O cólera nas páginas do jornal “O Expectador” (1862) no Piauí na segunda metade do século XIX

Palavras-chave: Medo, Cólera, Província do Piauí, O Expectador

Resumo

O objetivo deste artigo foi analisar a partir do periódico piauiense “O Expectador” os efeitos que o cólera provocou na província do Piauí em 1862. A metodologia constou de pesquisa bibliográfica e documental analisando-se, principalmente, edições do jornal “O Expectador” publicadas entre junho e setembro de 1862 . Indicou-se que entre maio e setembro de 1862 o cólera tornou-se elemento comum nas páginas do “O Expectador”, assinalando as ações tomadas pelo governo provincial e a produção de um imaginário do medo referente a doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco de Assis de Sousa Nascimento, Universidade Federal do Piauí - UFPI

Professor Associado II da Universidade Federal do Piauí - UFPI. Bolsista de Produtividade da UFPI 2019/2021. Orientador de Doutorado, Mestrado, Iniciação Científica, Monografias de conclusão de curso na área de História do Brasil. Supervisor de Estágio de Pós-Doutoramento. Possui Pós doutorado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC SP, Doutorado em História pela Universidade Federal Fluminense - UFF, Mestrado em História do Brasil, pela UFPI, Especialização em Docência do Ensino Superior pela UESPI, Graduação em História pela UESPI, Graduação em Pedagogia pela UFPI e Graduando de Psicologia da Uninassau - Teresina. Coordena o Curso de Licenciatura em História, do CEAD (Centro de Educação Aberta e a distância), Coordenou o Programa de Pós-Graduação em História da UFPI no período de 2015 a 2017. Coordenou o Doutorado Interinstitucional (DINTER) em História UFPE/UFPI (2013-2017). É Líder do Grupo de Pesquisa do CNPq "História Política, Teatro e Estética"

Elisabeth Mary de Carvalho Baptista, Universidade Estadual do Piauí - UFPI

Graduada em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Federal do Piauí - UFPI (1985). Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Piauí - UFPI (1997). Especialista em Ecoturismo, interpretação e Educação Ambiental pela Universidade Federal de Lavras - UFLA (2002). Especialista em Literatura, Estudos Culturais e outras linguagens pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI (2015). Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI (2000). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Piauí - UFPI (2004). Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2010). Pós-doutora em Geografia pela Universidade Federal do Piauí - UFPI (2019). Foi Coordenadora do Curso de Licenciatura Plena em Geografia Regime Especial e Regular da UESPI - Campus Poeta Torquato Neto, Pró-Reitora Adjunta de Ensino e Graduação e Coordenadora Adjunta do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica - PARFOR da mesma IES. É Professora Adjunta Dedicação Exclusiva e Coordenadora do Curso de Geografia da UESPI e do Núcleo de Estudos sobre a Zona Costeira do Estado do Piauí - NEZCPI da mesma IES. Sócia efetiva do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí - IHGPI. 

Referências

ALEXANDRE, Jucieldo Ferreira. Quando o “anjo do extermínio” se aproxima de nós: representações sobre o cólera no semanário cratense o Araripe (1855 – 1864). 2010. 245 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010.

BAPTISTA, Marcus Pierre de Carvalho. Amarras e desamarras: cotidiano e modernização em amarração no litoral do Piauí (1880-1930). 161 f. 2019. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2019.

BAPTISTA, Marcus Pierre de Carvalho; NASCIMENTO, Francisco de Assis de Sousa; BAPTISTA, Elisabeth Mary de Carvalho. Questões de litígio entre o Piauí e o Ceará: Embates pela Vila de Amarração no litoral do Piauí (1880 – 1884). Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, v.182 n. 485, p. 225-252, jan./abr. 2021.

