NOTAS SOBRE O PAPEL DA SOCIEDADE DE GEOGRAFIA DO RIO DE JANEIRO E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SABER GEOGRÁFICO NO BRASIL

  • Luciene Pereira Carris Cardoso Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Palavras-chave: Território, Brasil, Sociedades geográficas

Resumo

O presente artigo pretende analisar a contribuição da Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro para o reconhecimento do território brasileiro e a promoção do desenvolvimento do saber geográfico no Brasil. A entidade apresentava-se como um espaço de sociabilidade reunindo diversos intelectuais, políticos e cientistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciene Pereira Carris Cardoso, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutorado em História Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ.

Referências

ANDRADE, Manuel Correia de. Élisée Réclus. São Paulo: Ática, 1985.

CAMENIETZKI, Carlos Ziller. Problemas da história da ciência na época colonial: a colônia segundo Caio Prado Junior. In: ANDRADE, Ana Maria Ribeiro de. (Org.). Ciência em perspectiva: Estudos, ensaios e debates. Rio de Janeiro: Mast/ SBHC, 2003.

CARDOSO, Luciene P. Carris. Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro: Identidade e Espaço Nacional (1883-1909). Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História Política, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2003.

COELHO, Edmundo Campos. As profissões imperiais: Medicina, Engenharia e Advocacia no Rio de Janeiro, 1822-1930. Rio de Janeiro: Record, 1999.

DANTAS, Maria Amélia Mascarenhas. As ciências na história brasileira. Ciência e Cultura, jan./mar. 2005, vol. 57, n.1, p. 26-29. Sobre as instituições brasileiras criadas, ver: CARVALHO, José Murilo de. A escola de Minas de Ouro Preto, o peso da glória. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

DANTES, Maria Amélia M. (Org.). Espaços da ciência no Brasil. 1800-1930. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

DANTES, Maria Amélia Mascarenhas. A implantação das ciências no Brasil: um debate historiográfico. In: ALVEZ José Jerônimo de Alencar. (Org.). Múltiplas faces da ciência na Amazônia. Pará: Universidade Federal do Pará, 2005.

DOMINGUES, Heloísa Maria Bertol. Ciência: um caso de política. As relações entre as ciências naturais e a agricultura no Brasil-Império, Tese. (Doutorado em História Social). Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade de São Paulo, 1996.

DUARTE, Regina Horta. Natureza e sociedade, evolução e revolução: a geografia libertária de Elisée Réclus. Revista Brasileira de História, São Paulo, vol. 26, n. 51, 2006.

FARIA, Sheila Castro. Imigrantes. In: VAINFAS, Ronaldo. (Org.). Dicionário do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

FAUSTO, Boris. (Org.). O Brasil Republicano: estrutura de poder e economia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

FERREIRA, Tânia Maria Tavares Bessone; NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das. As relações culturais ao longo do século XIX. In: CERVO, Luiz Amado. (Org.). Depois das caravelas: as relações entre Portugal e Brasil, 1808-2000. Brasília: UnB, 2000.

FREITAS, Antônio de Paula. (Org.). Relatório Geral da Terceira Reunião do Congresso Científico Latino-Americano: Trabalhos preliminares e inauguração do Congresso. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1906.

FIGUEIRÔA, Sílvia F. Mendonça. Marcos para uma história das ciências no Brasil. In: As ciências geológicas no Brasil: uma história social e institucional, 1875-1934. São Paulo: Hucitec, 1997.

FONSECA, Maria Rachel da. As conferências populares da Glória: a divulgação do saber científico. Revista Manguinhos: História, Ciências e Saúde, Rio de Janeiro: Fiocruz, vol. 2, n. 3, p. 135-166, nov./fev., 1996.

GUIMARÃES, Lúcia Maria Paschoal. Da escola palatina ao silogeu: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1889-1938). Rio de Janeiro: Museu da República, 2007.

GUIMARÃES, Lúcia Maria Paschoal. Fronteiras. In: VAINFAS, Ronaldo. (Org.). Dicionário do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Nação e civilização nos trópicos: o IGHB e o Projeto de uma História Natural. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n.1, p. 5-27, 1988.

