EM BUSCA DE APROXIMAÇÕES ENTRE A HISTÓRIA DA CULTURA ESCRITA E A EDUCAÇÃO DE SURDOS

Palavras-chave: História Cultural, Educação de Surdos, Surdez

Resumo

Este ensaio tem como objetivo refletir e fazer uma aproximação entre os campos da História da Cultura Escrita e da Educação de Surdos. A fim de se alcançar este propósito, as questões elencadas para discussão foram: algumas considerações acerca do campo da História Cultural da escrita; a educação dos surdos numa perspectiva histórica; a língua de sinais – uma modalidade linguística viso-gestual; a visão da surdez numa perspectiva social e os desafios do letramento na educação bilíngue para surdos. Ventilam-se, pois, possibilidades de investigações num campo ainda desafiador e não desbravado: a história cultural das práticas de escrita de sujeitos surdos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARREIROS, Patrício Nunes. Por uma abordagem da história cultural das práticas de escrita na edição de textos. ALEA, Rio de Janeiro, v. 19/2, p. 389-414, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/alea/v19n2/1807-0299-alea-19-02-00389.pdf

BARROS, José D’Assunção. A história cultural e a contribuição de Roger Chartier. Diálogos, DHI/PPH/UEM, v. 9, n. 1, p. 125-141, 2005. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3055/305526860014.pdf

BATTISON, Robbin. Lexical borrowing in American Sign Language. Silver Spring, MD: Linstok, 1978.

BATTISON, Robbin. Phonological deletion in American Sign Language. Sign Language Studies, v. 5, p. 1-19, 1974. Disponível em: https://doi.org/10.1353/sls.1974.0005

BENTO, Nanci Araújo. Os parâmetros fonológicos: configuração de mãos, ponto de articulação e movimento na aquisição da língua brasileira de sinais – um estudo de caso. 2010. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística, Salvador, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/8409

BOTELHO, Paula. Linguagem e letramento na educação dos surdos: ideologias e práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 5. ed. Rio de Janeiro: Difel, 1989.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 23 dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: 20 ago. 2019.

BRASIL. Decreto nº 9.656, de 27 de dezembro de 2018. Altera o Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005, que regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 28 dez. 2018. Disponível em: http://planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/D9656.htm. Acesso em: 20 ago. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 20 ago. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 2 set. 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htm. Acesso em: 20 nov. 2015.

BRENTARI, Diane. A prosodic model of sign language phonology. Cambridge: MIT Press, 1998. p. 1-2.

CAPOVILLA, Fernando C. Sobre a falácia de tratar as crianças ouvintes como se fossem surdas, e as surdas, como se fossem ouvintes ou deficientes auditivas: pelo reconhecimento do status linguístico especial da população escolar surda. In: SÁ, Nídia Regina Limeira. (org.). Surdos: qual escola? Manaus: Editora Valer e Edua, 2011. p. 77-99.

CAVALCANTI, Marilda do Couto. Multilinguíssimo, transculturalismo e o (re)conhecimento de contextos minoritários, minoritarizados e invisibilizados. In: MAGALHÃES, Maria Cecília Camargo; FIDALGO, Sueli Salles. (org.). Questões de método e de linguagem na formação docente. Campinas: Mercado das Letras, 2011. p. 171-186.

CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita. São Paulo: UNESP, 2002.

COSTA, Roberto César Reis da. Analyzing a curriculum proposal for Brazilian Sign Language. Journal of Modern Education Review, v. 6, n. 10, p. 716-7, 2016. Disponível em: http://www.academicstar.us/UploadFile/Picture/2017-8/20178265451615.pdf

COSTA, Roberto César Reis da. Evaluating the teaching-learning process of Brazilian Sign Language as a second language in higher education. International Research in Higher Education, v. 3, n. 2, p. 99-111, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.5430/irhe.v3n2p99

COSTA, Roberto César Reis da. Proposta de instrumento para a avaliação fonológica da língua brasileira de sinais: FONOLIBRAS. 2012. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós-graduação em Língua e Cultura, Salvador, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/17216

DAMASCENO, Letícia de Souza Magalhães. Surdos Pataxó: inventário das línguas de sinais em território etnoeducacional. 2017. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

DE CERTEAU, Michel. A escrita da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

DINIZ, Heloise Gripp. A história da língua de sinais dos surdos brasileiros: um estudo descritivo de mudanças fonológicas e lexicais da Libras. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2011.

DORZIAT, Ana. O outro da educação: pensando a surdez com base nos temas identidade/diferença, currículo e inclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

FARIA, Sandra Patrícia. A metáfora na LSB e a construção dos sentidos no desenvolvimento da competência comunicativa de alunos surdos. 2003. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade de Brasília, Brasília, 2003. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/5287

FELIPE, Tanya Amara. Os processos de formação de palavra na Libras. ETD - Educação Temática Digital, v. 7, n. 2, p. 200-217, 2006. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/803

FELIPE, Tanya Amara. Sistema de Flexão Verbal na LIBRAS: Os classificadores enquanto marcadores de flexão de gênero. In: Anais do Congresso Surdez e Pós-Modernidade: Novos rumos para a educação brasileira. 1º Congresso Internacional do INES & 7º Seminário Nacional do INES. Rio de Janeiro: INES, Divisão de estudos e Pesquisas, 2002. p. 37-58.

