OS TUPINAMBÁ NA ILHA DO MARANHÃO

A RELAÇÃO ENTRE CULTURA MATERIAL, NATUREZA E ECONOMIA DOS INDÍGENAS SOB A ÓTICA DE CLAUDE D’ABBEVILLE E YVES D’ÉVREUX

  • Alexandre Guida Navarro Universidade Federal do Maranhão – UFMA https://orcid.org/0000-0001-8223-2144
  • Yuri Givago Alhadef Sampaio Mateus Universidade Federal do Maranhão – UFMA
  • Karen Cristina Costa da Conceição Universidade Federal do Maranhão – UFMA
  • Adriana Dourado Oliveira Universidade Federal do Maranhão – UFMA
Palavras-chave: Tupinambá, Maranhão, Economia, Adaptação Ecológica, Cultura Material

Resumo

Este artigo tem por finalidade discutir e caracterizar a cultura material presente nas crônicas de Yves D’Évreux e Claude D’Abbeville, relacionando-a com o meio ambiente e com as estratégias de adaptação que estes utilizavam para obter os meios necessários à sobrevivência, também discute como este processo foi operacionalizado dentro da economia indígena. Dessa forma, inicialmente mostra-se como se deu o contato dos franceses com os nativos da Ilha do Maranhão, posteriormente elenca-se sua cultura material e a associa com o meio ambiente, para inferir como os artefatos foram produzidos a serviço de atender uma economia de subsistência que estava ecologicamente bem adaptada e que atendia, portanto, aos interesses produtivos naturais dos Tupinambá.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses Indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Editora FGV, 2003.

BOSCHI, Caio. Catálogo dos Manuscritos avulsos relativos ao Maranhão, existentes no Arquivo Histórico Ultramarino (Lisboa). São Luís: FUNCMA/AML, 2002.

BUENO, Magali Franco. A natureza como representação da Amazônia. In: Espaço e Cultura, UERJ, RJ, n. 23, jan./jun. DE 2008.

CARDOSO, Alírio. A conquista do Maranhão e as disputas atlânticas na geopolítica da União Ibérica (1596-1626). Revista Brasileira de História, v. 31, nº 61, 2011.

CARNEIRO DA CUNHA, M. Introdução a uma história indígena. In: CUNHA, M. História dos Índios do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, (2ª edição, 6ª reimpressão), 2009.

CERTEAU, Michael de. A escrita da história. 3 ed.; Rio de Janeiro: Forense, 2011.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Povoamento, Ocupação e Agricultura na Amazônia Colonial (1640-1706). Belém: Ed. Açaí/Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia (UFPA), 2010.

COELHO NETTO, Eloy. Geo-História do Maranhão. São luís, SIOGE, s.d.ilust, 1985.

CONCEIÇÃO, Karen Cristina C. da. Cerâmica Tupinambá na Ilha do Maranhão: A Tradição Tupiguarani e as Narrativas Históricas. 101 f. Monografia (Graduação) - Curso de História, Universidade Federal do Maranhão - UFMA, 2016.

CONCEIÇÃO, Karen Cristina C. da. De feiticeiras diabólicas a auxiliares na empresa missionaria: as atuações das mulheres Tupinambá no Maranhão franco-ameríndio. São Luís: EDUFMA, 2019.

D’ABBEVILLE, Claude. História da missão dos padres Capuchinhos na ilha do Maranhão e suas circunvizinhanças; em que se trata das singularidades admiráveis e dos costumes estranhos dos índios habitantes do país. Tradução de Sergio Milliet. São Paulo: Livraria Martins Editôra, 1945.

D’ABBEVILLE, Claude. História da missão dos padres capuchinhos na Ilha do Maranhão e circunvizinhanças. São Paulo: Siciliano, 2002.

D’ÉVREUX, Yves de. Viagem ao norte do Brasil feita nos anos de 1613 a 1614. São Paulo: Siciliano, 2002.

DAHER, Andrea. A Conversão dos tupinambá entre Oralidade e Escrita nos Relatos Franceses dos Séculos XVI e XVII. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 10, n. 22, p. 67-92, jul./dez. 2004.

DAHER, Andrea. O Brasil francês – As singularidades da França Equinocial, 1612 a 1615. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

FERNANDES, Florestan. Organização social dos Tupinambá. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1963.

FUNAI. Manual de Redação Oficial da Fundação Nacional do Índio. Brasília: Dages, 2016.

GRUZINSKI, S. O pensamento mestiço. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

HERMANN, Jacqueline. Tratado de Tordesilhas. In: VAINFAS, Ronaldo (Org). Dicionário do Brasil Colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000b.

LACROIX, Maria de Lourdes L. A fundação francesa de São Luís e seus mitos. 3. ed. São Luís: Editora UEMA, 2008.

