CAROLINA MARIA DE JESUS

UM OLHAR PARTICULAR SOBRE O MUNDO

  • Aparecida Darc de Souza Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE
  • Sara Munique Noal Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE
Palavras-chave: Literatura, História, Trabalhadores, Carolina Maria de Jesus

Resumo

O objetivo deste artigo é abordar o ato de escrever como expressão contraditória do pensamento e da experiência de Carolina Maria de Jesus. A sua visão severa da pobreza, da fome, da indigência e do trabalho precário e informal tem recebido razoável atenção em muitos estudos de diversas áreas, fato que fez e faz de suas narrativas autobiográficas fontes para discussão e problematização da vida dos trabalhadores muito pobres na história do Brasil durante o período de 1940-1970. As suas narrativas abriram e abrem possibilidades para acessar importantes dimensões da vida e do trabalho em um universo histórico tão precário que representava o degrau mais baixo na estratificação social da época. Saber ler, escrever e elaborar narrativas do cotidiano tornou peculiar a presença de Carolina na história do Brasil, em especial na história social do trabalho. A literatura produzida por Carolina esteve interessada diretamente em expressar a sua visão de mundo, a sua visão sobre si mesma e de como gostaria de ser vista. Foi assim que ela traduziu o mundo dos trabalhadores de que fez parte. Por essa razão, cabe aprofundar o sentido autobiográfico de seus escritos em uma realidade marcada por amplo analfabetismo entre os trabalhadores que viviam em condições semelhantes àquelas vividas por Carolina Maria de Jesus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

BLOCH, Marc L. B. Apologia da História, ou, o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorde Zahar Ed, 200.

BRETTAS, Anderson C. F. Eurípedes Barsanulfo e o Colégio Allan Kardec. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, 2006, 244f.

CHALHOUB, S. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da belle époque. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2001.

FARIAS, Tom. Carolina: uma biografia. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

FERNANDEZ, Raffaella Andréa. Processo criativo nos manuscritos do espólio literário de Carolina Maria de Jesus. Tese (Doutorado em Teoria e História Literária). Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Unicamp. Campinas, 2015.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. São Paulo: Paz e Terra S. A, 1986.

JESUS, Carolina Maria de. Diário de Bitita. São Paulo: Sesi -SP Editora, 2014ª.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de Despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 2014b.

KREIDLOW, Daniel; FERRARO, Alceu Ravanello. Analfabetismo no Brasil: configuração e gênese das desigualdades regionais. Revista Educação e Realidade, UFRGS, v. 29, n. 2, 2004.

LEVI, Giovanni. Usos da biografia. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1996.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; LEVINE, Robert M. Cinderela Negra: a saga de Carolina Maria de Jesus. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1994.

RIBEIRO, Maria Luisa Santos. História da educação brasileira. São Paulo: Cortez Autores Associados, 1992.

SANTANA, Djanira Ribeiro. Legislação e políticas públicas para a educação no Brasil: o lugar da educação infantil neste contexto. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, Goiânia, vol.7, n. 12; 2011.

THOMPSON, E. P. Os Românticos. A Inglaterra na era revolucionária. São Paulo: Civilização Brasileira, 2002.

Publicado
2021-06-28
Como Citar
Darc de Souza, A. ., & Noal, S. M. . (2021). CAROLINA MARIA DE JESUS: UM OLHAR PARTICULAR SOBRE O MUNDO. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(1), 155-174. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1055