DESCIDA AO INFERNO

IDENTIDADE, MOBILIDADE E FORMAÇÃO EM A VIDA MENTIROSA DOS ADULTOS, DE ELENA FERRANTE

Palavras-chave: A vida mentirosa dos adultos, Elena Ferrante, romance de formação, catábase

Resumo

O artigo propõe-se a discutir o modo como os temas da formação, identidade e mobilidade social são figurados no romance A vida mentirosa dos adultos [La vita bugiarda degli adulti] (2019), de Elena Ferrante. Assumindo uma perspectiva que coloca no centro do procedimento analítico a historicidade do gênero romanesco, argumenta-se que, ao figurar esses três temas a partir das metáforas da catábase e da Queda, apropriadas às tradições poéticas clássica e judaico-cristã, o romance de Ferrante parodia – e, portanto, subverte – as formas do romance realista moderno e da tradição do Bildungsroman, de modo a levá-las ao limite, inverter seus pressupostos e, eventualmente, rompê-las.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALSOP, Elizabeth. Femmes Fatales: ‘La Fascinazione Di Morte’ in Elena Ferrante's L'amore Molesto and I Giorni Dell'abbandono, Italica, 91, no. 3, 2014, p. 466-85.

AUERBACH, Erich. “A cicatriz de Ulisses”. In: Mimesis. A representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1976.

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do romance II: As formas do tempo e do cronótopo. São Paulo: Editora 34, 2018.

BAKHTIN, Mikhail. “O romance como gênero literário”. In. Teoria do romance III: o romance como gênero literário. São Paulo: Editora 34, 2019.

BAKTHIN, Mikhail. O romance de educação e sua importância na história do realismo. In. Estética da criação verbal. Martins Fontes, 2011.

BULLARO, Grace Russo. The Era of the “Economic Miracle” and the Force of Context in Ferrante’s My Brilliant Friend. In. BULLARO, Grace Russo; LOVE, Stephanie V. (orgs.). The Works of Elena Ferrante: Reconfiguring the Margins. Nova York: Palgrave Macmillan US, 2016. DOI: https://doi.org/10.1057/978-1-137-57580-7_2

CHARBEL, Felipe. Ficção histórica e as transformações do romance contemporâneo. In. CHARBEL, Felipe, GUSMÃO, Henrique Buarque e LARANGEIRA, Luiza (orgs.). As formas do romance. Rio de Janeiro: Ponteio, 2016.

FERRANTE, Elena. A amiga genial. (Tradução de Maurício Santana Dias). São Paulo: Biblioteca Azul, 2015.

FERRANTE, Elena. Um amor incômodo. (Tradução de Marcello Lino). Rio de Janeiro: Intrínseca, 2017.

FERRANTE, Elena. Frantumaglia: os caminhos de uma escritora. (Tradução de Marcello Lino). Rio de Janeiro: Intrínseca, 2017.

FERRANTE, Elena. A vida mentirosa dos adultos. (Tradução de Marcello Lino). Rio de Janeiro: Intrínseca, 2020.

FUSILLO, Massimo. Sulla smarginatura. Tre punti-chiave per Elena Ferrante, Allegoria, n. 73, genaio-giugno 2016, p. 148-153.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister. São Paulo: Editora 34, 2009.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Depois de 1945. Latência como origem do presente. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

HOMERO. Odisseia. (Tradução de Christian Werner). São Paulo: Cossac Naify, 2014.

JEFFERS, Thomas L. Apprenticeships: The Bildungsroman from Goethe to Santayana. New York, NY: Macmillan, 2005. DOI: https://doi.org/10.1057/9781403979155

KERMODE, F. A Sensibilidade Apocalíptica. Lisboa: Edições Século XXI, 1997.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Puc-Rio, 2006.

LOVE, Stephanie. An Educated Identity: The School as a Modernist Chronotope in Ferrante’s Neapolitan Novels. In: BULLARO, Grace Russo; LOVE, Stephanie V. (orgs.). The Works of Elena Ferrante: Reconfiguring the Margins. Nova York: Palgrave Macmillan US, 2016. DOI: https://doi.org/10.1057/978-1-137-57580-7_4

MAAS, Wilma Patricia. O cânone mínimo. O Bildungsroman na história da literatura. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

MAZZARI, Marcus Vinicius; MARKS, Maria Cecília Marks. Romance de formação. Caminhos e descaminhos do herói. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2020.

MAUSS, Marcel. “Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a de ‘eu’”. In. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

MORETTI, Franco. Romance de Formação. São Paulo: Todavia, 2020.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa: a configuração do tempo na narrativa de ficção. (vol. 2). São Paulo: Martins Fontes, 2010.

RICOEUR, Paul. “Identidade pessoal e identidade narrativa”. In. ____. O si mesmo como outro. São Paulo: Martins Fontes: 2014.

ROGATIS, Tiziana de. Metamorphosis and Rebirth: Greek Mithology and Initiation Rites in Elena Ferrante’s Troubing Love. In: BULLARO, Grace Russo; LOVE, Stephanie V. (orgs.). The Works of Elena Ferrante: Reconfiguring the Margins. Nova York: Palgrave Macmillan US, 2016.

SIMMEL, Georg. O conceito e a tragédia da cultura, Crítica Cultural – Critic, Palhoça, SC, v. 9, n. 1, jan.-jun. 2014. DOI: https://doi.org/10.19177/rcc.v9e12014145-162

SILVA MELLO, Luiza Larangeira da. O romance desmarginado: A função do fim e a figuração do tempo na série napolitana, de Elena Ferrante. In: (Org.) CHARBEL, Felipe; DUARTE, João; KLEIN, Kelvin; SILVA MELLO, Luiza Larangeira da. Reinvenções da narrativa: ensaios de história e crítica literária. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 2019.

TRILLING, Lionel. Costumes, Moral e Romance. In. A imaginação liberal: ensaios sobre a relação entre literatura e socieldade. São Paulo: É Realizações, 2015.

TURIN, Rodrigo. A polifonia do tempo: ficção, trauma e aceleração no Brasil contemporâneo, ArtCultura, Uberlândia, v. 19, n. 35, jul.-dez. 2017, p. 55-70. DOI: https://doi.org/10.14393/ArtC-V19n35-2017-2-05

WAIZBORT, Leopoldo. A passagem do três ao um: crítica literária, sociologia, filologia. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

WHITE, Hayden, O passado prático. ArtCultura, Uberlândia, v. 20, n. 37, 2018, p. 9-19. DOI: https://doi.org/10.14393/artc-v20-n37-2018-47235

Publicado
2021-06-28
Como Citar
Larangeira da Silva Mello, L. . (2021). DESCIDA AO INFERNO: IDENTIDADE, MOBILIDADE E FORMAÇÃO EM A VIDA MENTIROSA DOS ADULTOS, DE ELENA FERRANTE. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(1), 131-154. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1054