BAPTISTA, Marcus Pierre de Carvalho; NASCIMENTO, Francisco de Assis de Sousa. Do “assombro” à morte: possibilidades de se pensar o medo, varíola e raiva no Piauí na segunda metade do século XIX. Revista Latino-Americana de História, São Leopoldo, v.10 n. 25, p. 64-79, jan./jul.2021.

BAPTISTA, Marcus Pierre de Carvalho; NASCIMENTO, Francisco de Assis de Sousa. O Inimigo vem do Mar: Cólera, Medo e Morte no Litoral Piauiense no Final do Século XIX. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science (UniEVANGÉLICA), Anápolis, v.7, n.2, p. 12-28, maio / ago. 2018.

BARATA, Rita de Cássia Barradas. Epidemia. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 9-15, jan-fev, 1987.

CARDOSO, Amâncio. Sob o signo do cólera: médicos acadêmicos contra a epidemia em Sergipe. In: FRANCO, Sebastião Pimentel; PIMENTA, Tânia Salgado; MOTA, André (Org.). No rastro das províncias: as epidemias no Brasil oitocentista. Vitória: EDUFES, 2019. p. 450-476.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na Corte Imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DAVID, Onildo Reis. O Inimigo Invisível: A epidemia do cólera na Bahia em 1855-56. 1993. 177 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1993.

DEL PRIORE, Mary. Histórias da gente brasileira: v.2 – Império. São Paulo: LeYa, 2016.

DELUMEAU, Jean. História do medo no ocidente 1300-1800: uma cidade sitiada. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FARIAS, Rosilene Gomes. O khamsin do deserto: cólera e cotidiano no Recife (1856). 2007. 141 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

FONSECA, Ana Carolina Rezende; SILVEIRA, Anny Jackeline Torres. Uma breve história da epidemia de cólera na província de Minas Gerais. In: FRANCO, Sebastião Pimentel; PIMENTA, Tânia Salgado; MOTA, André (Org.). No rastro das províncias: as epidemias no Brasil oitocentista. Vitória: EDUFES, 2019. p. 214 – 249.

FRANCO, Sebastião Pimentel; NOGUEIRA, André Luís Lima. Entre práticas e curas: as polivalentes formas de se enfrentar a epidemia do cólera no Espírito Santo. In: FRANCO, Sebastião Pimentel; PIMENTA, Tânia Salgado; MOTA, André (Org.). No rastro das províncias: as epidemias no Brasil oitocentista. Vitória: EDUFES, 2019. p. 143 – 168.

LEMOS, Mayara de Almeida. Asquerosa enfermidade: cólera no Ceará. In: FRANCO, Sebastião Pimentel; PIMENTA, Tânia Salgado; MOTA, André (Org.). No rastro das províncias: as epidemias no Brasil oitocentista. Vitória: EDUFES, 2019. p. 90 – 111.

LEMOS, Mayara de Almeida. Terror no sertão do Ceará: o cólera e seus flagelos. Fortaleza: EdUECE, 2016.

MASTROMAURO, Giovana Carla. Surtos epidêmicos, teoria miasmática e teoria bacteriológica: instrumentos de intervenção nos comportamentos dos habitantes da cidade do século XIX e início do XX. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 26., 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANPUH, 2011. p. 1-14.

MIRANDA, Carlos Alberto Cunha. A arte de curar nos tempos da colônia: limites e espaços da cura. 3. ed. Recife: UFPE, 2017.

MOURA, Alexandre Sampaio. Endemias e epidemias: dengue, leishmaniose, febre amarela, influenza, febre maculosa e leptospirose. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2012.

NUNES, Odilon. Pesquisas para a História do Piauí v.4. Teresina: FUNDAPI; Fundação Cultural Monsenhor Chaves, 2007.

PIMENTA, Tânia Salgado. O Exercício das Artes de Curar no Rio de Janeiro (1828 a 1855). 2003. 256 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

REBELO, Fernanda. Entre o Carlo R. e o Orleannais: a saúde pública e a profilaxia marítima no relato de dois casos de navios de imigrantes no porto do Rio de Janeiro, 1893-1907. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 765-796, jul./set. 2013.