GUIMARÃES, Lúcia Maria Paschoal. Debaixo da imediata proteção de Sua Majestade Imperial: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1838-1889). Revista do IHGB, Rio de Janeiro, n. 388, 1995.

HARDMAN, Francico Foot. Trem-fantasma: a ferrovia Madeira-Mamoré e a modernidade na selva. São Paulo: Cia. das Letras, 2005.

MARY, Cristina Pessanha. A Sessão da Sociedade de Geografia de Lisboa no Brasil e o sonho de um império africano. Tese. (Doutorado em História Social) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.

MELLO, Francisco I. Marcondes Homem de. Discurso do Barão Homem de Mello, Mr. Elisée Réclus: sessão extraordinária em 18 de julho de 1893 em honra ao sábio geógrafo francês. Revista da SGRJ. Rio de Janeiro, 1895.

MESQUITA, Sérgio Luiz. Sociedade Central de Imigração. Dissertação. (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História Política, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 1999.

MORAES, Antonio Carlos Robert de. Notas sobre identidade nacional e a institucionalização da geografia no Brasil. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 4, n. 8, 1991.

LOPES, Maria Margaret. O Brasil descobre a pesquisa científica. Os museus e as ciências naturais no século XIX. São Paulo: Hucitec, 1997.

LUCA, Leonora de; LUCA, João Bosco de Assis de. Marie Rennotte, pedagoga e médica: subsídios para um estudo histórico-biográfico e médico-social. Revista Manguinhos: História, Ciências e Saúde, Rio de Janeiro, vol. 10, n. 2, 2003.

PEREIRA, José Veríssimo da Costa. A geografia no Brasil. In: AZEVEDO, Fernando de. (Org.). As ciências no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994.

PEREIRA, Sérgio Luiz Nunes. Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro: origens, obsessões e conflitos (1883-1944). Tese. (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade de São Paulo, 2002.

PESTRE, Dominique. Por uma nova história social e cultural das ciências: novas definições, novos objetos, novas abordagens. Cadernos IG-Unicamp, Campinas, vol. 6, n.1,1996.

RÉCLUS, Elisée. Estados Unidos do Brazil: geografia, etnografia, estatística. Tradução e breves notas de barão de F. Ramiz Galvão e anotações sobre o território contestado pelo barão do Rio Branco. Rio de Janeiro: H. Garnier, 1899.

SALDAÑA, Juan José. Ciência e identidade cultural: história da ciência na América Latina. In: FIGUEIRÔA, Sílvia F. Mendonça. (Org.). Um olhar sobre o passado: história das ciências na América Latina. Campinas/São Paulo: Unicamp/Imprensa Oficial, 2000.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica da Geografia a uma Geografia Crítica. São Paulo: Edusp, 2002.

SCWARCZ, Lilia Moritz. Os guardiões de nossa história oficial, os institutos históricos e geográficos brasileiros. São Paulo: Idesp, 1989.

SCHWARTZMAN, Simon. Um espaço para ciência: a formação da comunidade científica no Brasil. Brasília: MCT/ Centro de Estudos Estratégicos, 2001.

VALENTIM, Alexandre, Velho Brasil, novas Áfricas: Portugal e o Império (1808-1975). Lisboa: Afrontamento, 2000.

VERGARA, Moema Resende de. Ciência e modernidade no Brasil: a constituição de duas vertentes historiográficas no Brasil no século XX. Revista da SBHC, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 1, p. 22-31, jan./jun., 2004.

VESSURI, Hebe M. C. Los papeles culturales de la ciência en los paises subdesarrollados. In: SALDAÑA, Juan José. (Org.), El perfil de la ciencia en America. Quipu, México, n. 1,

Publicado
2010-08-31
Como Citar
Pereira Carris Cardoso, L. . (2010). NOTAS SOBRE O PAPEL DA SOCIEDADE DE GEOGRAFIA DO RIO DE JANEIRO E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SABER GEOGRÁFICO NO BRASIL . Fênix - Revista De História E Estudos Culturais, 7(2), 1-20. Recuperado de https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/264