A INCREDULIDADE FRENTE À MALDADE NO HOLOCAUSTO

CHOQUE DAS VÍTIMAS, PROVEITO DOS ALGOZES E REVISIONISTAS

  • Sofia Débora Levy Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO https://orcid.org/0000-0002-8311-2248
  • Francisco Ramos de Farias Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO
Palavras-chave: Holocausto, Perversidade, Incredulidade, Revisionismo

Resumo

O grau de maldade perpetrada pelos nazistas no Holocausto foi de tamanha perversidade que chega a gerar reações de incredulidade naqueles que lá não estiveram. Desde aquele período, essa descrença foi utilizada pelos nazistas como salvo-conduto para suas ações destrutivas. Estarrecidas, as vítimas tinham que encontrar recursos para superar o choque e se manter de pé. Depois da guerra, os sobreviventes buscam colocar em palavras suas dores, enfrentando essa incredulidade como meio de combater os grupos revisionistas que dela se aproveitam para distorcer a história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAHAM, Ben. Holocausto. São Paulo: WG Comunicações e Produções, 1976. 160. p.

ABRAHAM, Ben. Izkor. São Paulo: Parma, 1979. 81. p.

ABRAHAM, Ben. “O Anjo da Morte”: Dossiê Mengele. São Paulo: Sherit Hapleitá do Brasil, 1985. 111. p.

ABRAHAM, Ben. Janusz Korczak: coletânea de pensamentos. São Paulo: Associação Janusz Korczak do Brasil, 1986. 164. p.

ABRAHAM, Ben. Diário de um repórter. São Paulo: Sherit Hapleitá do Brasil, 1989. 180. p.

ABRAHAM, Ben. Memórias: retrospectiva dos fatos. São Paulo: Sherit Hapleitá do Brasil, 1996. 380. p.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Diagrama & Texto, 1983. 314. p.

BETTELHEIM, Bruno. Sobrevivência e outros estudos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989. 401. p.

DENIAL. Direção: Mick Jackson. Produção: Russ Krasnoff; Gary Foster; Celia Duval. Intérpretes: Rachel Weisz; Tom Wilkinson; Timothy Spall e outros. Roteiro: David Hare e Deborah Lipstadt. Culver City: Sony Pictures, 2016. 1 bobina cinematográfica (110 min.), son., color, 35 mm.

FAINGOLD, Reuven. Shoá: revisão ou negação: o mito dos seis milhões. Morashá, n.71, abr. 2011. Disponível em: http://www.morasha.com.br/holocausto/revisao-ou-negacao-o-mito-dos-seis-milhoes.html#q=reuven faingold. Acesso em: 25 fev. 2020.

GALLE, Helmut. Anständig geblieben: sobre a autoimagem nas memórias de perpetradores nazistas. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio; GINZBURG, Jaime; HARDMAN, Francisco Foot. (ed.). Escritas da violência. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012. v. 1, p. 90-106.

GILBERT, Martin. O Holocausto: história dos judeus na Europa na segunda guerra mundial. 2 ed. São Paulo: Hucitec, 2010. 1022. p.

GRINBAUM, Victor. A inesperada voz da razão. Menorah, Rio de Janeiro, n. 668, p. 10-21, maio 2015.

HERSCOVICI, Betty; CASTRO, Malu de. Transnistria: o destino de uma sobrevivente do Holocausto. São Paulo: Humanitas, 2014. 222. p.

HÖSS, Rudolph. Death dealer: the memoirs of the SS Kommandant at Auschwitz. Buffalo: Prometheus Books, 1992. 390. p.

LEVI, Primo. Os afogados e os sobreviventes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.126. p.

LEVY, Sofia Débora. Holocausto: vivência e retransmissão. São Paulo: Perspectiva, 2014. 216. p.

O GLOBO. Falas racistas fazem Frente Nacional expulsar fundador. O Globo, Rio de Janeiro, Mundo, p. 29, 21 ago. 2015.

POLLAK, Michael. A gestão do indizível. Webmosaica - Revista do Instituto Cultural Marc Chagal, Porto Alegre, v. 2, n.1, p. 9-49, jan./jun. 2010.

ROUDINESCO, Elisabeth. A parte obscura de nós mesmos: uma história dos perversos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008. 222. p.

ROZENBERG, Samuel. Codinome: Paul Allain: memórias de um sobrevivente do Holocausto. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo/Garamond, 2004. 124. p.

TODOROV, Tzvetan. Em face do extremo. Campinas: Papirus, 1995. 350. p.

VERDADE1945. [S.l.: s.n.], 2007. Disponível em: http://www.verdade1945.blogspot.com.br/2007/10/grande-farsa-do-holocausto-judeu.html. Acesso em: 04 jan. 2019.

VIDAL-NAQUET, Pierre. Os assassinos da memória: um Eichmann de papel e outros ensaios sobre o revisionismo. São Paulo: Papirus, 1988. 215. p.

VIGNOLES, Patrick. A perversidade. Campinas: Papirus, 1991. 187. p.

WIESEL, Elie. Palavras de estrangeiro. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1984. 185. p.

WIESENTHAL, Simon. O caçador de nazistas. Rio de Janeiro: Bloch, 1967. 309. p.

Publicado
2021-06-28
Como Citar
Levy, S. D. ., & Ramos de Farias, F. . (2021). A INCREDULIDADE FRENTE À MALDADE NO HOLOCAUSTO: CHOQUE DAS VÍTIMAS, PROVEITO DOS ALGOZES E REVISIONISTAS. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(1), 310-324. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1063