JUSTIÇA COM AS PRÓPRIAS MÃOS

A FIGURA DO JUSTICEIRO NA CPI DESTINADA A INVESTIGAR O EXTERMÍNIO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

  • Luisa Rita Cardoso Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
Palavras-chave: Infância, CPI, Extermínio, Justiceiro, Menor

Resumo

 partir de depoimentos prestados à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) Destinada a Investigar o Extermínio de Crianças e Adolescentes o artigo discute a figura dos justiceiros. A CPI em questão foi instalada no âmbito da Câmara dos Deputados em 1991 em resposta aos altos índices de morte violenta que atingiam crianças e adolescentes pobres no país naquele momento. O termo justiceiro era então utilizado em referência aqueles que decidiam fazer justiça com as próprias mãos, muitas vezes vitimando um segmento da população infantojuvenil que era visto a partir da lente da marginalidade. Chamados “menores”, as representações sociais acerca de tais sujeitos distanciava-os da ideia de infância e juventude que merecia ser protegida, rebaixando o valor de suas vidas. A análise usa o referencial teórico de Giorgio Agamben para pensar tais vidas e mortes a partir da ideia de homo sacer, isto é, da vida que não merece ser vivida e pode, portanto, ser morta. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

AREND, Silvia Maria Fávero. Histórias do abandono: infância e justiça no Brasil (década de 1930). Florianópolis: Editora Mulheres, 2011.

BARROS, Ricardo Paes de; HENRIQUES, Ricardo; MENDONÇA, Rosane. Desigualdade e pobreza no Brasil: retrato de uma estabilidade inaceitável. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n. 42, p. 123-142, fev. 2000.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio; HOLSTON, James. Democracy and violence in Brazil. Comparative Studies in Society and History, Cambridge, v. 41, n. 4, p. 691-729, oct. 1999.

CARDIA, Nancy. Direitos humanos: ausência de cidadania e exclusão moral. São Paulo: Comissão de Justiça e Paz, 1995.

CASTRO, Myrian Mesquita Pugliese de. Assassinatos de crianças e adolescentes no Estado de São Paulo. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 36, p. 81-102, fev. 1993.

CUNNINGHAM, Hugh. Histories of Childhood. The American Historical Review, Vol. 103, No 4, 1998, p. 1195-1208.

DIMENSTEIN, Gilberto. A guerra dos meninos: assassinato de menores no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

FRONTANA, Isabel C. R. da Cunha. Crianças e adolescentes nas ruas de São Paulo. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

HUGGINS, Martha Knisely. Exclusion, Civic Invisibility and Marginality. In: DENNIS, Rutledge (Org.). Marginality, power, and social sctructure: issues in race, class, and gender analysis. Kidlington: Elsevier, 2005. p. 71-92.

HUGGINS, Marta.Violência urbana e privatização do policiamento no Brasil: uma mistura invisível. Caderno CRH, Salvador, v. 23, n. 60, p. 541-558, set./dez. 2010.

MALLMANN, Maria Izabel. Os ganhos da década perdida: democracia e diplomacia regional na América Latina. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

PERES, Maria Fernanda Tourinho; CARDIA, Nancy; SANTOS, Patrícia Carla dos Santos. Homicídios de crianças e jovens no Brasil: 1980-2002. São Paulo: Núcleo de Estudos da Violência – Universidade de São Paulo, 2006.

PINHEIRO, Paulo Sérgio. Democratic consolidation and human rights in Brazil. Working Paper #256. Kellogg Institute, p. 1-45, 1998.

ROCHA, Sonia. Pobreza e indigência no Brasil: algumas evidências empíricas com base na PNAD 2004. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 16, n. 2, p. 265-299, mai./ago. 2006.

SINGER, Paul. Evolução da economia e vinculação internacional. In: SACHS, Ignacy; WILHEIM, Jorge; PINHEIRO, Paulo Sérgio (Orgs.). Brasil: um século de transformações. São Paulo: Companhia das Letras, 2001, p. 78-131.

Publicado
2020-08-13
Como Citar
Cardoso, L. R. . (2020). JUSTIÇA COM AS PRÓPRIAS MÃOS: A FIGURA DO JUSTICEIRO NA CPI DESTINADA A INVESTIGAR O EXTERMÍNIO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 17(1), 376-396. https://doi.org/10.35355/0000060