Peste Bubônica em Minas Gerais

a epidemia que não aconteceu (1899-1900)

Palavras-chave: Peste Bubônica, Politica Sanitária, Minas Gerais, Cícero Ferreira

Resumo

A peste bubônica surgiu no Brasil em 1899. A doença foi inicialmente notificada em Santos, de onde seguiu para o Rio de Janeiro e outras cidades do país. Apesar de Minas Gerais fazer fronteira com os principais focos da doença, não houve notificação de nenhum caso dentro do seu território. Este texto analisa as ações implementadas pelas autoridades contra a peste em Minas Gerais, destacando o papel do médico Cícero Ferreira na luta contra a expansão da doença.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Nansen. Notas biográficas sobre Cicero Ferreira. S.d. (manuscrito)

BARRETO, Abílio. Belo Horizonte - Memória Histórica e Descritiva - História Média. Belo Horizonte, Fundação João Pinheiro, 1995.

BENCHIMOL, Jaime L. (coord.). Manguinhos, do sonho à vida – ciência na Belle Époque. [online] Rio de Janeiro, Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, 2020. (Reimpressão comemorativa: Fiocruz 20 anos Patrimônio da Sociedade Brasileira).

BENEDICTOW, Ole Jørgen, BIANUCCI, Raffaella, e KACKI, Sacha e WIECHMANN, Ingrid.History of the Plague.In: “Sickness, Hunger, War, and Religion: Multidisciplinary Perspectives,” RCC Perspectives, n. 3, p. 63–74. 2012. Disponível em: http://www.environmentandsociety.org/sites/default/files/seiten_aus_1203_sickness_web_color-4_0.pdf. Acesso em 20/02/2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância e controle da peste / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

CARMICHAEL, Ann G. Bubonic plague. In: Kiple, Kenneth F. The Cambridge World History of Human Disease. Cambridge: Cambridge University Press, 2008,

CARNIEL, Elizabeth. Evolution of Pathogenic Yersinia, Some Lights in the Dark. In: SKUMIK, Mikael; BENGOECHEA, José Antonio; GRANFORS, Kaisa. Advances in Experimental Medicine and Biolog. The Genus Yersinia. V 529, p.3-12, 2004

CHAVES, Bráulio Silva. Os primeiros tempos: a ciência e a cidade moderna. STARLING, Heloisa M, GERMANO, Ligia B. P. e MARQUES, Rita de Cássia (orgs.) Fundação Ezequiel Dias: um século de promoção e proteção da saúde. Belo Horizonte: UFMG, 2007

CHAVES, Bráulio Silva. Instituições de saúde e a ideia de modernidade em Minas gerais na Primeira metade do século XX. In. MARQUES, Rita C., SILVEIRA, Anny J T., FIGUEIREDO, Betânia, G. (orgs). Historia da saúde em Minas Gerais: instituições e patrimônio arquitetônico. Barueri, SP: Manole, 2011

CRUZ, Oswaldo Gonçalves. A Peste. Rio de Janeiro: Typ. Besnard’Freres, 1906.

ECHENBER, Myron. Pestis Redux: The Initial Years of the Third Bubonic Plague Pandemic, 1894-1901. Journal of World History, v. 13, n. 2, pp. 429-449, 2002.

Febre aphtosa”. Minas Geraes, Belo Horizonte, 30 de agosto de 1907, p. 7,

FERREIRA, Cícero. A peste e o Estado de Minas. Minas Geraes, Belo Horizonte, 8 de junho de 1900. p. 5.

FERREIRA, Cicero. Destinatário: Laura das Chagas Ferreira (Laurita), 06/12/1899 (carta).

FERREIRA, Cicero. Destinatário: Laura das Chagas Ferreira (Laurita), 08/07/1900 (carta).

FRITH, John. The History of Plague. Parte 1- The Three Great Pandemics. JMVH, vol. 20, n. 2, 2012. Disiponível em: https://jmvh.org/article/the-history-of-plague-part-1-the-three-great-pandemics/. Acesso em 20/03/2021.

GAIA, Deivid V. Peste Antonina: A primeira Pandemia do Mundo Antigo. Ciência Hoje, n. 371. Março, 2021. Disponível em https://cienciahoje.org.br/artigo/peste-antonina/. Acesso 20/03/2021.

GHW – Global Health Now. Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health. (2021). Plague in DCR. January, 2021. Disponível em: https://www.globalhealthnow.org/2021-01/plague-drc. Acesso em 20/03/2021.

HOVETT, P. et al. Pneumonic Plague. Revue de Pneumologie Clinique, v.54, n. 6, p.373-376, 1998.

LARA, Mario. Cicero Ferreira. O Legado: a vida e a obra do grande empreendedor. Livro III. Rio de Janeiro: Imperial Mundo Novo, 2017.