LEÓN-PORTILLA, M. Visión de los vencidos. Relaciones indígenas de la Conquista. México: UNAM, 1984.

LIMA, Carlos de. História do Maranhão. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal, 1981.

LIMA, FLÁVIA PEDROZA. Tradições astronômicas tupinambás na visão de Claude D’Abbeville. In: REVISTA DA SBHC, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 4-19, jan. | jun. 2005.

MARIZ, Vasco et al. La Ravardière e a França Equinocial: os franceses no Maranhão (1612 -1615). Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

MEIRELES, Mário. História do Maranhão. 5. ed. São Luís: Edições AML, 2015.

MONTEIRO, John Manuel. Brasil indígena no século XVI: Dinâmica histórica tupi e as origens da sociedade colonial. Ler História.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da Terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

NAVARRO, Alexandre Guida. A América Pré-Colombiana. In: LEITE, Rogério C. (Org.). Memória e Altar. Brasília: Ministério da Cultura/CPFL, 2009, p. 103-179.

NAVARRO, Alexandre. G.; LIMA, M. M. Eucaristia antropofágica: o caso de Hans Staden. Politéia (UESB), v. 12, 2012.

NAVARRO, Alexandre Guida. As cidades lacustres do Maranhão: as estearias sob um olhar histórico e arqueológico. Diálogos (On-line), v. 21, 2017.

NAVARRO, Alexandre G.; JÚNIOR, José de Sousa e S. Cosmologia e adaptação ecológica: o caso dos apliques-mamíferos das estearias maranhenses (no prelo).

NOELLI, F.; Brochado, J. O cauim e as beberragens dos Guarani e Tupinambá: equipamentos, técnicas de preparação e consumo. São Paulo: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 8: 117-128, 1998.

OBERMEIER, Franz. Documentos inéditos para a história do Maranhão e do Nordeste na obra do capuchinho francês Yves d’Évreux Suitte de I´ histoire (1615) Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, sér. Ciências Humanas, Belém, v. 1, n. 1, p. 195-251, jan-abr. 2005.

OLIVEIRA, Luciana de Fátima. A importância dos Tupinambá na formação da vila de Bragança – Estado do Grão Pará: 1740-1760. Anais. In. XIII Encontro Nacional de História -Anpuh, 2011.

PESAVENTO, Sandra. História e História Cultural. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

RAMINELLI, Ronald. Frei Claude d’Abbeville. In: VAINFAS, Ronaldo (Org). Dicionário do Brasil Colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000a.

RAMINELLI, Ronald. Frei Yves d’Evreux. In: VAINFAS, Ronaldo (Org). Dicionário do Brasil Colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000b.

RAMINELLI, Ronald. Índios. In: VAINFAS, Ronaldo (Org). Dicionário do Brasil Colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000c.

RAMINELLI, Ronald. Invasões Francesas. In: VAINFAS, Ronaldo (Org). Dicionário do Brasil Colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000d.

RAMINELLI, Ronald. La Ravardière. In: VAINFAS, Ronaldo (Org). Dicionário do Brasil Colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000e, p. 342.

RAMINELLI, Ronald. Tupinambá. In: VAINFAS, Ronaldo (Org). Dicionário do Brasil Colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000f.

RIBEIRO, B. O índio na história do Brasil. São Paulo: Global Editora, 1983.

RINALDI, Lucinéa. Cronistas de Viagem e Viajantes Cronistas: O Pêndulo da Representação no Brasil Colonial. 107 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Literatura Brasileira, Universidade de São Paulo - USP, 2007.

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos Internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

STEDILE, João Pedro (org.) A Questão Agrária no Brasil. O debate tradicional 1500-1960. São Paulo: Expressão popular, 2005.

TODOROV, T. La conquista de América: el problema del otro. México: Siglo XXI, 1987.

TORRÃO FILHO, Amilcar; CAIRES, Daniel Rincon. A alma de uma cidade: natureza e cultura na França equinocial na visão de Claude D'Abbeville. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 57, p. 239-263, jul./dez. 2012.

VAINFAS, Ronaldo. Descobertas. In: VAINFAS, Ronaldo (Org). Dicionário do Brasil Colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000ª.

VAINFAS, Ronaldo. Jerônimo de Albuquerque. In: VAINFAS, Ronaldo (Org). Dicionário do Brasil Colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

Publicado
2021-06-28
Como Citar
Guida Navarro, A. ., Givago Alhadef Sampaio Mateus, Y. ., Costa da Conceição, K. C., & Dourado Oliveira, A. (2021). OS TUPINAMBÁ NA ILHA DO MARANHÃO: A RELAÇÃO ENTRE CULTURA MATERIAL, NATUREZA E ECONOMIA DOS INDÍGENAS SOB A ÓTICA DE CLAUDE D’ABBEVILLE E YVES D’ÉVREUX. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(1), 214-235. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1058