DO SERTÃO AO MODERNO MÉDIO RIO DOCE

OS CAMINHOS DA OCUPAÇÃO DO VALE DO RIO DOCE

Palavras-chave: Sertão, Ocupação, Imaginário

Resumo

Este artigo apresenta o modo pelo qual ocorreu a ocupação do Sertão do Rio Doce Estado de Minas Gerais. Para tanto, trabalha-se com elementos sociais e históricos que vêm desde o século XIX e alguns relatos que constituem o imaginário sobre a região, elaborados desde o Século XVIII. A hipótese central é que o moderno Vale do Rio Doce recebeu as suas características através de ações orientadas para o objetivo de ocupar o Sertão, ações essas que foram amparadas no imaginário cunhado no decorrer período colonial. O movimento de ocupação de tal espaço mesmo no decorrer do século XX, foi amparado no imaginário do sertão como sendo um lugar inóspito, selvagem, vazio, deserto e habitado por selvagens e/ou vadios, preguiçosos e ociosos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Raphael Lorenzeto. Map of Minas Gerais state. Disponível em: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:MinasGerais_MesoMicroMunicip.svg, 2006. Acesso em: 13 dez. 2016.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A invenção do nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 2011.

ALMEIDA, Candido Mendes de. Atlas do Imperio do Brazil comprehendendo as respectivas divisões administrativas, ecclesiasticas, eleitoraes e judiciarias: dedicado a Sua Magestade o Imperador o Senhor D. Pedro II. Rio de Janeiro: Lithographia do Insituto Pholomathico, 1868. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/item/id/179473>. Acesso em: 31 jun. 2016.

AMADO, Janaína. Região, sertão, nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 15 p. 145-151, 1995. Disponível em:http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view-File/1990/1129>. Acesso em: 15 jun. 2015.

BORGES, Maria Elisa Linhares. A recriação de uma fronteira: a luta pela terra no leste de Minas Gerais. Revista de Estudos Políticos, Belo Horizonte, 1991, p. 173-201, 1991, Separata n 73.

CAMBRAIA, Ricardo de Bastos; MELO, Fábio Faria. A colonização dos Sertões do Leste Mineiro: políticas de ocupação territorial num regime escravista (1780-1836). Revista Departamento de História, Belo Horizonte, n. 6, p 137-150, jul. 1988.

CARNEIRO, Patrício Aureliano Silva. Do sertão ao território das Minas e das Gerais: entradas e bandeiras, políticas e formação espacial no período colonial. Tese (Doutorado em Geociências), Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

CAROLA, Carlos Renato. Jeca Tatu e o Processo Civilizador da Família Rural Brasileira. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL PROCESSO CIVILIZADOR, HISTÓRIA E EDUCAÇÃO. 8, 2004. João Pessoa. Anais... João Pessoa: UFP, 2004, 8 p. online.: Disponível em: http://www.uel.br/grupoestudo/processoscivilizadores/portugues/siteanais8/trabalho.htm. Acesso em: 10 jun. 2015.

CARRATO, José Ferreira. Capitania de Minas Gerais nos fins da Era Colonial. [S.I: s.n], 1969. Mapa.

CORSI, Francisco Luiz. Estado Novo: Política Externa e Projeto Nacional. Tese (Doutorado em História). Instituto de Filosofia Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

ESPINDOLA, Haruf Salmen. Sertão, Território e Fronteira: expansão territorial de Minas Gerais na direção do Litoral. Fronteiras: Revista de História, Dourados, v. 10, n. 17, p. 69-96, jan./jun. 2008: Disponível em: http://www.periodicos.ufgd.edu.br/-index.php/FRONTEIRAS/article/view/63. Acesso em: 15 mar. 2015.

______. A História de uma formação socio-econômico urbana: Governador Valadares. Varia História, Belo Horizonte, n. 19, p. 148-163, 1998.

HEIDRICH, Álvaro Luiz. Território socioespacial, região, fragmentação e exclusão social. In: RIBAS, Alexandre Domingos; SPOSITO, Eliseu Savério; SAQUET, Marcos Aurélio. Território e desenvolvimento: diferentes abordagens. Francisco Beltrão: Unioeste, 2004. 35 p. Online. Disponível em: http://labes.weebly.com/uploads/4/2/5/4/42544/territorio-_incluso.pdf Acesso em: 15 mar. 2015.

LAHUERTA, Flora Medeiros. Viajantes e a construção de uma idéia de Brasil no ocaso da colonização (1808-1822). Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, v.10, n. 64, 2018, online. Disponível em: http://www.-ub.edu/geocrit/sn/sn-218-64.htm. Acesso em: 2 set. 2015.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Recenseamento do Brasil em 1872. Rio de Janeiro: Typographia do G. Leuzinger & Filhos, [1872]. Disponível em:http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20%20RJ/-Recenseamento_do_Brazil_1872/Imperio%20do%20Brazil%201872.pdf. Acesso em: 12 dez. 2016.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Synopse do recenseamento de 31 de dezembro de 1890. Rio de Janeiro: Officina da estatistica, 1898. Disponível em: file:///C:/Users/Dell/Downloads/000007221%20(4).pdf. Acesso em: 12 dez. 2016.