FERNANDES, Sueli. Educação de surdos. Curitiba: InterSaberes, 2012.

FERREIRA-BRITO, Lucinda. Similarities and differences in two sign languages. Sign Language Studies, v. 42, p. 45-46, 1984. Disponível em: https://doi.org/10.1353/sls.1984.0003

FERREIRA-BRITO, Lucinda. Por uma gramática de línguas de sinais. Rio de Janeiro, RJ: Tempo Brasileiro, 1995.

FINAU, Rossana Aparecida; MAZZUCHETTI, Vinicios. A incorporação de numeral em estruturas classificadoras de Língua Brasileira de Sinais. ReVEL, v. 13, n. 24, p. 67-86, 2015. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/13e0a7830cf5d13dc8944a087c967423.pdf

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva. Dossiê: História da cultura escrita. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá (PR), v. 16, n. 1 (40), p. 207-214, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4025/rbhe.v16i1.775.0

GOLDFELD, Márcia. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. 2. ed. São Paulo: Plexus, 2002.

GUARINELLO, Ana Cristina. O papel do outro na escrita de sujeitos surdos. São Paulo: Plexus, 2007.

LANE, Harlan. When the mind hears: a history of the deaf. New York: Random House, 1984.

LANG, Harry G. Perspectives on the history of deaf education. In: MARSCHARK, Mark; SPENCER, Patricia Elizabeth (ed.). The Oxford Handbook of Deaf Studies, Language and Education. 2nd ed. New York: Oxford University Press, 2011. p. 7-17.

MACHADO, Paulo Cesar. A política educacional de integração/inclusão: um olhar do egresso surdo. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.

MEADOW, Kathryn P. Deafness and child development. Berkeley: University of California Press, 1980.

MOURA, Maria Cecília. O surdo: caminhos para uma nova identidade. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

NASCIMENTO, Sandra Patrícia de Faria do; CORREIA, Margarita. Um olhar sobre a morfologia dos gestos. Porto: Universidade Católica Editora, 2011.

PETRUCCI, Armando. Premessa. In: PETRUCCI, Armando. Prima lezione di paleografia. Roma-Bari: Laterza, 2002. p. V-VIII.

PETRUCCI, Armando. Testi scritti, testi perduti, testi ritrovati. In: PETRUCCI, A. Prima lezione di paleografia. Roma-Bari: Laterza, 2002. p. 99-126.

QUADROS, Ronice Müller de. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

QUADROS, Ronice Müller de; KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre, RS: Artmed, 2004.

ROCHA, Solange. O INES e a educação de surdos no Brasil: aspectos da trajetória do Instituto Nacional de Educação de Surdos em seu percurso de 150 anos. Vol. 1, 2. ed. Rio de Janeiro: INES, 2018.

RODERO-TAKAHIRA, Aline Garcia. Questões sobre compostos e morfologia da Libras. Estudos Linguísticos, v. 41, n. 1, p. 262-276, 2012. Disponível em: https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/1231

SÁNCHEZ, Carlos. La educación de los sordos en un modelo bilingüe. Mérida: Diakonia, 1991.

SILVA, Ivani Rodrigues; BOLOGNINI, Carmen Zink. Reflexões sobre o ensino de português escrito para surdos. In: BOLOGNINI, Carmen Zink; SILVA, Ivani Rodrigues (org.). Sentidos no silêncio: práticas de língua(gem) com alunos surdos. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015. p. 11-26.

SILVA, Vilmar. Educação de surdos: uma releitura da Primeira escola pública para surdos em Paris e do Congresso de Milão em 1880. In: QUADROS, R. M. (org.). Estudos surdos I. Petrópolis, RJ: Editora Arara Azul, 2006. p. 14-37.

SKLIAR, Carlos. Uma perspectiva sócio-histórica sobre a psicologia e a educação de surdos. In: SKLIAR, C. (org.). Educação & exclusão: abordagens sócio-antropológicas em educação especial. Porto Alegre: Mediação, 1997. p. 75-110.

SLOMSKI, Vilma Geni. Educação bilíngue para surdos: concepções e implicações práticas. Curitiba: Juruá, 2010.

SUMAIO, Priscilla Alyne. Sinalizando com os Terena: um estudo do uso da Libras e de sinais nativos por indígenas surdos. 2014. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/115690

VALLI, Clayton; LUCAS, Ceil; MULROONEY, Kristin J. Linguistics of American Sign Language: an introduction. Washington, DC: Gallaudet University Press, 2005.

XAVIER, André Nogueira; NEVES, Sylvia Lia Grespan. Descrição dos aspectos morfológicos da Libras. Revista Sinalizar, v. 1, n. 2, p. 130-151, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.5216/rs.v1i2.43933

Publicado
2021-06-28
Como Citar
Reis da Costa, R. C. . (2021). EM BUSCA DE APROXIMAÇÕES ENTRE A HISTÓRIA DA CULTURA ESCRITA E A EDUCAÇÃO DE SURDOS. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(1), 448-471. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i1.1070