ATUAÇÃO INTELECTUAL NO GOLPE CIVIL-MILITAR DE 1964, O CASO DE JÚLIO DE MESQUITA FILHO

  • Francisco Adriano Leal Macêdo Universidade Federal do Piauí - UFPI
  • Marylu Alves de Oliveira Universidade Federal do Piauí - UPPI
Palavras-chave: Golpe militar, Intelectuais, Júlio de Mesquita Filho

Resumo

O texto problematiza mais uma das perspectivas de época em torno do golpe civil-militar de 1964 e seus desdobramentos. Traçamos considerações sobre o papel do sujeito de posições políticas demarcadas em torno do espectro liberal-conservador, buscando perceber a influência de setores intelectuais como indivíduos envolvidos diretamente nas tramas do golpe e que, posteriormente, sofreram as suas consequências. A fonte principal é um editorial do jornal O Estado de São Paulo intitulado “roteiro da revolução”, publicado em 12 de abril de 1964 pelo proprietário e diretor do periódico, Mesquita Filho, escrito a próprio punho. O argumento se desenvolve tomando noções como força da tradição de Arno Mayer, as reflexões de Reinhart Koselleck sobre os tempos históricos e os postulados de Michel Foucault acerca da consolidação dos regimes de verdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

FONTES

HEMEROGRÁFICAS

ROTEIRO da revolução. O Estado de São Paulo, São Paulo, ano 1875, n. 27.292, p. 144, 12 abr. 1964.

INSTITUIÇÕES em frangalhos. O Estado de São Paulo, São Paulo, ano 1875, n. 28.737, p. 3, 13 dez. 1968.

ENSAIOS

MESQUITA FILHO, Júlio de. Roteiro da Revolução. In: ___________ Política e cultura. São Paulo: Martins Editora, 1969. p. 120-127.

LITERATURA

RIBEIRO, João Ubaldo. Viva o povo brasileiro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

ROSA, Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

VERÍSSIMO, Erico. Incidente em Antares. São Paulo: Companhia das letras, 2006.

SITES CONSULTADOS

FERREIRA. Marieta de Moraes. Júlio de Mesquita Filho. Verbete Biográfico. Disponível em: <http://www.fgv.br/cpdoc/acervo> acessado em 07 de mar. de 2019.

BIBLIOGRAFIA

MONOGRAFIAS

MACÊDO, Francisco Adriano Leal. Nação como retórica: a construção da ideia de Brasil por Júlio de Mesquita Filho (1932-1964). 2018. 115 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura Plena em História) – Universidade Federal do Piauí, Picos, 2018.

LIVROS E CAPÍTULOS DE LIVROS

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009.

BERGSON, Henri. A evolução criadora. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2005.

BRESCIANI, Maria Stella Martins. O charme da ciência e a sedução da objetividade: Oliveira Vianna entre intérpretes do Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

DE LUCA, Tania Regina. A Revista do Brasil: um diagnóstico para a (N)ação. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

FERREIRA, Jorge; GOMES, Angela de Castro. 1964: o golpe que derrubou um presidente, e pôs fim ao regime democrático e instituiu a ditadura no Brasil. Rio de Janeiro: São Paulo, 2014.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução: Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 2012.

___________. Microfísica do poder. Organização e tradução: Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2014.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução: Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2006.

MAYER, Arno. A força da tradição: a persistência do antigo regime (1848-1914). São Paulo: Companhia das letras, 1987.

MONTENEGRO, Antonio Torres. História e memória de lutas políticas. In: MONTENEGRO, Antonio Torres; RODEGHERO, Carla S.; ARAÚJO, Maria Paula. (Org.) Marcas da memória: história oral da anistia no Brasil. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.

MOTA, Carlos Guilherme. História e contra-história: perfis e contrapontos. São Paulo: Globo, 2010.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Introdução à História dos Partidos Políticos brasileiros. 2 ed. Belo Horizonte: UFGM, 1999.

_____________. Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil. (1917-1964). São Paulo: FEPESP, 2002.

NIETZSCHE, Friedrich. O pensamento vivo de Nietzsche. Apresentação Heinrich Mann, tradução Sérgio Milliet. São Paulo: Martins/ Edusp, 1975.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: companhia das letras, 2006.

RIDENTI, Marcelo. Cultura e política: os anos de 1960-1970 e sua herança. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O tempo da ditadura: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013. (O Brasil Republicano, 4).

SILVA, José Bonifácio de Andrada e. Projetos para o Brasil. São Paulo: Companhia das letras; Publifolha, 2000.

SKIDMORE, Thomas E. Brasil: de Getúlio a Castelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

ARTIGOS DE PERIÓDICOS

FICO, Carlos. Ditadura militar brasileira: aproximações teóricas e historiográficas. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 20, p. 05 ‐ 74. jan./abr. 2017.

GOMES, Angela de Castro. Questão social e historiografia no Brasil do pós-1980: notas para debate. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n.34, jul-dez, 2004.

MACÊDO, F. A. L. “Relíquias da existência de um intelectual: os mundos fraturados de Júlio de Mesquita Filho na “Era dos Extremos”, nº8, pp. 108-124. 2019. Disponível em <http://revistas.usp.br/revistaintelligere>. Acesso em 29/02/2020.

WEHLING, Arno. As origens do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. RIHB, Rio de Janeiro, n.338, p.7-16, 1983.

Publicado
2021-06-28
Como Citar
Leal Macêdo, F. A. ., & Alves de Oliveira, M. . (2021). ATUAÇÃO INTELECTUAL NO GOLPE CIVIL-MILITAR DE 1964, O CASO DE JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(1), 367-384. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1066