“MEU CORDÃO UMBILICAL ESTÁ ENTERRADO LÁ”

O MUNDO-VIVIDO DO QUILOMBO MEL DA PEDREIRA, EM MACAPÁ-AP

  • David Junior de Souza Silva Universidade Federal do Amapá - UNIFAP https://orcid.org/0000-0003-2336-4870
  • Adriana Tenório da Silva Universidade Federal do Amapá - UNIFAP
  • Rosinete Cardoso Ferreira Instituto Federal do Amapá – IFAP
Palavras-chave: transterritorialidade, interculturalidade, reconhecimento, povos tradicionais, Amazônia

Resumo

Este trabalho investiga a estruturação do mundo vivido do Quilombo Mel da Pedreira, localizado do munícipio de Macapá, estado do Amapá. Objetiva compreender as dinâmicas identitárias e culturais que vive a comunidade no presente, em seu processo de reconhecimento como quilombo. A metodologia realizada consistiu de visitas a comunidade e entrevistas com os moradores. Como resultados, identificamos que o mundo vivido do Mel da Pedreira tem se construído na tensão entre o tradicional e as exigências do Estado moderno. Isto se expressa na transterritorialidade, na economia e na religiosidade. Esta tem um significado decisivo: da eficiência da comunidade em desempenhá-la depende a sobrevivência de seu modo de vida e a integridade de seu território.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, M. G. Dilemas territoriais identitários e sítios patrimonializados: os Kalunga de Goiás. In: CASTILHO, Denis; PELÁ, Marcia. Cerrados: perspectivas e olhares. Goiânia: Editora Vieira, 2010, p. 93-108.

ARAÚJO, F. G. B. Saber sobre os homens, saber sobre as coisas: história e tempo, geografia e espaço, ecologia e natureza. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: ED. UFMG, 1998.

BONNEMAISON, J.; CAMBREZY, L. Le lien territorial entre frontières et identités. Géographie et culture. Le territoire, n. 20, 1996, p. 7-18.

BUTTIMER, Anne. 1976. “Grasping the dynamism of lifeworld”. Annals of American Geographers. n.66(2), pp.277-292.

BUTTIMER, Anne. Aprendendo o dinamismo do mundo vivido. In: CHRISTOFOLETTI, A. Perspectivas da geografia. São Paulo: Difel, 1985, pp. 165-193.

CARLOS, A. F. A. 2007. O lugar no/do mundo. São Paulo: Labur Edições.

CORREA, R. L. Espaço, um conceito-chave da geografia. In: CASTRO, I. C.; GOMES, P. C.C.; CORREA, R. L. Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

DAMATTA, R. O ofício do etnólogo ou como ter ‘anthropological blues’. In: NUNES, E. O. (org.). A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

DAMATTA, R. O trabalho de campo como rito de passagem. In: ______. Relativizando: Uma Introdução à Antropologia Social. Petrópolis, Vozes, 1981.

HAESBAERT, R. Multi/Transterritorialidade e ‘contornamento’: do trânsito por múltiplos territórios ao contorno dos limites fronteiriços. In: FRAGA, N. C. (org.). Territórios e Fronteiras – (re)arranjos e perspectivas. Florianópolis: Insular, 2011, p. 15-31.

HAESBAERT, R. Viver no Limite: território e multiterritorialidade em tempos de in-segurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

IMENA – Instituto de Mulheres Negras do Amapá. Terra de Quilombo. Procedimentos para regularização fundiária de Território Quilombola. Macapá: Editora JM, 2005.

LEFEBVRE, H. La production de l’espace. Paris, Ed Anthropos, 1974.

MASSEY, D. Um sentido global do lugar. In: ARANTES, A. O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000, p. 176-85.

MASSEY, D. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MELLO, J. B. F. Valores em geografia e o dinamismo do mundo vivido na obra de Anne Buttimer. Espaço e Cultura, UERJ, 2005, nº19-20, p.33-39.

MORIN, E. Saberes Globais e Saberes Locais: o olhar transdisciplinar. Rio de Janeiro: Garamond, 2001.

OLIVEIRA, R.C. O Trabalho Do Antropólogo: Olhar, Ouvir, Escrever. Revista De Antropologia, 39 (1), 1996, p. 13-37.

PICOUET, P.; RENARD, J.P. La complexité du monde vue de la frontière. Le Monde vu à la Frontière, 2001, 21-34. Paris: L'Harmattan.

RATZEL, F. A Antropogeografia de Ratzel: Indicações. In: MORAES, A. C. R (org.). Ratzel. São Paulo: Ática, 1990, p. 7-29.

SANTOS, M. Por uma geografia nova. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1980.

SILVA, A.G.S. Culturas desviantes: as espacialidades das comunidades ribeirinhas do Vale do Guaporé (Rondônia). 2011. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-ambientais. Goiânia.

SOUZA, M. L. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SUERTEGARAY, D. M. A. Notas sobre Epistemologia da Geografia. Cadernos Geográficos, nº12, 2005.

VELHO, Gilberto. Observando o familiar. In: NUNES, E. O. (org.). A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

WEIL, S. O enraizamento: prelúdio para uma declaração dos deveres para com o ser humano. São Paulo: EDUSC, 2008.

Publicado
2021-06-28
Como Citar
Junior de Souza Silva, D. ., Tenório da Silva, A. ., & Cardoso Ferreira, R. (2021). “MEU CORDÃO UMBILICAL ESTÁ ENTERRADO LÁ”: O MUNDO-VIVIDO DO QUILOMBO MEL DA PEDREIRA, EM MACAPÁ-AP. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(1), 236-257. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1059