que, quando surge no texto literário, o arquivo leva consigo uma carga de ambivalência: oferece tanto a dimensão pesada daquilo que permanece (daquilo que é registrado e mantido ao longo do tempo) quanto a dimensão emancipadora daquilo que pode ser descoberto, de elementos que estão registrados mas que permanecem invisíveis ou recalcados. O arquivo, portanto, oscila nessa dupla inscrição cultural – é tanto esfera do encobrimento quanto possibilidade de emergência do inesperado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Che cos’è reale? La scomparsa di Majorana. Vicenza: Neri Pozza, 2016.

BARTHES, Roland. La préparation du roman I et II. Cours et séminaires au Collège de France (1978-1979 et 1979-1980). (Org. Nathalie Léger). Paris: Éditions du Seuil/ IMEC, 2003.

BOURBOTTE, Jeremías. «El caos» de Juan Rodolfo Wilcock, in Castilla. Estudios de Literatura, 8, 2017, p. XXXIV-XXXVI.

CODEBÒ, Marco. Narrating from the Archive: novels, records, and bureaucrats in the modern age. Nova Jersey: Fairleigh Dickinson Univ Press, 2010.

DE CERTEAU, Michel. La Possession de Loudun. Paris: Gallimard / Folio, 2005.

DERRIDA, Jacques. Mal de Arquivo. Uma Impressão Freudiana. Tradução de Claudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O anacronismo fabrica a história: sobre a inatualidade de Carl Einstein. Tradução de Maria Ozomar Ramos Squeff. In: ZIELINSKY, Mônica (ed). Fronteiras. Arte, crítica e outros ensaios. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003, p. 19-53.

ERIBON, Didier. Michel Foucault, 1926-1984. Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

ESPOSITO, Salvatore. La cattedra vacante: Ettore Majorana, ingegno e misteri. Nápoles: Liguori, 2009.

FARGE, Arlette. O sabor do arquivo. Tradução de Fátima Murad. São Paulo: Edusp, 2009.

FERRANTE, Florencia. “Paradossi, pulci cinesi, e altri scandali della logica: appunti per un percorso borgeano attraverso gli scritti giornalistici di Juan Rodolfo Wilcock”. Rassegna iberistica, n. 111, p. 101-117, 2019.

FINZI, Roberto. Ettore Majorana. Un’indagine storica. Roma: Edizioni di Storia e Letteratura, 2002.

FOSTER, Hal. O retorno do real: a vanguarda no final do século XX. Tradução de Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FOUCAULT, Michel. A vida dos homens infames. In: ______. Ditos e escritos, v. IV. 2. ed. Organização, seleção de textos e revisão técnica de Manoel Barros da Motta; tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. v. IV: Estratégia, poder-saber, p. 203-222.

GIALLORETO, Andrea. I cantieri dello sperimentalismo. Wilcock, Manganelli, Gramigna e altro Novecento. Milão: Jaca Book, 2013.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. Tradução de Rosa Freire d’Aguiar e Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GIUDICE, Gaspare. “Le citazioni di Leonardo Sciascia”. Belfagor 46.3, 1991, p. 329-332.

HONESKO, Vinícius Nicastro. “Sobre o governo do real: a vida nos domínios do capitalismo informacional”. Revista Profanações, 5.1, 2018, p. 24-38.

JABLONKA, Ivan. O terceiro continente. Tradução de Alexandre de Sá Avelar. ArtCultura, v. 19, n. 35, p. 9-17, jul.-dez. 2017.

KLEIN, Kelvin Falcão. Wilcock, ficção e arquivo. Rio de Janeiro: Editora Papéis Selvagens, 2018.

Klein, Kelvin Falcão. “Vidas célebres, vidas minúsculas: Vasari, Foucault, Michon” Aletria: Revista de Estudos de Literatura 24.3, 2014, p. 39-52.

KLEIN, Kelvin Falcão. “Fabricação do presente em Juan Rodolfo Wilcock”. Revista Landa (Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC), 2013, p. 57-70.

LACAPRA, Dominick. History in Transit: Experience, Identity, Critical Theory. Ithaca; Londres: Cornell University Press, 2004.

RANCIÈRE, Jacques. A noite dos proletários: arquivos do sonho operário. Tradução de Marilda Pereira. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SCIASCIA, Leonardo. Majorana desapareceu. Tradução de Mário Fondelli. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

SCIASCIA, Leonardo. La corda pazza. Scrittori e cose della Sicilia. Turim: Einaudi, 1982.

STEEDMAN, Carolyn. Dust: The Archive and Cultural History. Nova Jersey: Rutgers University Press, 2002.

STEEDMAN, Carolyn. “Something she called a fever: Michelet, Derrida, and dust” The American Historical Review, 106.4, 2001, p. 1159-1180.

WILCOCK, J. Rodolfo. La sinagoga degli iconoclasti. Milão: Adelphi, 2014.

Publicado
2021-06-28
Como Citar
Falcão Klein, K. . (2021). LITERATURA, ARQUIVO E DOCUMENTO EM LEONARDO SCIASCIA E JUAN RODOLFO WILCOCK. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(1), 82-106. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1052