Do código penal a patrimônio cultural

uma breve análise dos caminhos da capoeira

  • Andressa Marques Siqueira Universidade de São Paulo -USP
Palavras-chave: Capoeira, patrimônio cultural, repressão

Resumo

O artigo resume e a analisa os caminhos da capoeira em razão da sua peculiar trajetória da criminalização ao reconhecimento como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil e da Humanidade. Apresenta como momentos históricos relevantes os processos de repressão e criminalização, institucionalização, e patrimonialização da expressão cultural; e analisa esses momentos identificando três fatores como essenciais para manutenção da prática cultural ao longo dos séculos e para seu reconhecimento como patrimônio cultural: a resistência e atuação dos capoeiristas, os interesses do Estado, e a africanidade da expressão cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABIB, Pedro Rodolpho Jungers. Capoeira Angola: cultura popular e o jogo de saberes na roda (Tese de doutorado em Ciências Sociais). Campinas: UNICAMP, 2004.

ABREU, Frede. Capoeiras – Bahia, Século XIX: imaginário e documentação. Salvador: Instituto Jair Moura, 2005.

ALBUQUERQUE, Wlamyra R.; FILHO, Walter Fraga. Uma História do negro no Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Ocidentais, 2006.

ANDREWS, George Reid. América Afro-Latina, 1800-2000. São Carlos: Editora da Universidade Federal de São Carlos, 2007.

ARAÚJO, Paulo Coelho de & JAQUEIRA, Ana Rosa Fachardo. A luta da capoeira: reflexões acerca da sua origem. Antropolítica, Niterói, nº24, p. 87-102, 1º sem, 2008.

AREIAS, Almir das. O que é capoeira. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1996.

BRASIL. Código Penal da República dos Estados Unidos do Brasil. 1890.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRETAS, Marcos Luiz. "A queda do império da navalha e da rasteira (a República e os capoeiras). Caderno de Estudos Afro-Asiáticos, no.20. Rio de Janeiro: Cândido Mendes, junho, 1991.

DIAS. Luis Sergio. Quem tem medo da capoeira? Rio de Janeiro, 1890- 1904/Luiz Sergio Dias. - Rio de Janeiro: Secretaria Municipal das Culturas, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, Divisão de Pesquisa, 2001.

HOLLOWAY, Thomas H. Polícia no Rio de Janeiro: repressão e resistência numa cidade do século XIX. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1997.

IPHAN. Dossiê IPHAN 12 – Roda de Capoeira e Ofício dos Mestres de Capoeira. Brasília, 2014. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/DossieCapoeiraWeb.pdf>. Acesso em 02/04/2020.

IPHAN. Parecer 031/08 – Registro da Capoeira como Patrimônio Cultural do Brasil.

MELLO, André da Silva. Esse nego é o diabo, ele é capoeira ou da motricidade brasileira. Revista Discorpo, São Paulo, n. 6, p. 29-39, 1996.

PASSOS, Antônio Marcos de Oliveira. Os mestres de capoeira e a patrimonialização: descompasso das políticas públicas brasileiras, p. 161 – 167. In Freitas (Org). Uma coleção biográfica: os Mestres Pastinha, Bimba e Cobrinha Verde no Museu Afro-Brasileiro da UFBA. Salvador. Edufba. 2015.

PINTO, Aline Cristhina dos Santos. Capoeira: de prática perseguida a símbolo da identidade nacional. Anais do V Congresso Internacional de História. Maringá, p 1530-1538.2011.

REGO, Waldeloir. Capoeira angola: ensaio sócioetnográfico. Salvador: Itapuã, 1968.

REIS, André Luiz Teixeira. Brincando de capoeira. Cidade: Ed. Abadá, 1997.

REIS, Letícia Vidor de Sousa. A capoeira: de "doença moral" à "gymnAstica nacional”. R. História, São Paulo, n. 129-131, p. 221-235, ago.-dez./93 a .- ago.-dez./94.

SOARES, Carlos Eugênio Libano. A Capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). Campinas: Ed. Unicamp/Centro de Pesquisa em História Social da Cultura, 2001.

SOARES, Carlos Eugênio Libano. A negregada instituição: os capoeiras no Rio de Janeiro, 1850-1890. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1994.

Publicado
2021-12-17
Como Citar
Marques Siqueira, A. . (2021). Do código penal a patrimônio cultural: uma breve análise dos caminhos da capoeira. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 18(2), 458-472. https://doi.org/10.35355/revistafenix.v18i2.1167