IDENTIFICANDO E CLASSIFICANDO MENORES NO RIO DE JANEIRO DA DÉCADA DE 1930

O INSTITUTO SETE DE SETEMBRO E SEU LABORATÓRIO DE BIOLOGIA INFANTIL

  • Renato da Silva Universidade do Grande Rio - UNIGRANRIO
  • Rosane Cristina Oliveira Universidade do Grande Rio - UNIGRANRIO
Palavras-chave: Infância, criminalidade, História, medicina legal, Rio de Janeiro

Resumo

Este trabalho analisa a história do Instituto Sete de Setembro (ISS) e seu Laboratório de Biologia Infantil (LBI) na década de 1930. Localizado no Rio de Janeiro, capital da República, o ISS privilegiou a utilização de exames médico-legais para identificar os traços biológicos da criminalidade infantil. Teve sua origem a partir de uma instituição que funcionava como abrigo de crianças abandonadas. O ISS atuou inicialmente como estabelecimento temporário para abrigar as crianças encaminhadas a outras casas de recuperação e tinha como incumbência realizar a triagem de menores encaminhados pela polícia. O LBI era encarregado de fazer exames, que incluíam componentes médico-legal e antropológico, e preparar pareceres para avaliação por parte do Juizado de Menores. Argumenta-se que, através de uma análise histórica dessas instituições, é possível melhor compreender a emergência de políticas públicas voltadas para a infância na década de 1930 no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR NETO, Merton. Infância anormal. Anais do Instituto Sete de Setembro. Rio de Janeiro, n.4, p.13-18. 1940.

ALENCAR NETO, Merton. O menor desvalido em face ao Estado Novo. Anais do Laboratório de Biologia Infantil. Rio de Janeiro, n.2, 1938a. p.79-105.

ALENCAR NETO, Merton. Política objetiva. Anais do Laboratório de Biologia Infantil. Rio de Janeiro, n.3, 1938b. p.12-21.

ALVAREZ, Marcos César. A emergência do Código de Menores de 1927: uma análise do discurso jurídico e institucional da assistência e proteção aos menores. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1989.

BOTELHO, Rosana Ulhôa. Uma História da Proteção à Infância no Brasil: da questão do menor aos direitos da criança e do adolescente (1920-1990). 1993. 162 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade de Brasília, Brasília - DF, 1993.

CASTRO, Josué de. Resistência Dentária e Fator Racial. Ensaios de Biologia Social. Editora Brasiliense. São Paulo, cap VII, 1957. p. 97-120.

CRUZ, Lílian; HILLESHEIM, Betina; GUARESCHI, Neuza Maria de Fátima. Infância e políticas públicas: um olhar sobre as práticas psi. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 17, n. 3, dez. 2005, p.42-49.

FERLA, Luis. Feios, sujos e malvados sob medida: a utopia médica do biodeterminismo. São Paulo (1920-1945). São Paulo: Alameda. 2009.

FONSECA, Cristina M. Oliveira. Modelando a “cera virgem”: A saúde da criança na política social de Vargas. 176 f. 1990. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói – Rio de Janeiro.

GOMES, Ângela de Castro. A invenção do trabalhismo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994. 300 p.

GOMES, Ângela de Castro. A construção de um homem novo. In: OLIVEIRA, L. Lippi, VELLOSO M. e GOMES e Ângela M. Castro (Orgs.). Estado Novo: Ideologia e Poder. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1991. p. 151-166.

LIMA, Sabóia. Assistência às menores desvalidas – reformatórios. Anais do Instituo Sete de Setembro. Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, nº 4, 1940. p. 71-86.

LONDONÕ, Fernando. A origem do termo menor. In PRIORE, Mary Del (org.) História da Criança no Brasil. São Paulo. Contexto, 1991. p. 129-145.

MACHADO, Alcântara. Crime de abandono. Arquivos de Medicina Legal e Identificação do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, v. 8, n.16, 1939. p.81-93.

MELLO, Bandeira. Trabalho de menores. Arquivos de Medicina Legal e Identificação do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, v. 8, n.15, p.359-367. 1938.

MINEIRO, Beatriz Sofia. Código dos Menores dos Estados Unidos do Brasil. Edição Comentada. Companhia Editora Nacional, São Paulo, 1929.

PASSETTI, Edson. Crianças carentes e políticas públicas. In: PRIORE, Mary Del (Org.) História das crianças no Brasil. 2 ed. – São Paulo: Contexto, 2000, p. 347-375.

PERNAMBUCANO FILHO, Pedro. Medicina e pedagogia. Arquivos de Medicina Legal e Identificação do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, v. 8, n.15, 1938. p.368-376.

QUEIROZ, Carlota de. Serviços Sociais e a sua aplicação na Assistência à Infância. Arquivos de Medicina Legal e Identificação do Rio de Janeiro. Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, v. VII, nº 14, 1937. p. 250-269.

RIZZINI, Irma. Assistência à Infância no Brasil: uma analise de sua construção. Rio de Janeiro. Ed: Universitária Santa Úrsula, 1993.

RIBEIRO, Paulo Rennes Marçal. História da saúde mental infantil: a criança brasileira da Colônia à República Velha. Psicologia em Estudo. Maringá, v.11, 2006, p. 29-38.

RIBEIRO, Leonídio. Estudo médico do menor abandonado. Arquivos de Medicina Legal e Identificação do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, v.9, n.17, 1939. p.123-138.

RIBEIRO, Leonídio. Desvios de conduta da adolescência. Arquivos de Medicina Legal e Identificação do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, v.8, n.16, 1938. p.225-267.

RIBEIRO, Leonídio. Crime e criança. Arquivos de Medicina Legal e Identificação do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, v.8, n.15, 1938. p.36-57.

RIBEIRO, Leonídio. Laboratório de Biologia Infantil (discurso pronunciado pelo diretor dr. Leonidio Ribeiro). Arquivos de Medicina Legal e Identificação do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. v.8, n.15, 1937. p.171-191

SILVA, Renato da. O Laboratório de Biologia Infantil, 1935-1941: da medicina legal à assistência social. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, dez. 2011. p.1111-1130.

SILVA JUNIOR, Nelson Gomes de Sant'Ana e ANDRADE, Ângela Nobre de. É melhor pra você! normatização social da infância e da família no Brasil. Rev. Dep. Psicol. UFF, Niterói, vol.19, n.2, 2007. p. 423-438.

STEPAN, Nancy Leys. Eugenia no Brasil, 1917-1940. In: HOCHMAN, Gilberto Hochman & ARMUS, Diego (Orgs.) Curar, Controlar, Cuidar. Ensaios Históricos sobre Saúde e Doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2004. p.331-391.

WADSWORTH, James E. Moncorvo Filho e o problema da infância: modelos institucionais e ideológicos da assistência à infância no Brasil. Revista Brasileira de História. v. 19, nº 37, São Paulo, 1999. p.103-124.

Publicado
2021-06-28
Como Citar
da Silva, R. ., & Oliveira, R. C. . (2021). IDENTIFICANDO E CLASSIFICANDO MENORES NO RIO DE JANEIRO DA DÉCADA DE 1930: O INSTITUTO SETE DE SETEMBRO E SEU LABORATÓRIO DE BIOLOGIA INFANTIL. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(1), 428-447. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1069