LITTLE LK. (ed.). Plague and the End of Antiquity: The Pandemic of 541–750. Cambridge University Press, 2007, p. 4.

MAGALHÃES, Octávio. Ensaios. Belo Horizonte, Oficina da Faculdade de Direito da UMG, 1956.

MAGALHÃES, Vanda F. Octávio de Magalhães — um pouco do que ele foi. Belo Horizonte, Editora Cordel, 1976,

MARQUES, Rita de Cássia, CARVALHO, Roberto Barros, DINIZ, Carlos Ribeiro. A gênese da ciência em Belo Horizonte. Belo Horizonte, Relatório Fapemig, 1996 (manuscrito)

MARQUES, Rita de Cássia; MITRE, Sérgio Munir. Bócio endêmico em Minas Gerais: a pesquisa biomédica na terra dos 'papudos'. In: Nascimento, Dilene Raimundo do; Carvalho, Diana Maul de (Org.). Uma história brasileira das doenças. Brasília: Paralelo 15. p.182-193. 2004.

McCORMICK, Michael. Rats, communications and plague: Toward an Ecological History. Journal of Interdisciplinary History, v. 34. n..1, p.1-25, 2003.

MINAS GERAIS. Comissão d’ estudo das localidades indicadas para a nova capital (Relatório apresentada a S. Ex. O Sr. Dr. Affonso Penna pelo engenheiro civil Aarão Reis, janeiro a maio de 1893). Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, p. 26.

MINAS GERAES. Regulamento do Cemitério Público. Decreto 1.368, de 5 de março de 1900. Cidade de Minas, Imprensa Official, 1900ª.

MINAS GERAES. Regulamento do Matadouro da Capital. Decreto 1.369, de 5 de março de 1900. Cidade de Minas, Imprensa Official, 1900b.

NAVA, Pedro. “Cícero Ferreira e Aurélio Pires — Seu papel na fundação da Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais”. Brasil Médico, ano 75, nº 1-7, jan./jun. 1961.

NASCIMENTO, Dilene R. SILVA, Matheus Alves Duarte. A peste bubônica em Portugal e Brasil. Vozes, Pretérito e Devir (Dossiê Temático: História da saúde e da Doença, ano 1, v. 1, n.2, 2013, p. 21 -32.

NASCIMENTO, Dilene R. SILVA, Matheus Alves Duarte. “Não é meu intuito estabelecer polemica”: a chegada da peste ao Brasil, analise de uma controvérsia, 1899. História, Ciência e saúde – Manguinhos. R.J., v.20, supl. 2013, p.1271-1285.

A Peste e o Estado de Minas, O Paiz, 6/06/1900, p.1.

ROJAS, Maria E R. La peste bubônica en el Paraguay, 1899-1928. Assunção: Ministerio de Salud Pública y Bienestar Social, 2020.

SALLES, Pedro. “Contribuição para a história da medicina em Belo Horizonte”. Revista da Associação Médica de Minas Gerais, v. 18, nº 3, set. 1967.

SALLES, Pedro. “Contribuição para a história da medicina em Belo Horizonte”, in Revista da Associação Médica de Minas Gerais, v. 15, nº 1-4, jan./dez. 1964, p. 59.

SCHWARTZMAN, Simon. Formação da comunidade científica no Brasil. São Paulo/Rio de Janeiro, Companhia Editora Nacional/Financiadora de Estudos e Projetos, 1979.

SCHWARTSMANN, Leonor C B. Aspectos da peste bubônica em Porto Alegre no início do Século XX. In: GUILHERMANO Luiz G et al. Páginas da História da Medicina. Porto Alegre: EDIPRUCS, 2010, p. 110-119.

UNICEF. Democratic Republic of the Congo Humanitarian Situation Report N. 11. November, 2020. Disponível em: https://reliefweb.int/sites/reliefweb.int/files/resources/UNICEF%20DRC%20Humanitarian%20Situation%20Report%20No.%2011%20-%20November%202020.pdf. Acesso em 20/03/2021.

VEIGA, Cynthia Greive. Cidadania e educação na trama da cidade: a construção de Belo Horizonte em fins do século XIX. Campinas. UNICAMP 1994.

WHO - World Health Organization (2020). Emergencies preparedness, response. Plague – Democratic Republic of the Congo. July 23, 2020. Disponível em: https://www.who.int/csr/don/23-july-2020-plague-drc/en/. Acesso em 20/03/2021.

Publicado
2021-12-15
Como Citar
Torres Silveira, A. J., & Marques, R. de C. . (2021). Peste Bubônica em Minas Gerais: a epidemia que não aconteceu (1899-1900). Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(2), 185-208. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i2.1106