O AGON SISTÊMICO DA ANTIGUIDADE

  • Julio Aurelio Vianna Lopes Fundação Casa Rui Barbosa
Palavras-chave: civilizações antigas, Dádiva agonística, servidão

Resumo

O artigo aplica a teoria integracionista de Marcel Mauss (1872/1950) para compreender as civilizações antigas como configurações institucionais assumidas pela generalização da dádiva agonística – exercício competitivo da obrigação de retribuir – cujo predomínio caracteriza o respectivo período histórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUBOYER, J. A vida cotidiana na Índia Antiga. Rio de Janeiro: Livros do Brasil. 2002. (1957)

ANEQUIN, Guy. A civilização Indiana. Rio de Janeiro: Editora Ferni. 1979.

AYMARD, André. A vida dos Zhou. In: Crouzet, M. (Org) História Geral das Civilizações. Difel: Lisboa, 1957.

BARROS, José D. Passagens da Antiguidade Romana ao Ocidente Medieval: leituras historiográficas de um período limítrofe. In: Revista História, vol.28, n.1, Franca, SP, 2009.

BUENO, André. Aspectos da escravidão na antiga China Han. In: Revista Helade, vol. 3. N. 2, 2002.

BLOCH, Marc. A sociedade feudal. Lisboa: edições 70, 1990.

CAILLÉ, Alain (1998) – Nem holismo nem individualismo metodológico: Marcel Mauss e o paradigma da dádiva. In: Revista brasileira de ciências sociais, vol. 13, n.38, SP.

CARDOSO, Ciro F. Trabalho compulsório na Antiguidade. Rio de Janeiro: Graal, 1987.

GARLAN, Yvon. Les esclaves en Gréce Ancienne. Paris: Maspero, 1982, Maspero.

GOODY, Jack. O roubo da História. Rio de Janeiro: Contexto, – 2004.

GODBOUT, J.T. Introdução à dádiva. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 13,n 38, SP, 1998.

GUARINELLO, Norberto Luiz. Escravos sem senhores: escravidão, trabalho e poder no mundo romano. In: Revista brasileira de História, vol. 26, n. 52, SP, 2006.

GRANET, Marcel. A Civilização Chinesa. Rio de Janeiro: Otto Pierre, 1979 (1928).

MAUSS, Marcel. A Nação. São Paulo: Três Estrelas, 2017.

———. Ensaios de Sociologia. São Paulo: Perspectiva, 2015.

——— . Ensaio sobre a dádiva. In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

MEIRA, Silvio A. B. Instituições de Direito Romano. São Paulo:Max Limonad, 1971.

MORET, Alexandre. L’Egypt Pharaonique. Paris: Plon, 1932.

MUSCO Mendes. Norma et alii. A experiência imperialista romana: teorias e práticas In: Revista Tempo, vol. 9, n. 18, Niterói, RJ, 2005.

ROSTOVTZEFF, M. História de Roma. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

WOLFE, Eric. Europe and the people without history. Berkeley: University of California Press, Berkeley, 1994.

Publicado
2020-08-13
Como Citar
Julio Aurelio Vianna Lopes, J. A. V. . (2020). O AGON SISTÊMICO DA ANTIGUIDADE. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 17(1), 321-338. https://doi.org/10.35355/0000057