MARTINS, José de Souza. Capitalismo e Tradicionalismo: estudos sobre as contradições da sociedade agrária no Brasil. São Paulo: Pioneira, 1975.

MARTINS, José de Souza. O Tempo da Fronteira: o retorno à controvérsia sobre o tempo histórico da frente de expansão e da frente pioneira. Tempo Social: Revista Sociologia, Sãoo Paulo, São Paulo, v. 8, n.. 1, p. 25-70, 1996. Disponível em: http://www.revistas-.usp.br/ts/article/view/86141. Acesso em: 26 jan. 2014.

MINAS GERAES. LEI Nº 2132, de 25 de outubro de 1875. Eleva à categoria de villas as freguezias de Pessanha e S. Miguel e Almas. Disponível em: https://dspace.almg.gov.br/handle/11037/3661. Acesso em: 14 dez. 2016.

MINAS GERAES. LEI Nº 2486, de 9 de Novembro de 1878. Crêa o município de Philadelphia, com a séde na cidade de Theophilo Ottoni. Disponível em:file:///C:/Users/Dell/Downloads/Leis%20Mineiras%2018781881%20%20(2%C2%AAparte)%20(1).pdf. Acesso em: 14 dez. 2016.

MIRANDA, Luiz Francisco Albuquerque de. Os primordios do Jeca: os caipiras nos relatos de viagem. In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA, 18. 2006. Assis. Anais... Assis: UNESP-ANPUH, 2006.

MONTEIRO, J.; OLIVEIRA, F. de. Novo Atlas de Geographia. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Paulo de Azevedo & Cia, 1927.

MORAES, Antonio Carlos Robert. O Sertão. Terra Brasilis, Niterói, n. 4-5. online, abr./maio 2003: Disponível em:<http://terrabrasilis.revues.org/341. Acesso em: 08 jun. 2013.

MORAIS, Michelle Nunes de Morais. Posse e propriedade no Médio Rio Doce – MG: processos administrativos de concessão de terras (1940-1960). Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-graduação em História, Universidade do Vale do Rio do Sinos, São Leopoldo, 2017.

NEUWIED, Maxililliano Príncipe de Wied. Viagem ao Brasil. São Paulo. Rio de Janeiro – Recife – Pôrto Alegre. São Paulo: Editora Nacional,1940. Disponível em:http://www.brasiliana.com.br/obras/viagem-ao-brasil-nos-anos-de-1815-a1817/pagina/-164/texto. Acesso em: 2 jun. 2015.

PAIVA, Adriano Toledo. Conhecimentos do território: as expedição de conquista e as classificações das nações indígenas nos rios Piracicaba e Doce (1765-1800). In: SEMINÁRIO SOBRE ECONOMIA MINEIRA, 15. 2012. Diamantina. Anais... Diamantina: UFMG-CEDEPAR, 2012, online. Disponível em: https://diamantina.cedeplar.ufmg.br/portal/-download/diamantina-2012/conhecimentos_do_territorio.pdf Acesso em: 2 jun. 2015.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Em busca de uma outra história: imaginando o imaginário. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 15, n. 29, p. 9-27, 1995. Disponível em: file:///C:/Users/Dell/Downloads/sandrajatahy%20(1).pdf. Acesso em: 15 fev. 2018.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Editora Ática, 1993.

ROSA, Léa Brígida Rocha de Alvarenga. Companhia Estrada de Ferro de Vitória a Minas. 1976. Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas: Universidade de São Paulo, São Paulo, 1976.

SAINT-HILAIRE, Auguste. Segunda viagem ao interior do Brasil – Espirito Santo. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1936. Disponível em: http://www.brasiliana.-com.br/obras/segunda-viagem-ao-interior-do-brasil-espirito-santo/pagina/5/texto. Acesso em:2 jun. 2015.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem pelas Provincias de Rio de Janeiro e Minas Gerais. São Paulo – Rio de Janeiro – Recife – Porto Alegre. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938. Disponível em:<http://www.brasiliana.com.br/obras/viagem-pelas-provincias-do-rio-de-janeiro-e-minas-gerais-t-1/pagina/7/texto. Acesso em: 02 de junho de 2015.

SOUSA, Gabriel Soares de. Tratado Descriptivo do Brasil em 1587. São Paulo - Rio de Janeiro - Recife - Porto Alegre. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1938. Disponível em:http://www.brasiliana.com.br/obras/tratado-descritivo-do-brasil-em-1587/preambulo/8/-texto. Acesso em: 12 maio 2015.

STEAINS, Wm. John. An Explorationof the Rio Dôce and its Nortern Tributaries (Brazil). In: PROCEEDINS OF THE ROYAL GEOGRAPHICAL SOCIETY, v. 10, n. 2, 1888 (16 jan.). Online. Disponível em:http://www.etnolinguistica.org/search:site/q/Steains. Acesso em: 4 abr. 2012.

VILARINO, Maria Terezinha Bretas. Entre Lagoas e Florestas: atuação do Serviço Especial de Saúde Pública (SESP) no saneamento do Médio Rio Doce: 1942-1960. 2008. Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

Publicado
2021-06-28
Como Citar
Nunes de Morais, M. (2021). DO SERTÃO AO MODERNO MÉDIO RIO DOCE: OS CAMINHOS DA OCUPAÇÃO DO VALE DO RIO DOCE. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(1), 293-309. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1062