REZENDE, Antônio Paulo. Desencantos modernos: histórias da cidade do Recife na década de XX. Recife: Fundarpe, 1997.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo das Raças: cientistas, instituições e questões raciais no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SILVA, Alexandre Wellington dos Santos. A pobreza urbana em Parnaíba, Piauí (1890 – 1920). 2018. 259 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.

SOUZA, Christiane Maria Cruz de. Males antigos, dilemas semelhantes? Peripécias do “odioso egípcio” na Bahia. In: FRANCO, Sebastião Pimentel; PIMENTA, Tânia Salgado; MOTA, André (Org.). No rastro das províncias: as epidemias no Brasil oitocentista. Vitória: EDUFES, 2019. p. 450-476.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

TUAN, Yi-Fu. Paisagens do Medo. São Paulo: UNESP, 2005.

WACHTEL, Nathan. Os índios e a conquista espanhola. In: BETHELL, Leslie (Ed.). História da América Latina. São Paulo: Edusp/ Brasília: Fundação Alexandre Gusmão, 1998, vol. 1, p. 195-239.

FONTES

NOTICIAS locaes. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 146, p. 4, 10 jun. 1862a.

CONSELHOS para o tratamento da epedemia do cholera morbus. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 146, p. 4, 10 jun. 1862b.

CONTINUAÇÃO do Expediente do mez de Maio de 1862. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 147, p. 3, 17 jun. 1862c.

CONTINUAÇÃO do Expediente do mez de Maio de 1862. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 148, p. 1, 21 jun. 1862d.

CONTINUAÇÃO do Expediente do mez de Maio de 1862. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 149, p. 3, 30 jun. 1862e.

CONTINUAÇÃO do Expediente do mez de Maio de 1862. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 150, p. 1, 7 jul. 1862f.

EXPEDIENTE do dia 2 de junho de 1862. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 150, p. 3, 7 jul. 1862g.

CONTINUAÇÃO do expediente do mez de junho de 1862. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 152, p. 1-3, 19 jul. 1862h.

EXPEDIENTE do mez de julho de 1862. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 153, p. 1, 30 jul. 1862i.

EXPEDIENTE do mez de julho de 1862. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 154, p. 2, 6 ago. 1862j.

EXPEDIENTE do mez de agosto de 1862. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 156, p. 1, 23 ago. 1862l.

EXPEDIENTE do mez de agosto de 1862. O Expectador, Teresina, ano 4, n. 159, p. 2, 20 set. 1862m.

O cholera morbus. A Época, Teresina, ano 7, n. 333, p. 1, 20 dez. 1884.

PIAUHY. Presidência da Província. Relatorio do Presidente do Piauhy o commendador Frederico D’Almeida e Albuquerque appresentado á respectiva Assembleia Legislativa Provincial na sessão ordinaria de 1856. São Luiz: Typographia do Progresso, 1856.

PIAUHY. Presidência da Província. Relatorio com que o Exm. Sr. Dr. Antonio de Britto Souza Gayozo passou a administração da provincia do Piauhy ao Exm. Sr. Prezidente Dr. José Fernandes Moreira no dia 13 de junho de 1862. Therezina: Tipographia Conservadora, 1862a.

PIAUHY. Presidência da Província. Relatorio que o Exm. Prezidente da Provincia do Piauhy Dr. José Fernandes Moreira apresentou á Assembleia Legislativa Provincial por occasião de sua installação no dia 10 de novembro de 1862. Therezina: Tipographia Conservadora, 1862b.

Publicado
2021-12-15
Como Citar
Baptista, M. P. de C., Nascimento, F. de A. de S., & Mary de Carvalho Baptista, E. (2021). O cólera nas páginas do jornal “O Expectador” (1862) no Piauí na segunda metade do século XIX. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(2), 359-384. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i2.1099