O fortalecimento da profissão médica e militar no Brasil

trajetória de Thomaz Cardoso de Almeida (1809-1875)

  • Leicy Francisca da Silva Universidade Estadual de Goiás - UEG https://orcid.org/0000-0001-9676-1426
  • Sônia Maria de Magalhães Universidade Federal de Goiás - UFG
Palavras-chave: Profissão médica, Medicina civil, Medicina militar, Personalismo

Resumo

Este artigo examina, por intermédio do método indiciário, a trajetória do goiano Thomaz Cardoso de Almeida (1809-1875), que atuou em diversas regiões do Brasil como médico militar e civil. Seu percurso profissional perpassa o fortalecimento da profissão no país, momento em que um padrão de carreira foi se elaborando no processo de afirmação da elite médica como grupo social. Sua jornada, contudo, não ficou isenta de percalços.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Cláudia. Formação militar e produção do conhecimento geográfico no Brasil do século XIX. Scripta Nova. Revista Electrônica de Geografia y Ciências Sociales. Universidad de Barcelona. Vol. X, núm. 218 (60), 1 de agosto de 2006. Disponível: http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-218-60.htm. Acesso: 1/6/2021.

ARAÚJO, Avohane Isabelle Costa de. Curar, fiscalizar e sanear: as ações médico-sanitárias no espaço público da cidade do Natal (1850-1889). Dissertação (mestrado em História) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, RN, 2015.

BETHELL, Leslie e CARVALHO, José Murilo de. O Brasil da independência a meados do século XIX. In História da América Latina. Org. Lelie Bethell.1ª ed. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2018.

BUENO, Jerônimo Carvalho. História da Medicina em Goiás. – Goiânia, 1979.

CASCUDO, Luís da Câmara. Notas e documentos para a história de Mossoró. Edição Especial. S/d, p. 96.

CASTRO, Celso; SOUZA, Adriana Barreto de. Presença militar na Amazônia. Entre a história e a memória. Rio de Janeiro: FGV, 2006, p.31-68.

COELHO, Edmundo Campos. As profissões imperiais. medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro, 1822-1930. Rio de Janeiro: Record, 1999.

CORADINI, O.L. Grandes famílias e elite profissional na medicina do Brasil Apud SALLES, M. R. R. Médicos italianos em São Paulo (1890-1930). São Paulo: Sumaré, 1997.

Correio Oficial. Parte oficial: Ministério do Império. Rio de Janeiro, 12 nov. de 1935, p. 1.

Correio Oficial. Parte oficial: Ministério do Império. Rio de janeiro, 20 nov., 1835, p. 1.

DANTAS, Rodrigo Aragão. As transformações no ofício médico no Rio de Janeiro: um estudo através dos médicos ordinários (1840-1889) / Rodrigo Aragão Dantas. – Rio de Janeiro: s.n., 2017.

Diário de Pernambuco. Palácio do Rio de Janeiro: Relação dos oficiais que ficam pertencendo a primeira classe do exército (decreto 260 de 1 dez., de 1841 e decreto n. 159 de 25 de abr., de 1842) José Clemente Pereira. 28 de nov., de 1842, p. 4.

Diário de Pernambuco. Parte oficial - Rio Grande do Norte: Governo da Província. PE, 15 out., 1845, p. 1.

Diário de São Paulo. Interior: notícias da Corte. São Paulo, 07 de janeiro de 1870, p. 2.

DORIA, Escragnole. Centenário de Grau Médico. Revista da Semana (RJ), 30 dez., de 1939, p. 18.

Escola Anatômica, Cirúrgica e Médica do Rio de Janeiro. In Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930) Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz – (http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br), p. 6, 7.

EUGÊNIO, Alisson. A medicina ilustrada e sua recepção pelos médicos que atuavam no Brasil do século XIX. Locus: revista de história, Juiz de Fora, v. 20, n. 2, p. 163-190, 2015.

Fala dirigida à Assembleia legislativa Provincial do Rio Grande do Norte na sessão ordinária do ano de 1851, pelo ilmo e exm. Sr. Presidente da província, o doutro José Joaquim da Cunha. 1851.

