A MORTE DO CRISTÃO EM TRANSFORMAÇÃO

AS CIDADES E O ESPAÇO DA MORTE

  • Solimar Guindo Messias Bonjardim Universidade Federal de Sergipe – UFS
  • Daniel de Castro Bezerra Universidade Tiradentes – UNIT
  • Maria Augusta Mundim Vargas Universidade Federal de Sergipe – UFS
Palavras-chave: Modo de vida, Território da morte, Reorganização do espaço

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir as alterações causadas pela sociedade na morte do cristão e, consequentemente, na organização do espaço das cidades. A premissa inicial é que toda cidade ou espaço urbano é passível de reconstrução na medida em que a sociedade se desenvolve, isto é, se modifica, e consciente ou inconscientemente reorganiza seu espaço. Com essa afirmação, pode-se completar que a morte, como produto social, vai modificando o espaço das cidades juntamente com a sociedade. No decorrer da história são muitas as alterações que aconteceram no território da morte. Quando o Cristianismo se torna a religião oficial do Estado, a Igreja transforma a morte num ritual presente na vida diária das pessoas. Porém quando Igreja e Estado se separam outra transformação ocorre e a morte passa a não mais ocupar o mesmo território sagrado das Igrejas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Solimar Guindo Messias Bonjardim, Universidade Federal de Sergipe – UFS

Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe, membro do grupo de pesquisa Sociedade e Cultura da Universidade Federal de Sergipe. Doutorado em andamento em Geografia Universidade Federal de Sergipe, UFS.

Daniel de Castro Bezerra, Universidade Tiradentes – UNIT

Professor Adjunto III da Universidade Tiradentes, mestre em Geografia com área de concentração em Arqueologia.

Maria Augusta Mundim Vargas, Universidade Federal de Sergipe – UFS

Professora Doutora do Núcleo de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Sergipe, Coordenadora do grupo de pesquisa Sociedade e Cultura (UFS).

Referências

ARIÈS, Philippe. O homem diante da morte. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1989.

BONJARDIM, S. G. M.; BEZERRA, D. C.. Lápides, Ossos e Miasmas: A Reinvenção da Morte. Anais do 4º Workshop Arqueológico.. São Cristóvão: UFS/ MAX/PETROBRAS, 2006.

BONJARDIM, Solimar Guindo Messias. Percepção e representação da morte nas paisagens arqueológicas de São Cristóvão e Laranjeiras. Dissertação (Mestrado) – Núcleo de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2009.

CARVALHO, Fernando Lins de. Vizinhos, sim; enterros à parte. Os Cemitérios Santa Isabel e São Benedito. Aracaju, SE (1862-1933). Dissertação. (Mestrado) – Núcleo de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, 2003.

CLAVAL, Paul. A paisagem dos geógrafos. In: CORREA, R.C.; ROSENDAHL, Z. (Orgs.) Paisagens, Textos e Identidade. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2004.

COSGROVE, Denis E. A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDHAL, Zeny. (Orgs). Paisagem, tempo e cultura. 2 ed. Rio de Janeiro: UERJ, 2004.

COSTA, Maria Clélia Lustosa. Os cemitérios e a especialização da morte. Revista de Geografia: Recife, UFPE, 1996.

COULANGES, Fustel. A Cidade Antiga: estudos sobre o culto, o direito e as instituições da Grécia e de Roma. Tradução de Edson Bini. São Paulo: Edipro, 1998.

DE MASI, Domenico. Criatividade e grupos criativos. Tradução Lea Mazi e Yadyr Figueiredo. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

GRANOU, André. Capitalismo e modo de vida. São Paulo: Apontamentos, s.d.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HAESBAERT, Rogério. Territórios Alternativos. Niterói: EdUFF; São Paulo: Contexto, 2002.

MAIA, Doralice Sátyro. A Geografia e o estudo dos costumes e das tradições. Terra Livre, São Paulo, n. 16, p. 71-98, 1º semestre 2001.

MARCÍLIO, Maria Luiza. A morte de nossos ancestrais. In: MARTINS, José de Souza. (Org.) A morte e os mortos na sociedade brasileira. São Paulo: Hucitec, 1983.

MUMFORD, Lewis. A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Muito além do espaço: por uma história cultural do urbano. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol.8, n.16, 1995.

REIS, João José. A Morte é uma Festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

REIS, José João. O cotidiano da morte no Brasil oitocentista. In: NOVAIS, Fernando. (Org.). História da Vida Privada no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1997.

ROSENDAHL, Zeny. Espaço, Cultura e Religião: Dimensões de Análise. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDHAL, Zeny. (Orgs). Introdução à Geografia Cultural. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p.187-224, 2003.

ROSENDAHL, Zeny. Espaço e religião: uma abordagem geográfica. Rio de Janeiro: UERJ/ NEPEC, 1996.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: USP, 2002.

SIMON, C., CARVALHO. O. A. Esqueletos humanos pré-históricos do sítio Justino: as informações paleoantropológicas no estudo das sepulturas. Enterramentos na necrópole do Justino – Xingó. São Cristóvão: UFS/PAX, 1999.

Publicado
2010-08-31
Como Citar
Guindo Messias Bonjardim, S. ., de Castro Bezerra, D. ., & Mundim Vargas, M. A. . (2010). A MORTE DO CRISTÃO EM TRANSFORMAÇÃO: AS CIDADES E O ESPAÇO DA MORTE. Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 7(2), 1-21. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/262