O NATURALISMO DE EUCLIDES DA CUNHA

CIÊNCIA, EVOLUCIONISMO E RAÇA EM OS SERTÕES

Palavras-chave: Euclides da Cunha, Naturalismo, Ciência, Evolucionismo, Raça

Resumo

Este artigo trata das concepções naturalistas presentes na narrativa literária de Euclides da Cunha em Os Sertões. Embora essa obra seja mais freqüentemente associada ao pré-modernismo, meu interesse consiste em demonstrar que seu autor está imerso nas interpretações que marcaram o naturalismo literário do último quartel do século XIX, de modo que a experiência social é apreendida por Euclides da Cunha a partir de uma forte dependência em relação aos fatores biológicos ou ecológicos. Deste modo, considerando que ciência, natureza e sociedade aparecem como elementos imbricados ao longo das páginas de Os Sertões, o objetivo central deste trabalho é analisar em que termos o naturalismo, as teorias evolucionistas e as idéias raciais são acionadas por Euclides da Cunha em sua interpretação sobre a formação nacional brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanderlei Sebastião de Souza, Casa de Oswaldo Cruz – Fiocruz

Doutorando em História das Ciências – Casa de Oswaldo Cruz – Fiocruz.

Referências

ABREU, Regina. O enigma de Os Sertões. Rio de Janeiro: Rocco/ Funarte, 1998.

ABREU, Regina. O livro que abalou o Brasil: a consagração de Os Sertões na virada do século. Rio de Janeiro. Revista Manguinhos – História, Ciências, Saúde, vol. 5, suplemento, p. 101-102, jul./ago. 1998.

BERNUCCI, Leopoldo. Cientificismo e aporias em Os Sertões. In: BERNUCCI, Leopoldo (Org). Discurso, Ciência e controvérsia em Euclides da Cunha. São Paulo: Edusp, 2008.

CARVALHO, José Murilo. A Construção da Ordem – Teatro de Sombras. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CUNHA, Euclides. Os Sertões. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 22 ed., 1952.

KROPF, Simone P.. Manoel Bomfim e Euclides da Cunha: vozes dissonantes aos horizontes do progresso. Revista Manguinhos – História, Ciencias Saúde, vol. 3, n. 1, p. 80-98, 1996.

LIMA, Nísia Trindade. Missões civilizatórias da República e interpretação do Brasil. Revista Manguinhos – História, Ciências, Saúde, Rio de Janeiro, vol. 5, suplemento, p. 163-194, 1998.

LIMA, Luiz Costa. Terra ignota: a construção de Os Sertões. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

LIMA. Nísia Trindade. Um sertão chamado Brasil: intelectuais e representação geográfica da identidade nacional. Rio de Janeiro: Revan/ IUPERJ, 1999.

MURARI, Luciana. Brasil, Ficção Geográfica: ciência e nacionalidade no país dos Sertões. São Paulo: Anna Blume, 2007.

MURARI, Luciana. Tudo o mais é paisagem: representação da natureza na cultura. Tese. (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

PENNA, Sérgio D. J. (Org.). Homo Brasilis: Aspectos genéticos, lingüísticos, históricos e socioantropológicos da formação do povo brasileiro. São Paulo: Funpec, 2002.

REZENDE, Maria José de. Os Sertões e os (des)caminhos da mudança social no Brasil. Tempo Social (Revista de Sociologia da USP), São Paulo, 13(2), p. 201-226, 2001.

SANTOS, Ricardo Ventura. A obra de Euclides da Cunha e os debates sobre mestiçagem no Brasil no início do século XX: Os sertões e a medicina-antropologia do Museu Nacional. Rio de Janeiro: Revista Manguinhos – História, Ciências, Saúde, vol. 5, jan./jul.1998.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

SEVCENKO, Nicolau. A Literatura como Missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1999.

SKIDMORE, Thomas. Preto no branco: Raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

VALENTE, Luiz Fernando. Entre Clio e Calíope: a construção da narrativa histórica em Os Sertões. Revista Manguinhos – História, Ciências, Saúde, Rio de Janeiro, vol. 5, suplemento, 1998.

VENTURA, Roberto. Estilo tropical: História cultural e polêmicas literárias no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1991.

VENTURA, Roberto. Visões do deserto: selva e sertão em Euclides da Cunha. Rio de Janeiro: Revista Manguinhos – História, Ciências, Saúde –, vol. 5, suplemento, 1998.

ZOLA, Emile. O romance experimental e o naturalismo no teatro. São Paulo: Perspectiva, 1982.

Publicado
2010-08-31
Como Citar
de Souza, V. S. (2010). O NATURALISMO DE EUCLIDES DA CUNHA: CIÊNCIA, EVOLUCIONISMO E RAÇA EM OS SERTÕES. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 7(2), 1-22. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/258