FERREIRA, Luiz Otávio. João Vicente Torres Homem: descrição da carreira médica no século XIX. Physis. Revista de Saúde Coletiva, vol.4, n.1, 1994, p.57-77.

GAUDILLIÈRE, Jean-Paul. La médecine et les sciences (XIX-XX siècles). Éditions La Découverte, Paris, 2006, p. 10.

GRAHAM, Richard. O Brasil de meados do século XIX à Guerra do Paraguai. In História da América Latina. Org. Lelie Bethell.1ª ed. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2018.

IAMASHITA, Léa Maria Carrer. Modernização e rebeldia: a dinâmica da política regencial e a Revolta da Balaiada no Maranhão (1831-1841). Doutorado em História Universidade de Brasília, 2010.

Jornal da Tarde. 14 de jan., 1879, p. 2. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=713120&pesq=%22cardoso%20de%20almeida%22&pasta=ano%20187&pagfis=261

MAGALHÃES, Sônia Maria de. Dr. Antônio Francisco de Azeredo: um médico do sertão no Brasil Oitocentista. OPSIS (On-line), Catalão, v. 17, n. 1, p. 4-19, jan./jun., 2017.

MARTINS, Zildete Inácio Oliveira. A participação de Goiás na Guerra do Paraguai. Bol. Goiano de Geografia. 3(1-2):1-38, jan./dez. 1983.

MOURA, Aureliano Pinto de. A atuação do corpo de Saúde do Exército na Guerra da Tríplice Aliança. In Revista Navigator: subsídios para a história marítima do Brasil. Rio de Janeiro, V. 11, no 21, p. 132-144 – 2015, p. 134.

O Jaguary-periódico político e social do Rio Grande do Norte. Publicação a pedido. 26 de abril de 1851, p. 4 e 5.

O Jaguary-periódico político e social do Rio Grande do Norte. Publicação a pedido. 26 de abril de 1851, p. 4 e 5.

O Mercantil. Ministério da Guerra: expediente do dia 18 de setembro de 1844. Minas Gerais, 01 de out., 1844, p. 1.

Publicador maranhense. Parte Oficial - Governo da Província. Maranhão, 21 de novembro de 1846, p. 1.

Relatório do Presidente de Província (RN). Relação nominal dos Diretores da Instrução Pública do Rio Grande do Norte (...).. Mapa 7. Natal, 14 jul., 1894. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=720496&pesq=%22cardoso%20de%20almeida%22&pagfis=282

SCHULZ, John. O exército e o império. In o Brasil monárquico, v. 6: declínio e queda do império. In História Geral da Civilização Brasileira, tomo II. Org. Sergio Buarque de Holanda. 6ª ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

SEIDL, Ernesto. A formação de um Exército à brasileira: lutas corporativas e adaptação institucional. Dossiê: História e Militarismo. Rev. História, 29 (2), dez. 2010.

SILVA, Alberto Martins da. Doutor Thomas Cardoso de Almeida. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás, n. 26, 2016, p.159-163.

SILVA, Lucian Souza da. E porque rasão a Parahyba se deveria mostrar surda e imóvel ante o espírito abolicionista? O movimento abolicionista na Parahyba do Norte (1864-1888). In Experiências históricas da gente negra na diáspora africana: Paraíba colonial e imperial/ Solange P. Rocha, Matheus Silveira Guimarães (Organizadores) - João Pessoa: Editora UFPB, 2018.

SILVA, Rodrigo Otávio da. Sair curado para a vida e para o bem: diagramas, linhas e dispersão de forças no complexo nosoespacial do Hospital de Caridade Juvino Barreto (1909-1927). Dissertação em História UFRN/centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. PPG-História, Natal, 2012.

SOUZA, Luiz de Castro. A medicina na Guerra do Paraguai, 1972.

Publicado
2021-12-15
Como Citar
Silva, L. F. da, & Magalhães, S. M. de . (2021). O fortalecimento da profissão médica e militar no Brasil: trajetória de Thomaz Cardoso de Almeida (1809-1875). Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(2), 243-268. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i2.1105